A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Zero a 300

O primeiro Shelby Cobra está à venda, BMW X1 nacional começa a ser exportado para os EUA, Lewis Hamilton quer desenvolver seu próprio Mercedes-AMG e mais!

Este é o Zero a 300, nossa rica mistura das principais notícias automotivas do Brasil e de todo o mundo, caro car lover. Assim você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere com a gente!

 

O primeiro Shelby Cobra está à venda

1962-shelby-cobra-csx-2000

Um dos carros mais emblemáticos e importantes dos EUA está a venda: o primeiro de todos os Shelby Cobra, com número de chassi CSX 2000 será leiloado em agosto pela RM Sotheby’s em Monterey.

O carro foi construído em 1962, quando Shelby instalou um V8 260 (4.3) no chassi do roadster britânico AC Ace e iniciou o desenvolvimento do esportivo. Foi também este carro que Shelby usou nas apresentações à imprensa e em sessões de fotos publicitárias. Em testes de época, o carro completou a aceleração de zero a 100 km/h em 4,2 segundos e o quarto-de-milha em 13,8 segundos. O exemplar permaneceu na garagem de Carroll Shelby por 50 anos — de 1962 até sua morte em 2012.

Como bem descreve a RM Sotheby’s: “Quando se trata de esportivos americanos o CSX 2000 é inigualável. Seu significado histórico e seu impacto na cena esportiva mundial é incomensurável”. A casa de leilões não divulgou um preço estimado para o carro, mas é provável que ele ultrapasse facilmente a marca do milhão de dólares, considerando que este foi o valor pago por dois exemplares no começo deste ano — nenhum deles com a importância histórica deste primeiro exemplar.

 

Lewis Hamilton quer desenvolver seu próprio Mercedes de rua

hamilton-moers

Lewis Hamilton venceu seus três campeonatos de Fórmula 1 embalado pelos motores Mercedes, mas até agora não teve seu nome associado a nenhum esportivo da marca. Ao menos não diretamente — o mais próximo disso até agora é o Pagani Zonda 760 LH, feito sob encomenda para Lewis e que, por acaso, usa um motor V12 aspirado da AMG.

Mas isso pode mudar em um futuro próximo. Segundo o Top Gear, Lewis andou conversando com o chefe da AMG, Tobias Moers, sobre a ideia de fazer um carro em parceria. “Quando eles me mostraram o AMG GT R eu comecei a imaginar! Estava falando para Tobias: “você tem toda tecnologia de F1 e tem o campeão mundial em seu carro. Vamos fazer algo juntos!”, disse o piloto ao Top Gear. “Em algum momento pretendo fazer meu próprio carro com eles, como um AMG GT LH ou algo do tipo”.

amg-gt-r-19

 

Caso isso aconteça um dia, apesar de Lewis Hamilton ser um grande adepto do câmbio manual, é bem provável que o AMG “Lewis Hamilton” continue equipado com um câmbio automático. Aliás, podemos até imaginar como seria um carro desse: uma variação do AMG GT com algo em torno de 600 cv produzidos pelo V8 4.0 biturbo, câmbio de embreagem dupla, pintura roxa e rodas pretas. Mais ou menos como seu Zonda. Considerando que ainda há uma série de versões do AMG GT nos planos da Mercedes — roadster, GT4 e Black Series —, não é exagero imaginar ao menos uma edição especial de alguma delas.

 

FlatOut terá seção semanal sobre Simracing

Sim Racer House

Simracers, vocês foram ouvidos. A partir desta terça-feira o FlatOut Brasil terá todas as semanas um post sobre automobilismo virtual — do Gran Turismo ao iRacing, do Forza ao Assetto Corsa — em nossa nova seção Sim Racer House.

O lançamento seção é algo que já planejávamos há algum tempo pois, além de fazer parte da cultura automotiva e ser praticado por muitos leitores do FlatOut, os simuladores têm uma importância além do entretenimento, servindo como ferramenta de desenvolvimento para melhores pilotos e motoristas. Além disso, divulgar essa cultura certamente ajudará a atrair novos pilotos virtuais e, claro, a manter a cultura forte.

andrei_simracer2

A Sim Racer House terá conteúdo produzido em parceria com o 3WideClub.com, criado pelo publicitário Andrei Fonseca, que também é organizador de campeonatos online e presenciais com simuladores, um dos maiores incentivadores do Automobilismo Virtual como um e-sport no Brasil. Fique ligado que hoje teremos o primeiro post. Até lá!

 

BMW X1 brasileiro será exportado para os EUA

p90216735-highres

A BMW anunciou ontem (29) o início da exportação do crossover X1 produzido no Brasil para os EUA. As primeiras unidades foram embarcadas no Porto de Paranaguá/PR e fazem parte de um lote de 10.000 veículos a ser enviados para o mercado norte-americano.

bmw_x1_45

Estas primeiras unidades são 207 BMW xDrive 28i, produzidas na nova fábrica da marca alemã em Araquari/SC, e equipadas com o motor 2.0 turbo de 240 cv e 35,7 mkgf.  Segundo a BMW, a exportação dos modelos brasileiros demonstra que a fábrica catarinense da BMW “mantém a qualidade e eficiência exigida, estando apta a fornecer veículos para um dos mercados mais exigentes do mundo”.

 

Série “Clássicos do Brasil” ganha dois novos livros

9788578813659

Os leitores mais assíduos do FlatOut já devem conhecer a série “Clássicos do Brasil” da editora Alaúde. São livros quase sempre incluídos em nossas listas de sugestões de presentes por sua qualidade na apuração histórica e, claro, pelo preço acessível.

A série já contou a história de Gurgel, Chevette, Passat, Jeep, Gol, Alfa Romeo, Brasilia, Fusca, Kombi, Aero Willys, DKW, Dodge, Galaxie, Karmann-Ghia, Maverick, Opala e Simca, e agora juntam-se à coleção os livros do Fiat 147, escrito por José Rogério Lopes de Simone e Rogério Ferraresi, e do Chevrolet Monza, escrito por José Rogério Lopes de Simone e Fábio Pagotto. Como os demais livros, as duas novas publicações contam a história completa destes clássicos — sua origem, o desenvolvimento no Brasil, evolução do modelo ao longo dos anos, dados técnicos, volume de vendas e produção e desempenho nas pistas brasileiras.

Cada exemplar custa R$ 29,90 no site oficial da Editora Alaúde ou nas grandes livrarias brasileiras.

 

Mazda comemora 25 anos de sua vitória em Le Mans com pintura retrô

MazdaPrototype55-1024x453

Apesar dos esforços hercúleos (e milionários) da Toyota, a Mazda chega aos seu 25º ano como primeira e única fabricante japonesa a vencer as 24 Horas de Le Mans. Para comemorar essas duas décadas e meia, a marca irá levar de volta às pistas a icônica pintura do Mazda 787B que venceu as 24 Horas de Le Mans de 1991.

A pintura, que ficou tão marcada na história quanto o ronco insano do motor Wankel de quatro rotores, estampará dois protótipos LMP2 na etapa de Watkins Glen do SportsCar Championship da IMSA. Desta vez, infelizmente, os carros usarão algo bem mais convencional que um superWankel: eles serão equipados por um 2.0 turbodiesel.

 

Matérias relacionadas

Estes são os 15 Porsche 911 mais raros já fabricados

Dalmo Hernandes

Biturbo 3.3 Alméras: quando os franceses fizeram um Porsche 911 flatnose “alternativo” – e sensacional

Dalmo Hernandes

Uma manhã no museu: a história do Tucker 48 brasileiro

Leonardo Contesini