A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Automobilismo Car Culture

O Santo Graal da Subaru: um dos protótipos do Impreza WRX STi está à venda – com 55 km rodados

Toda fabricante de automóveis com uma forte veia entusiasta tem ao menos um “Santo Graal”. E, no caso da Subaru, é razoavelmente seguro afirmar que este posto é ocupado pelo Impreza WRX STi 22B – considerado, por uma série de razões, o mais desejável de todos os modelos e versões da linhagem.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Membro especial, com todos os benefícios: acesso livre a todo o conteúdo do FlatOut, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras!

A partir de

R$20,00 / mês

ASSINANTE

Plano feito na medida para quem quer acessar livremente todo o conteúdo do FlatOut, incluindo vídeos exclusivos para assinantes e FlatOuters.*

De R$14,90

por R$9,90 / mês

*Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.

Foram feitos apenas 400 exemplares numerados do WRX STi 22B em 1998, de 001/400 a 400/400,  fazendo dele uma das variantes mais raras do Subaru Impreza. Todos os carros eram pintados no mesmo tom de azul metálico, rodas BBS douradas com as tampas da ponta de eixo de fibra de carbono, carroceria de duas portas, para-lamas alargados e, debaixo do capô, um motor boxer EJ22, com 2,2 litros de deslocamento, desenvolvido especialmente para a versão.

O STi 22B também tinha molas Eibach e amortecedores ajustáveis da Bilstein. Diferentemente dos rumores a letra B não é uma referência ao fornecedor dos amortecedores, mas um código interno da Subaru para o turbo. Além disso, 22B é a conversão hexadecimal-decimal do número 555, que era a marca de cigarros patrocinadora do Subaru Rally Team na época.

O carro foi apresentado no Salão de Tóquio em 1997, ano em que Colin McRae ajudou a Subaru a conquistar seu terceiro título no Campeonato Mundial de Rali, e chegou às concessionárias do Japão no ano seguinte, comemorando o tricampeonato e também os 40 anos da Subaru como fabricante de automóveis. Reza a lenda que todas as 400 unidades foram vendidas em questão de três dias, e alguns mais empolgados dizem que não levou mais que cinco horas.

Em qualquer caso, estamos falando de um carro que já nasceu extremamente cobiçado e nunca deixou de sê-lo – ao ponto de vários deles terem sido comprados como investimento. É por isso que, mais raro que o 22B em si é ver um 22B à venda, qualquer que seja seu estado de conservação.

É por isso que topar com um dos protótipos do 22B com apenas 55 km rodados é um acontecimento extremamente raro, praticamente impossível. E com um destes a venda? É o equivalente subarista à descoberta do Santo Graal. E foi o que aconteceu.

Aqui está: um Impreza WRX STi 22B “000/400”, à venda em uma loja de Hong Kong pelo equivalente a US$ 255.000 – R$ 1 milhão, em conversão direta.

Para entender como um Impreza WRX STi pode valer tanto, é preciso escavar um pouco na história do 22B, antes mesmo de ele começar a ser vendido. A própria Subaru não possui registros muito precisos a respeito do tema, mas até onde se sabe foram feitos ao menos seis protótipos do 22B antes da produção em série – primeiro, três com a numeração “000/000”, e depois, mais três com a numeração “000/400”. Podem ter sido feitos mais protótipos, com ambas as numerações, pois diversas fontes dizem que o número total de exemplares do 22B, pode chegar a 424.

Nos anos seguintes, logo depois que a série limitada esgotou, os fãs do Impreza dedicaram-se a tentar rastrear os protótipos, que aparecem de em tempos. E um destes entusiastas é Adam Zillin, dono do canal 7Tune no Youtube – e da página tempos de mesmo nome no Facebook.

Em 2013 Adam visitou o museu da Subaru STi, que fica em Tóquio, e fez um vídeo com um dos protótipos “000/000”, que faz parte do acervo.

Acredita-se que os carros “000/000” foram construídos para fins de divulgação e testes à imprensa – ao menos três deles. Não há informações sobre seu paradeiro atualmente, exceto pelo carro que está no museu.

Já os carros “000/400” foram feitos depois. Um deles foi parar nas mãos do próprio Colin McRae, que pode tê-lo comprado ou ganhado de presente da própria Subaru, e recebeu a placa S447 YOX – este carro ainda pertence à família McRae, e de tempos em tempos é exposto em algum evento.

Os outros dois, especula-se, foram dados a Nicky Grist, o navegador de McRae por boa parte de sua carreira, e a David Lapworth, que na época era coordenador da equipe de fábrica da Subaru no WRC. A trajetória destes carros também não é totalmente conhecida do público, o que só torna ainda mais fascinante a existência de um exemplar à venda. Ainda mais em Hong Kong.

O carro está simplesmente imaculado, como novo. Não há qualquer sinal de desgaste por fora ou por dentro, e até mesmo os pneus Pirelli P Zero devem ser os originais de fábrica. Mas é o número marcado no hodômetro digital que mais surpreende: 55 km.

Foi o próprio Adam quem entrou em contato com a loja na Ásia para descobrir o preço do carro – dois milhões de dólares de Hong Kong (ou US$ 254.000/R$ 1 milhão em conversão direta). Não foram divulgadas outras informações, mas é possível arriscar alguns palpites.

Em 2017, foi leiloado pela Bonhams um exemplar “000/400” do 22B com 51.000 km rodados. Segundo a agência de leilões, o carro pertenceu a seu primeiro dono por vinte anos – ou seja, de 1997 a 2017 – e foi mantido “como novo” por todo este tempo. O proprietário mandou colocar adesivos no carro por conta própria, para torná-lo mais parecido com os Impreza de rali, mas fora isto ele era todo original.

Ainda de acordo com a Bonhams, foi exatamente este carro que a Subaru levou para Salão de Tóquio de 1997.

É bem plausível que a unidade leiloada pela Bonhams tenha sido arrematada por um colecionador como investimento e levada para Hong Kong – onde a revenda responsável por ele pede, agora, quase o dobro do preço que foi pago há dois anos.

Mas, voltamos a frisar, isto é apenas especulação. Além disso, se estivermos diante do mesmo carro, ainda falta descobrir o que aconteceu com o exemplar de Nicky Grist.

Como já foi dito, a própria Subaru faz alguma confusão quanto às origens do 22B. Talvez jamais saibamos a verdade.

Matérias relacionadas

Uma retrospectiva dos esportivos da Fiat em seus 40 anos de Brasil – Parte 1

Dalmo Hernandes

Il Commendatore: a trajetória de Enzo Ferrari, dos Grand Prix aos carros mais rápidos do mundo – Parte 6

Dalmo Hernandes

A língua do P: explicamos o confuso sistema de nomenclatura da Porsche

Leonardo Contesini