A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Carros Antigos Cinema

O verdadeiro Ford Falcon “Interceptor” de Mad Max está à venda

Muscle cars australianos são carros para conhecedores – eles são mais obscuros e menos mainstream que os americanos, e são igualmente matadores. Existe um deles, porém, que se tornou um ícone no mundo todo: o Ford Falcon GT “Pursuit Special V8 Interceptor” de Mad Max, o clássico distópico de 1979 dirigido por George Miller e estrelado por Mel Gibson. E agora, o carro usado nas filmagens será colocado à venda.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

É interessante falar de Mad Max porque, diferente das produções hollywoodianas multimilionárias dos EUA, o filme teve um orçamento relativamente baixo – US$ 270.000 dólares, e teve uma produção bem mais humilde. Por exemplo, foi utilizado apenas um carro para fazer o Interceptor de Max Rockatansky: um Ford Falcon XB 1973. Mais precisamente, um exemplar da série especial GT351, que só foi vendida entre 1973 e 1976.

O Ford Falcon GT351 tinha este nome por causa do motor V8 Cleveland 351 (5,8 litros) de origem americana debaixo do capô – e ele também vinha com freios a disco nas quatro rodas e barras estabilizadoras nos dois eixos. Era um carro raro: foram feitos apenas 2.899 unidades, sendo 1.950 sedãs de quatro pordas e 949 cupês.

Mesmo assim, na época o Falcon GT estava longe de ser um colecionável valioso e, por isso, pouco depois da produção de Mad Max 2 (1981), o Interceptor foi simplesmente largado em um ferro-velho – e salvo por um milagre.

O carro começou a ser transformado em 1977, quando a produção do filme enviou o carro para a empresa de customização de Ray Beckerley, a Graf-X International, em Brisbane. O veículo chegou junto com um briefing escrito pelo diretor de arte de Mad Max, Jon Dowding, no qual ele explicava a estética pós-apocalíptica do carro e ressaltava a importância do blower brotando para fora do capô. As modificações, como explicamos neste post, incluíram a instalação de um nose cone “Concorde” na dianteira – peça aerodinâmica projetada pelo designer Peter Arcadipane; e a inclusão de um spoiler no teto e outro na tampa do porta-malas, ambos vindos do Holden Monaro (heresia!) de corrida de Bob Jane. O blower foi apenas aparafusado no topo do motor, e sua carcaça na verdade abrigava o carburador. A polia era acionada por um motor elétrico instalado especialmente para este fim.

Após concluir seu trabalho na frente das câmeras, o carro foi colocado à venda pela produtora por US$ 7.500 – valor que não foi atingido, apesar do sucesso do filme e de suas subsequentes aparições em eventos de divulgação. Então, como forma de pagamento por seus serviços, o Falcon foi dado (assim, de graça) a um dos mecânicos envolvidos nas modificações, Murray Smith. E ele ainda saiu ganhando pois, quando a produção de Mad Max 2 começou, conseguiu vender o carro de volta à equipe.

De todo modo, depois que a produção de Mad Max 2 foi concluída, o Falcon foi levado para um ferro-velho em Adelaide, onde ficou largado por alguns anos, escondido sob uma capa de lona – apenas com os canos de escape para fora. E só os fãs mais hardcore de Mad Max e do Falcon GT desconfiavam que, debaixo daquela lona, estava um ícone da telona.

Foi só em 1985 que um fã chamado Bob Fursenko rastreou o Interceptor até o ferro-velho, fez uma oferta e o levou para cada, iniciando em seguida um trabalho de restauração que juntou o nose cone do primeiro filme e os tanques de combustível na traseira usados apenas no segundo filme.

Depois de capitalizar sobre a fama de seu Interceptor – e, esperamos, de curti-lo bastante pelas estradas do deserto australiano – Fursenko decidiu vender o Falcon para o museu britânico Cars of the Stars, no Reino Unido.

O museu funcionou entre 1989 e 2011 e, depois que fechou as portas, o Interceptor foi transferido par os Estados Unidos, onde ficou exposto até agora em um museu em Denver, na Flórida – o Dezer Museum, aberto em 2012 pelo colecionador Michael Dezer.

É bem possível que Dezer tenha decidido vender o Interceptor depois da repercussão do Ford Mustang de Bullitt, que tornou-se recentemente o Mustang mais caro da história ao ser arrematado por US$ 3,74 milhões (cerca de R$ 16,1 milhões em conversão direta). Talvez o fato de ele ser um carro mais underground que o Mustang o impeça de atingir uma cifra tão grande, mas certamente haverá muitos interessados.

 

Matérias relacionadas

Toyota 7: a história do primeiro carro de corrida feito pela Toyota – que tinha um V8 biturbo de 800 cv!

Dalmo Hernandes

Veja como foi o Grande Leilão de Carros Antigos de Araxá

Leonardo Contesini

Woodies: como as peruas de madeira se tornaram o veículo favorito dos surfistas californianos

Dalmo Hernandes
error: Direitos autorais reservados