A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Pensatas Trânsito & Infraestrutura

O outro lado dos acidentes: os prejuízos que vêm das estradas brasileiras

Matar 40 mil pessoas por ano nas estradas é apenas parte do prejuízo que os acidentes de trânsito no Brasil causam, ainda que seja a parcela mais importante. Nada no mundo é capaz de devolver as vidas que são abreviadas em nossas ruas e estradas. Todo o resto, em teoria, dá para consertar. Mas é muito prejuízo, como mostra o estudo “Acidentes de Trânsito nas Rodovias Federais Brasileiras: Caracterização, Tendências e Custos para a Sociedade”, que o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada) divulgou hoje.

custos-acidentes-federais-estaduais-municipais-2014-Ipea

O estudo se baseou em dados da Polícia Rodoviária Federal, abrangendo apenas as estradas sob a responsabilidade da União. A conclusão? Que a despesa com os acidentes em 2014, só naquelas estradas, foi de R$ 12.298.320.541,07. Para facilitar, R$ 12,3 bilhões.

Ao anunciar o estudo, o pessoal do Ipea disse que, se os acidentes em rodovias estaduais e municipais forem somados à conta, o prejuízo bate nos R$ 40 bilhões. Ou um pouco mais do que o governo federal espera obter com a volta da CPMF em 2016.

letalidade-OMS-2010

Talvez ele seja até maior. Os acidentes em estradas federais foram responsáveis, segundo o PVST (Programa Volvo de Segurança no Trânsito), por 8.623 mortos em 2010, ano mais recente de estatísticas da OMS (Organização Mundial de Saúde) sobre o assunto.

No Brasil inteiro, segundo a entidade, morreram 43.869 pessoas devido a acidentes naquele mesmo ano. A OMS tem até um gráfico dinâmico que mostra a gravidade do problema, um daqueles que merecem cartaz tanto por serem bem feitos quanto pela importância do que informa. Se aplicarmos a relação matemática entre as mortes nas rodovias federais e as totais, que é de 1 para 5,09, o prejuízo causado por mortes no trânsito brasileiro poderia chegar a mais de R$ 60 bilhões.

acidentes-2014-federais-Ipea

Na média, cada um dos 169.163 acidentes ocorridos na malha rodoviária federal custou ao país R$ 72.705,31. Mas a média é um bocado injusta, inclusive pelas consequências de cada um deles.  Se há lesões, mas não mortes, o custo médio do acidente é de R$ 90.182,71. Os que tiveram vítimas fatais, ou 6.742 deles, tiveram um custo de R$ 646.762,94. Em outras palavras, 5% dos acidentes tiveram um impacto de cerca de 35% dos custos, segundo o Ipea.

A maior parte do prejuízo, ou 43% dos R$ 12,3 bilhões, reside na perda de produtividade de quem fica afastado do trabalho temporária ou permanentemente, seja por invalidez ou morte. Os danos aos veículos representam 30% das despesas, enquanto os custos hospitalares respondem por 20% dessa montanha de dinheiro desperdiçada. Em outras palavras, é o capital humano que se perde, mais do que qualquer coisa. A uma taxa de 40 mil por ano!

frota-acidentes-2014

De 2004 a 2014, o número de acidentes cresceu 50,3%, pulando de 112.457 em 2004 para os 169.163 que já citamos em 2014. Mesmo assim, o número de mortes não acompanhou o crescimento, indo de 6.199 em 2004 para 8.227 em 2014, um crescimento de 34,5%. Mesmo diante de um aumento expressivo na frota circulante, que mais do que dobrou. Foi de 39.240.875 para 86.700.490, um aumento de 120,9%.

