A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Carros Antigos

O único Bugatti EB110 Competizione que existe quase não correu – e ele vai a leilão!

O Bugatti Veyron sofreu um fenômeno curioso: apesar de ser caríssimo e exclusivíssimo, ele se tornou um carro extremamente conhecido. Pensando bem, isto não é tão curioso assim — desde antes de ser lançado, em 2004, o Veyron jamais deixou de ser assunto em veículos automotivos e conversas entre petrolheadas, seja para amá-lo ou odiá-lo por todos seus superlativos.

E você, mesmo, pode ser dos que amam ou odeiam o Veyron, com seus quatro turbos, oito litros, dez radiadores e dezesseis cilindros — inegável é o fato de que, para muita gente, o Veyron acabou colocando em evidência outro carro: seu antecessor, o EB110. E você pode até talvez achar que a gente é chato, mas ele não precisava de tanta coisa para chamar a atenção.

A gente já falou do EB110 há algum tempo aqui no FlatOut. Ele foi lançado em 1991, quatro anos depois que a Bugatti renasceu das cinzas pela primeira vez depois de um hiato de 38 anos, quando foi comprada pelo empresário italiano Romano Artioli.

eb110-6

Na primeira versão, EB110 GT, o motor V12 quadriturbo de 3,5 litros e 60 válvulas entregava 560 cv a 8.000 rpm. Era o bastante para chegar aos 100 km/h em 4,2 segundos com máxima de 336 km/h, o que fez dele o carro mais rápido do mundo em 1991. Foram fabricadas por volta de 95 unidades do EB110 GT. Na SS, a mais rara, o motor entregava 612 cv a 8.250 rpm, sendo capaz de levar o esportivo aos 100 km/h em 3,2 segundos com máxima de 348 km/h — 1 km/h a menos que o Jaguar XJ220, que tirou o recorde do Bugatti EB110 GT pouco antes do lançamento do SS.

Mas até aí tudo bem, porque o EB110 deixou de ser o carro mais rápido de seu tempo para ser o segundo carro mais rápido de seu tempo e continuava sendo absurdamente incrível. Tão incrível que o piloto e entusiasta Gildo Pallanca Pastor, nascido em Monaco, usou um EB110 SS para quebrar o recorde de velocidade no gelo. Ele chegou aos 296,34 km/h sobre a superfície congelada de um lago na Finlândia em março de 1995 e, depois disso, decidiu que colocaria o supercarro para competir em uma corrida de verdade. Ou melhor, na maior de todas as corridas: as 24 Horas de Le Mans.

eb110-11

Com suporte oficial da Bugatti e um bom técnico responsável pelo projeto — o ex-Ligier Daniel Pernoud —, Pastor partiu para a empreitada. O Bugatti EB110 SS já era um carro insano o suficiente, claro, mas precisava receber algumas modificações para participar da categoria GT1. A ideia era competir na edição de 1996, disputando contra caras como Porsche 911 GT1 e o McLaren F1 GTR. Como sabemos, o vencedor foi o Porsche WSC-95 da Tom Walkinshaw Racing (leia mais sobre ele aqui), mas talvez o Bugatti tivesse uma chance. Com o ex-Fórmula 1 Patrick Tambay comandando o carro nos treinos de classificação, o carro foi muito bem. No entanto, durante as últimas voltas, Tambay acabou batendo o carro. A Bugatti até tentou consertá-lo, mas não deu tempo, e o carro acabou nem participando da corrida.

eb110-9

 

eb110-10

O que foi uma pena, pois ele tinha potencial: ainda que o motor mantivesse a mesma cavalaria, sua curva de torque era mais ampla. O sistema de tração integral foi mantido. O peso foi reduzido em cerca de 200 kg com a tradicional aliviada no interior e a adição de alguns componentes de fibra de carbono, como o splitter frontal.

eb110-3 eb110-4 eb110-7

O carro recebeu freios de carbono-cerâmica, janelas de acrílico e rodas de magnésio BBS feitas especialmente para o projeto. O interior recebeu instrumentos Magneti Marelli, bancos e cintos de competição, sistema de supressão de incêndio e todos os equipamentos exigidos pela FIA e, assim, o EB110 SS Competizione se tornou um baita carro de competição.

Antes do acidente em La Sarthe, ele foi testado em diversos circuitos — Watkins Glen, Daytona, Suzuka. No meio do projeto a Bugatti acabou indo à falência mais uma vez, mas isto não impediu que o EB110 Competizione fosse consertado e competisse mais uma vez, no circuito de Dijon, antes de se aposentar definitivamente.

eb110-1

Agora, o carro será leiloado pela agência Artcurial durante a próxima edição do Retromobile, evento anual que acontecerá no dia 5 de fevereiro. Eles esperam arrecadar algo entre €800 mil e €1,2 milhão, o que, em conversão direta, equivale cerca de R$ 3,5-5,3 milhões. Dá para comprar uns dois exemplares do Veyron com esta grana e, na nossa opinião, seria um negócio ainda mais interessante do ponto de vista entusiasta — até porque, além ter sido modificado para poder rodar nas ruas novamente, o EB110 Competizione ainda está registrado em Monaco, a terra natal do cara que decidiu transformá-lo em um bólido para as pistas. How cool is that?

Matérias relacionadas

Por que você precisa de um laptop Compaq velho para ter este McLaren F1 sinistro na garagem?

Dalmo Hernandes

Pilotar um Camaro 1969 de corrida é a melhor forma de se recuperar de um grave acidente

Juliano Barata

XJ220: o injustiçado supercarro da Jaguar que estava muito à frente de seu tempo

Dalmo Hernandes