FlatOut!
Image default
Zero a 300

O novo Mercedes-AMG GLE 53, Huracán Evo ganha versão Spyder, Caoa pode comprar fábrica da Ford e mais!

Este é o Zero a 300, nossa rica mistura das principais notícias automotivas (ou não) do Brasil e de todo o mundo, caro car lover. Assim, você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere com a gente!

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Membro especial, com todos os benefícios: acesso livre a todo o conteúdo do FlatOut, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras!

A partir de

R$20,00 / mês

ASSINANTE

Plano feito na medida para quem quer acessar livremente todo o conteúdo do FlatOut, incluindo vídeos exclusivos para assinantes e FlatOuters.*

De R$14,90

por R$9,90 / mês

*Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.

 

Mercedes GLE ganha versão híbrida AMG 53

Depois do E 53, do CLS 53 e do AMG GT 53, agora é a vez do SUV GLE receber sua versão esportiva híbrida, o GLE 53. O modelo é a nova versão de topo desta quarta geração do GLE — ao menos enquanto o GLE 63 não dá as caras — e é o quarto AMG a receber o powertrain híbrido-leve da Mercedes, que consiste no novo seis-em-linha biturbo de três litros, combinado a um motor elétrico de 48 volts e a um compressor elétrico para auxiliar o torque em baixas rotações. Sim, são três compressores se você somar os dois turbos e o compressor elétrico.

Com isso a potência chega aos 435 cv a 6.100 rpm e aos 52,8 kgfm entre 1.800 e 5.800 rpm, com 22 cv e 25,4 kgfm extras fornecidos pelo motor elétrico de 48 volts, que atua por períodos breves de aceleração total. Com isso, o novo GLE 53 AMG tem 89 cv e 25,4 kgfm a mais que seu antecessor, o GLE 43 AMG, que usava somente o V6 biturbo de três litros.

Como os demais modelos AMG 53, este GLE distribui a força para as quatro rodas através do câmbio automático de oito marchas reprogramado pela AMG, e do sistema de tração 4Matic+, também calibrado pela divisão esportiva. A AMG ainda inclui seu sistema Dynamic Select, que fornece sete modos diferentes de condução: Slippery, Comfort, Sport, Sport +, Trail, Sand e Individual. O sistema atua na suspensão Active Ride Control, que usa molas pneumáticas com ajuste de altura de rodagem e função de autonivelamento, enquanto os amortecedores eletrônicos variam a carga.

O conjunto leva o SUV do zero aos 100 km/h em 5,3 segundos, uma redução de 0,4 segundo em relação ao GLE 43, e a velocidade máxima, como esperado, é limitada eletronicamente a 250 km/h.

Além do powertrain e do gerenciamento eletrônico da dinâmica do carro, a AMG também deu ao GLE 53 discos de freio de 400 mm na dianteira, 345 mm na traseira, pinças com dois pistões na dianteira, rodas de 20 polegadas (com opção de 21 ou 22 polegadas), a já famosa grade Panamericana, para-choques mais agressivos, com novas tomadas de ar e dutos de arrefecimento, além de um difusor mais pronunciado na traseira. Lá também estão as saídas duplas de escape, igualmente exclusivas da versão.

Por dentro, ele tem até sete lugares, caso você escolha os dois bancos opcionais da terceira fileira. Os bancos dianteiros são os esportivos AMG Performance, e o painel, como nos demais Mercedes, agora integra o sistema multimídia e o quadro de instrumentos digital que compõem o sistema MBUX.

O modelo será apresentado ao público em Genebra, na próxima semana, e deverá ser importado para o Brasil logo após o início das vendas na Europa. (LC)

 

Eis o novo Lamborghini Huracán Evo Spyder

A Lamborghini seguiu à risca seu padrão de lançamentos e revelou nas últimas horas da terça-feira (26) a versão aberta do Huracán Evo. Batizado com o tradicional sobrenome “Spyder”, ele é equipado com a mesma configuração do V10 de 5,2 litros usada em seu irmão cupê e no Huracán Performante, com 640 cv a 8.000 rpm e 61 kgfm a 6.500 rpm.

De acordo com a marca bolonhesa, o conversível vai de zero a 100 km/h em 3,1 segundos e chega aos 325 km/h, e apesar do teto aberto, ele se beneficia do mesmo conjunto aerodinâmico do Huracán Evo.

Com o teto fechado ele mantém a mesma silhueta do cupê, bem como o mesmo bodykit — para-lamas, tomadas de ar, rodas e painel traseiro são idênticos. Por essa razão ele produz cinco vezes mais downforce que a versão de base do Huracán — embora a Lamborghini não tenha divulgado números.

Comparado ao cupê, o Spyder diferencia-se apenas pelo deck traseiro/cobertura do motor, que dispensa o vidro do cupê em favor do mecanismo de recolhimento da capota de tecido. Seu botão de acionamento posicionado no console central também é a única modificação no interior.