O Ipea diz o seguinte sobre o fenômeno: “Isso pode indicar o sucesso de medidas de redução de acidentes nas rodovias federais, como a concentração das operações da polícia nos trechos críticos e melhorias da infraestrutura e equipamentos de controle de velocidade”. Só que o próprio Ipea destaca que a maior causa de acidentes, nas estradas, é a falta de atenção.

causas-acidentes-2014

O PVST confirma o dado.

causas-PVST

Em outras palavras, demonizar a velocidade não parece ser a resposta. O que realmente parece ter acontecido, apesar do aumento da frota de motos, que elevou bastante o número de mortes em acidentes, foi um aumento de segurança dos veículos mais novos, com danos menos graves. Vamos repetir o gráfico com as estatísticas de acidentes para mostrar isso. Repare:

frota-acidentes-2014

Em termos relativos, os números melhoraram: o número de acidentes por milhão de veículos caiu 32%; o de acidente com feridos por milhão de veículos, 31,1%; o de acidentes fatais por milhão, 39,1%. E foi em 2014 que ABS e airbags se tornaram obrigatórios, vale lembrar. Já pensou o que uma renovação de frota séria não seria capaz de operar?

Voltando às motos, não se trata de preconceito contra as duas rodas, mas sim de evidências apresentadas pelo estudo. O gráfico abaixo mostra isso bem.

letalidade-modais-2014

Note que acidentes de moto causam 4,6 feridos graves para cada pessoa que morre, um valor muito mais alto do que os de carros, ônibus ou caminhões, representado pela faixa azul escura. A azul clara mostra a quantidade de acidentes para cada morte provocada: enquanto há uma para cada 8,1 acidentes com carros, há uma a cada 2,9 acidentes com motos.

Por fim, a faixa verde mostra o número de mortes a cada 100 mil acidentes. São 7,3 nas motos. Quem chega mais perto são os ônibus, com 7,2 mortes, mas vale lembrar que, quando um ônibus mata, ele mata no atacado, como infelizmente somos lembrados em quase todo feriado prolongado.

Uma contextualização importante do estudo veio com os índices de acidentes por Estado. Veja abaixo o ranking:

O Estado que mais mata nas rodovias federais é Mato Grosso, com um índice de 8,67 mortos por 100 mil habitantes. O problema é que um índice destes é melhor que o de Portugal, com 9,1 mortes por 100 mil habitantes. Se pudesse ser levado em consideração, o levantamento deixaria São Paulo, com seu índice de 0,69 morte por 100 mil habitantes, muito melhor que a Noruega, país com o trânsito mais seguro do mundo, com suas 2,9 mortes/100 mil habitantes.

mortes-estradas-estaduais-SP-2014

Somando apenas as mortes em estradas estaduais de São Paulo, que foram 2.291 em 2014, segundo o Comando de Policiamento Rodoviário da Polícia Militar de São Paulo, o índice sobe para 5,85 mortes/100 mil habitantes. Ainda em linha com os melhores índices mundiais. E vale lembrar que São Paulo tem algumas das estradas com os maiores limites de velocidade máxima do país — Castelo Branco, Bandeirantes, Ayrton Senna e Anhanguera, por exemplo, têm limites de 120 km/h.

Em resumo, o quadro que o Ipea apresenta é feio, mas é (muito) subestimado. A coisa é muito pior do que o estudo aponta. Para que pudesse ser mais realista, ele precisaria contar com estatísticas confiáveis de todas as vias brasileiras, inclusive de ruas. E não há nada do tipo mesmo em cidades grandes, como São Paulo, como já mostramos por aqui. Uma pena. O próprio Ipea admite que seu estudo sofre limitações. Vale conferi-lo inteiro aqui.

filhos-da-dor

Sabemos que a coisa só muda com mais educação de trânsito, uma fiscalização mais efetiva e por aí vai. Mas há muita coisa que já dá para fazer. Não dirija distraído. Use o celular corretamente. Deixe a esquerda livre. Use a seta. Ou enfrente a responsabilidade não de causar prejuízos financeiros, mas sim aqueles que dinheiro nenhum no mundo pode consertar. O Jornal do Commercio, de Pernambuco, fez a série Filhos da Dor. De partir o coração, mas é um alerta vivo de que não adianta ficar culpando governo, idiotas de toda espécie ou a morte da bezerra pelas mais de 40 mil mortes anuais no asfalto. É preciso que façamos nossa parte.

Matérias relacionadas

Como a sinalização pode tornar o trânsito mais perigoso?

Leonardo Contesini

São Paulo terá 40% mais radares e espera arrecadação de R$ 1,2 bilhão em 2014

Leonardo Contesini

É assim que se acaba com os “donos da faixa da esquerda”… nos EUA

Gustavo Henrique Ruffo