A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Projetos Gringos Zero a 300

O retorno do incrível Toyota GT-One a Le Mans 20 anos depois – com o mesmo piloto

A cada dois anos o Automobile Club de l’Ouest organiza a Le Mans Classic, que celebra a história da mais emblemática corrida de longa duração do planeta. Pense nela como ma versão retrô das 24 Horas de Le Mans, com o grid formado por todos os tipos de carros e grandes pilotos que marcaram as 86 edições da prova no Circuito de La Sarthe.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Membro especial, com todos os benefícios: acesso livre a todo o conteúdo do FlatOut, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras!

A partir de

R$20,00 / mês

ASSINANTE

Plano feito na medida para quem quer acessar livremente todo o conteúdo do FlatOut, incluindo vídeos exclusivos para assinantes e FlatOuters.*

De R$14,90

por R$9,90 / mês

*Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.

Você sabe que uma corrida é icônica quando todas as “eras” que ela teve ao longo das décadas são repletas de carros lendários. Nos anos 1930 eram carros especiais da Bugatti e da Bentley. Nos anos 50, esportivos da Jaguar e da Aston Martin, como o D-Type e o DB1. Nos anos 60 e 70, os protótipos da Ford, Ferrari e da Porsche. Nos anos 80, os heróis de Le Mans eram os incríveis protótipos do Grupo C, como o Porsche 962, o Jaguar XJR-9 e o Mazda 787B. E, nos anos 90 e 2000, os monstros da categoria GT1 – que, em verdade, também eram protótipos, mas tinham versões de homologação para as ruas. Carros como o Nissan R390 GT1, o Porsche 911 GT1, o Mercedes-Benz CLK GTR… e o astro de hoje – o Toyota GT-One.

Os resultados do Toyota GT-One (cujo nome ofical era Toyota TS020, em linha com a nomenclatura da fabricante para protótipos) foram apenas medianos em Le Mans. Em cada uma das edições que o carro competiu – 1998 e 1999 – foram inscritos três carros. E, em ambas apenas um deles chegou ao final – com o mesmo trio, formado Keiichi Tsuchiya (sempre ele!), Ukyo Katayama e Toshio Suzuki, nas duas. Em 1998, ano em que o Porsche 911 GT1 foi o vencedor, o GT-One terminou a prova na 9ª posição. Em 1999 o vencedor foi o BMW V12 LMR, que se enquadrava na recém-criada categoria LMP. Já o GT-One ficou em segundo na classificação geral, porém venceu na categoria que sucedeu a GT1, a LMGTP.

phoca_thumb_l_24hdumans1998-0015

Isto posto, mesmo sem uma vitória geral, o Toyota GT-One é um poço de carisma – por duas razões. A primeira, e mais óbvia, foi sua aparição em Gran Turismo 2, lançado em dezembro de 1999 e estava disponível tanto na versão de competição quando no modelo de homologação. Tanto que, mesmo que a Le Mans Classic tenha acontecido já há mais de dois meses, achamos mais do que justo mostrar seu retorno ao Circuito de La Sarthe durante o evento. Porque foi nada menos do que épico.

O carro foi pilotado pelo francês Emmanuel Collard, que reencontrou o Toyota GT-One duas décadas depois de ter conduzido o carro em 1998 e 1999. Collard dividiu o volante com o britânico Martin Brundle e o francês Éric Hélary em 1998. Em 1999, Hélary deu lugar ao italiano Vincenzo Sospiri.

gtone-3

Em ambas as ocasiões a participação do GT-One nas 24 Horas de Le Mans foi marcada por problemas técnicos e acidentes. Na corrida de 1998, embora tenha conseguido uma excelente classificação, largando em 2º (atrás apenas do Mercedes-Benz CLK GTR), o carro #28 conduzido por Collard sofreu um acidente na volta 191, já bem depois da metade da prova, e foi forçado se retirar.

w76rlgacomrfirl64zst

Já em 1999 o GT-One de Collard largou em primeiro – uma feliz coincidência com o #1 estampado na carroceria. Atrás dele vinha o carro #2, com o trio composto pelo belga Thierry Boutsen, o alemão Ralf Kelleners, e o britânico Allan McNish. A terceira posição no grid ficou com o BMW V12 LMRParecia uma corrida extremamente promissora, praticamente já ganha para a Toyota. Mas não foi assim: já na 90ª volta o carro #1 teve um pneu furado, e a explosão acabou danificando a carroceria de forma irreversível.

resize-autowp.ru_toyota_gt-one_race_version_3

O mesmo aconteceu com o segundo carro, por volta da metade da corrida – de forma ainda mais grave, porque a explosão causou um acidente que destruiu o carro. O terceiro carro, de Keiichi Tsuchiya, poderia ter brigado até o fim pela liderança, mas foi forçado a fazer um pit-stop na última hora da corrida… para trocar um pneu furado. Acabou ficando em segundo, o que garantia a entrada automática da Toyota nas 24 Horas de Le Mans de 2000 – exceto que a fabricante decidiu deixar Le Mans após 1999.

1998 Le Mans 24 Hours toyota_gt-one_race_version_3

O visual distinto do Toyota TS020/GT-One é parte do seu apelo, sem dúvida – a dianteira baixa, os para-lamas elevados, o bico no capô, a traseira longa e quase plana, o cockpit em forma de bolha. É um desenho quase atemporal, extremamente contemporâneo mas, ao mesmo tempo, indubitavelmente noventista. Mas o design não é a única coisa que ele tem de incrível. Seu motor era um V8 biturbo de 3,6 litro derivado daquele utilizado pelos protótipos da Toyota em Le Mans anos antes.

O vídeo gravado no Le Mans Classic com Emmanuel Collard acaba sendo a melhor oportunidade de ouvir o V8 denominado R36V com total clareza. Com 610 cv a 6.000 rpm e 66,2 mkgf às mesmas rotações e câmbio manual eletro-hidráulico de seis marchas (levando a força para as rodas traseiras), o GT-One foi o carro que atingiu a velocidade mais alta e que deu a volta mais rápida nas duas edições em que correu.

LMC2018_010 LMC2018_015 LMC2018_023

Em 1998 a volta mais rápida da corrida, 3:41,809, foi registrada pelo GT-One – que também marcou 345 km/h ao final da Hunaudières. Em 1999, Collard conquistou a pole com 3:29,930. A volta mais rápida durante a corrida foi de 3:35,052, e a velocidade no fim da reta foi de 352 km/h.

A Toyota mantém seis dos sete GT-One feitos sob seus cuidados, exceto pelo carro que foi destruído em 1999. Isto inclui a versão de rua feita para homologação e o carro que foi convertido para uso nas ruas – que jamais rodou.

Com o novo regulamento que colocará hipercarros no WEC a partir de 2020, há uma ponta de esperança por um retorno da Toyota a Le Mans com um modelo especial – mas nada ainda foi confirmado. Por ora, o GT-One permanece como o último de sua espécie.

20180706_DSC7709

Matérias relacionadas

Croácia vs. França: Rimac C_Two ou Bugatti Chiron? Você decide!

Dalmo Hernandes

Renault Clio sai de linha depois de 18 anos, Toyota irá produzir hot hatch de 210 cv, Ford GT chegará aos 347 km/h e mais!

Leonardo Contesini

Camaro conversível no Brasil, Honda Fit com fila de espera, prisão para motoristas ao celular e mais!

Leonardo Contesini