Os demais sistemas, como o esterçamento das rodas traseiras, vetorização de torque e amortecedores adaptativos que compõem o Lamborghini Dinamica Veicolo Integrata (LDVI) também são os mesmos do cupê, bem como os modos de condução Strada, Sport e Corsa. (LC)

 

Grupo CAOA pode comprar a fábrica da Ford em São Bernardo do Campo

Depois do fechamento da fábrica da Ford no ABC paulista na semana passada, o governador de São Paulo, João Doria, reuniu-se com a diretoria da companhia para tentar contornar as demissões resultantes – mais de 5.000 funcionários, diretos e indiretos, ficaram sem emprego. Durante o encontro, ficou definido que a melhor alternativa seria encontrar um comprador para a fábrica, possibilitando a manutenção das atividades da planta.

Ontem (26), Doria anunciou que foi contatado por três potenciais compradores – duas companhias estrangeiras e uma nacional. Esta última é a CAOA, conforme a própria confirmou ao Estadão horas depois do comunicado de João Doria. A companhia de Carlos Alberto de Oliveira Andrade afirmou, contudo, que apenas manifestou interesse, e ainda não foi firmado qualquer tipo de compromisso.

O envolvimento da CAOA com a Ford é antigo – a empresa foi fundada em 1979, com a compra de uma concessionária Ford na Paraíba. Hoje, além de cuidar das operações da Hyundai, da Subaru e da Chery no Brasil, a CAOA também é dona da maior revendedora Ford do País. Comprar a fábrica da Ford não seria um tiro no escuro: diversos membros do quadro de executivos da CAOA já trabalharam na Ford, incluindo o atual presidente, Mauro Correia – ou seja, tecnicamente a CAOA já está por dentro das operações da fábrica em São Bernardo. Caso a negociação se concretize, companhia herdará uma fábrica pronta, com todo o pessoal, ferramental e fornecedores já prontos para continuar as atividades. E, dada a situação da unidade, tudo isto poderá ser adquirido por um valor mais baixo. (DH)

 

Polestar 2 é um sedã elétrico de 408 cv com suspensão elevada

Em 2017 a Volvo anunciou que sua divisão esportiva, a Polestar, daria origem a uma submarca especializada em carros elétricos para competir com a Tesla. Depois do esportivo híbrido Polestar 1, agora é a vez de um carro mais “família” – o Polestar 2, um sedã elétrico com pegada aventureira. Seguindo a linha dos modelos Cross Country da Volvo, o carro tem suspensão elevada e molduras plásticas nos para-lamas.

O visual e o nome do carro foram revelados ontem (26). O Polestar 2 lembra muito o Volvo Concept 40.2, apresentado em 2017 – a silhueta, as proporções e o formato dos faróis, lanternas e área envidraçada, principalmente.

O Polestar 2 tem dois motores elétricos, um para cada eixo, para uma potência combinada de 300 kW, ou 408 cv – suficiente para levar o sedã de zero a 100 km/h em cinco segundos. Com um conjunto de baterias de 78 kWh instalado no assoalho, o Polestar 2 terá autonomia de até 440 km. (DH)

 

Honda Urban EV Concept passa à fase de protótipo – e está perto de chegar às ruas

A Honda apresentou ontem (26) a nova versão de seu conceito Urban EV, compacto elétrico que também esteve no Salão do Automóvel em 2018. Agora chamado Honda E Prototype, o compacto retro-futurista ficou ainda mais próximo da versão de produção – de acordo com a fabricante, 98% do protótipo correspondem ao modelo final.

Segundo a Honda, o novo carro elétrico será feito sobre uma plataforma inédita, de tração traseira, feita espeficiamente para o modelo. Eles ainda não falam nada sobre o powertrain, mas confirmam que o Honda E terá autonomia de 200 km – reflexo de sua proposta urbana. Contudo, a companhia diz que também fez do comportamento dinâmico do carro sua prioridade e, por isso, deu ao protótipo rodas menores, de 16 polegadas, permitindo que ele tenha mais borracha – o conceito tinha rodas de 20 polegadas.

O interior, que já havia sido revelado em fotos, também mistura o futuro e o passado – o painel é totalmente dominado por telas coloridas: uma para o cluster de instrumentos, duas para a central multimídia (com 12 polegadas cada uma) e mais duas fazendo o papel de retrovisores. Mas suas formas retilíneas lembram bastante os carros da década de 70, incluindo o acabamento imitando madeira. Até mesmo o desenho e o revestimento dos bancos têm certo aspecto retrô.

Mais detalhes sobre o carro deverão ser desvendados até o fim do ano, quando a produção começará. (DH)

 

Ford Ka Urban Warrior é flagrado quase sem disfarces

Falando em Salão do Automóvel, outro carro apresentado por lá está prestes a chegar às ruas. Foram publicados pelo site Notícias Automotivas flagras do Ford Ka Urban Warrior, versão aventureira do sedã, com suspensão elevada e molduras pretas nos para-lamas.

