A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Top

Os carros mais icônicos (e colecionáveis) da década de 1990 – parte 2

Há alguns dias, perguntamos aos leitores quais eram os carros mais icônicos da década de 1990. Alguns deles estão se tornando objeto de colecionador, enquanto outros já o são há tempos. A primeira parte da lista com as respostas você confere aqui. Vamos à segunda parte!

 

BMW Z3

bmw-z3 (1)

Sugerido por: brunollo

Além do série 3 E36, que apareceu na parte anterior, outro BMW marcante da década de 1990 foi o Z3. Sua proposta era inovadora para um BMW: oferecer um esportivo acessível e bem acertado para encarar o Mazda MX-5 Miata e conquistar o mercado americano.

bmw-z3 (2)

Primeiro BMW produzido nos EUA, o Z3 seguia a fórmula básica do Miata: era um roadster de dois lugares com motor dianteiro longitudinal e tração traseira. Sua primeira aparição pública foi no filme “007 Contra GoldenEye” (GoldenEye, 1995), o que por si só já valeria ao Z3 um lugar na lista, e logo de início o carro foi um sucesso – ainda que o primeiro motor, de 1,8 litro e 113 cv, fosse bastante criticado por seu desempenho e logo tenha recebido a companhia de um motor de 1,9 litro e 140 cv.

bmw_m-coupe_01_13

Isto sem falar que o Z3 ainda gerou o lendário BMW M Coupe de primeira geração, com carroceria fechada e o motor do BMW M3 E46, um seis-em-linha de 3,2 litros e 325 cv.

Toyota Supra

SupraT

 

Sugerido porDunha

Motor seis-em-linha biturbo de 320 cv. Tração traseira. Câmbio manual de seis marchas. Zero a 100 km/h em 4,6 segundos, quarto-de-milha em 13,1 segundos a 175 km/h, velocidade máxima de 285 km/h (limitada eletronicamente a 250 km/h). O Toyota Supra de quarta geração tem diversos predicados que lhe valem um lugar nesta lista.

9691686091_7732074a7c_k

Fotos: Robin Glück

Produzido entre 1993 e 2002, o Supra Mk4 faz parte da memória de qualquer um que tenha jogado games de corrida na década de 1990. Claro, ele passou a ser ainda mais cultuado em 2001, quando o primeiro filme da franquia “Velozes e Furiosos” foi lançado, e hoje em dia é um dos esportivos que mais despertam nostalgia na nossa geração de entusiastas. Seu visual noventista é estranhamente atraente até hoje. Aliás, em fotos, o Supra parece ser um carro muito maior do que realmente é.

E ainda há o fato de ser praticamente impossível encontrar um exemplar original, sem modificações estéticas ou mecânicas e em bom estado, hoje em dia. E a gente não vê a hora de ter certeza de que ele vai voltar. Isto só confirma sua reputação de ícone.

 

Fiat Tempra Turbo

14818239108_b46fd9d997_h

Foto: Jeferson Felix

Sugerido por: Araujoams

Agora, nem todo carro emblemático da década de 1990 é um esportivo clássico ou uma lenda japonesa. O Fiat Tempra Turbo, vendido no Brasil entre 1994 e 1996, era a prova de que a Fiat não sabia apenas fazer bons compactos. O sedã de duas portas (carroceria exclusiva para o Brasil) com motor 2.0 8v turbo de 165 cv era capaz de chegar aos 100 km/h em 8,2 segundos, com máxima de 210 km/h. Também era um carro muito bonito e bem acabado.

Em 1995, foi lançado o Tempra Turbo Stile, que tinha o mesmo motor, porém visual mais contido e carroceria de quatro portas. Ainda que o modelo médio não tenha caído nas graças do consumidor por problemas de projeto no lançamento e por falta de tradição da Fiat no segmento, os modelos turbinados continuam sendo cobiçados por entusiastas, e os exemplares imaculados estão ficando cada vez mais raros.

 

Mitsubishi Eclipse

15597421393_c680976ff7_z

Foto: Anthony.Rivera

Sugerido por: Zero

O Mitsubishi Eclipse começou a ser importado em 1992, na primeira geração (que foi lançada lá fora em 1989 e tinha faróis escamoteáveis). No entanto, foi a segunda geração que se tornou icônica na década de 1990. O cupê com linhas curvilíneas e ao mesmo tempo musculosas tornou-se um dos favoritos dos jogadores de futebol, mas tinha outras características interessantes – especialmente na versão GST, com motor 2.0 16v turbinado de 213 cv e capacidade para ir de 0 a 100 km/h em pouco mais de sete segundos.

Este é outro carro que acumulou preço agressivamente nos últimos anos: se, até pouco tempo atrás, era possível pagar entre R$ 25 mil e R$ 30 mil por um bom Eclipse de segunda geração, hoje os preços estão esbarrando nos R$ 50 mil.

 

Chevrolet Vectra

12388817915_0ccc565a18_k

Foto: Ricardo Klabunde

Sugerido por: M4RC05_C354R®

Um sedã sóbrio e elegante tem espaço entre os esportivos? Nesta lista, sim. Isto porque a segunda geração do Chevrolet Vectra, lançada em 1996. Ainda que a configuração mecânica fosse bastante parecida com a da geração anterior, o novo Vectra mostrava uma evolução gritante no design.

autowp.ru_chevrolet_vectra_38

O visual discreto e ainda meio quadrado do modelo anterior deu lugar a formas arrojadas, com um perfil mais baixo, linhas mais sensuais e os famosos espelhos retrovisores que pareciam “brotar” do capô. Há quem diga que, com as devidas atualizações, o Vectra poderia ter durado mais cinco ou dez anos, em vez de sair de linha em 2005.

 

Volkswagen Gol GTI 16v

15248530016_b985a30e8a_b

Sugerido por: MISTER M

Na década de 1990, o Golf GTI de terceira geração foi marcante por ser o primeiro hot hatch importado da VW. No entanto, se você quisesse desempenho realmente esportivo, era outro Volkswagen que você estava procurando. O Gol GTI foi como uma versão brasileira dos melhores hatchbacks europeus. Tanto que seu motor, um quatro-cilindros de dois litros com cabeçote de 16 válvulas, vinha da Alemanha. Era muito parecido com o nosso AP2000, mas tinha vielas mais longas e cabeçote de fluxo cruzado, sendo capaz de entregar 141 cv a 6.250 rpm e torque de 17,8 mkgf a 4.500 rpm.

15140363999_e009ef93ff_b

Com isto, o Gol GTI 16v mostrava-se claramente superior ao Golf GTI 8v em desempenho, chegando aos 100 km/h em 8,8 segundos, com velocidade máxima de 203 km/h. E ele ainda tinha freios melhores, rodas de 15 polegadas e bancos Recaro com revestimento de couro bicolor do lado de dentro. Não é à toa que, hoje em dia, um Gol GTI 16v vale mais do que seu irmão maior.

 

Matérias relacionadas

Os melhores carros de tração traseira da Alfa Romeo

Leonardo Contesini

Pequenos frascos, grandes venenos: os melhores esportivos em miniatura já feitos – parte 1

Dalmo Hernandes

Revolução: os carros que tiveram as mudanças mais radicais de uma geração para a outra

Dalmo Hernandes