O carro estava em uma cegonha, junto de outros exemplares do Ka – que, curiosamente, estavam bem mais camuflados. Pelas imagens, percebe-se que o Ka Urban Warrior será muito parecido com o conceito, conservando o mesmo desenho do para-choque e dos apliques em plástico preto. As rodas da unidade, porém, eram diferentes do que se viu o Salão – antes elas eram iguais às do Ford Ka Freestyle, com acabamento diamantado, mas agora elas são pintadas de preto e trazem um desenho distinto.

Ainda não há certeza sobre uma data de lançamento, e nem a respeito do conjunto mecânico. É provável que o Ka Urban Warrior (aliás, o nome também não foi confirmado) ofereça o motor 1.5 três-cilindros de 136 cv acoplado a um câmbio manual de cinco marchas, com a opção pela caixa automática de seis marchas da Ford. (DH)

 

Ginetta revela seu supercarro – que ainda não tem nome

A Ginetta nem esperou o início do Salão de Genebra para revelar seu novo supercarro. As fotos saíram nesta quarta-feira (27), antes mesmo de revelar o nome do carro.

O esportivo usa motor central-dianteiro e carroceria de fibra de carbono desenvolvida para gerar níveis de downforce semelhantes aos de seu carro da LMP1 (376 kg a 160 km/h, segundo a fabricante). O material compósito também é a base do monocoque que fornece a base mecânica para o carro.

O motor é um V8 de seis litros, aspirado e usinado a partir de um bloco único de alumínio (billet) com componentes internos forjados. Ele foi desenvolvido pela própria Ginetta, e produz mais de 600 cv e 71 kgfm. A transmissão é do tipo sequencial, com seis marchas e também foi desenvolvida para o esportivo.

O carro pesa apenas 1.150 kg, o que significa uma relação peso/potência de, no máximo 1,90 kg/cv — mesmo com a gaiola homologada pela FIA instalada como equipamento de série. A suspensão usa braços triangulares sobrepostos com pushrods nas quatro rodas e a distribuição de peso é de 49% na frente e 51 na traseira.

O lado de dentro é exibido em apenas uma foto, que mostra parte dos bancos moldados no monocoque, e usam Alcantara, fibra de carbono e billet de alumínio.

Apesar de ser um carro pronto para as pistas, o Ginetta será legalizado para as ruas, e terá ABS, controle de tração, câmera de ré, faróis com acendimento automático, sensores de estacionamento, desembaçador nos dois para-brisas, base de recarga de smartphone por indução e ar-condicionado. Serão feitos apenas 20 exemplares do modelo em 2020, dos quais 12 já foram vendidos. O preço não foi divulgado, mas espera-se que cada Ginetta saia por cerca de 400.000 libras esterlinas.

Agora.. olhando bem para ele… esse carro não ficaria interessante na nova categoria hypercars do WEC? (LC)

 

Próxima geração do Porsche Macan será elétrica

A Porsche declarou nessa terça (26) por meio de um release que a próxima geração do Macan será 100% elétrica. Ele vai usar a nova arquitetura PPE (Premium Plataform Electric), desenvolvida em conjunto com a Audi e que estreia no Taycan. O Sistema elétrico de 800 volts do Taycan, que carrega 80% das baterias em 15 minutos, também será usado no próximo Macan.

O plano de eletrificação da Porsche é ambicioso, pretendem investir 6 bilhões de euros até 2022 e até 2025 50% dos carros novos da marca terão pelo menos uma opção de drivetrain elétrico.  Nos planos também consta o investimento para a fábrica de Leipzig produzir carros elétricos. (ER)

 

Suzuki Katana é registrada no Brasil

A nova Suzuki Katana, com estilo inspirado na GSX1100S Katana de 1981, teve suas patentes registradas no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). O grupo J. Toledo, que representa a Suzuki no Brasil informou em seu blog que a moto deve chegar no Brasil em breve.

A nova geração da sport touring foi apresentada em 2018 no Salão de Colônia e tem estilo retrô, com farol quadrado, uma pequena carenagem de linhas retas e anguladas e rabeta curta. O motor é o mesmo quatro cilindros de 999 cm³ da GSX-R1000 K5, de 150 cv e ela vem com controle de tração e embreagem deslizante. (ER)

Matérias relacionadas

Os bancos esportivos mais legais da indústria automotiva – parte 1

Dalmo Hernandes

Um Fiat Tipo Sedicivalvole novinho, uma rara Saveiro Sportline 2.0, um SUV com turbo e supercharger e as novidades do GT40

Dalmo Hernandes

A história do Mazda RX-7, parte 1: a gênese do ícone com motor Wankel

Dalmo Hernandes