A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Mercado e Indústria Top

Os carros que você precisa comprar antes que se tornem clássicos – e muito mais caros

Nesta semana, perguntamos aos leitores quais eram os carros que pela idade, procura e ação de especuladores, vão aumentar de preço e se tornar clássicos de coleção em curto a médio prazo. Agora, temos a lista com as respostas — prepare seu talão de cheques e boa sorte!

 

Fiat Tempra

top-1 (5)

Primeiro médio da Fiat no Brasil, o Tempra foi lançado em 1991 para brigar com VW Santana e o Chevrolet Monza. Seu visual morderno envelheceu os concorrentes quase que instantaneamente. Contudo, problemas na suspensão e com o carburador (os rivais já tinham injeção eletrônica) causaram uma recepção fria que nem a introdução do cabeçote de 16 válvulas e da injeção remediou. Por outro lado, a Fiat lançou em 1994 o Tempra Turbo, com 165 cv e capacidade de chegar aos 210 km/h.

As versões mais comuns do Tempra desvalorizaram (as turbinadas, um pouco menos) bastante, mas seus novos donos, que o compraram atraídos pelo baixo preço, nem sempre tomavam os cuidados necessários com o carro. Agora, a procura por exemplares em bom estado — especialmente as versões Turbo e Turbo Stile — aumentou. Os preços devem seguir pelo mesmo caminho.

 

Chevrolet Vectra GSi

top-1 (3)

Lançado em 1993, o Vectra GSi foi um dos esportivos mais desejados de sua époc, mas nos últimos anos o sedã esportivo equipado com o mítico motor C20XE, de dois litros, com comando duplo no cabeçote  e 150 cv, curiosamente chegou bem perto do preço das versões mais básicas.

Se um Vectra GLS custava R$ 9 mil, um GSi podia ser encontrado facilmente custando R$ 12 mil. Mais recentemente, contudo, o GSi deu uma alçada e hoje costuma estar na faixa dos R$ 15 mil — se você esperar demais para comprar o seu, é bem provável que acabará pagando mais caro.

 

Honda Civic EG (hatch) e EJ (cupê)

top-1 (6)

Os Civic fabricados até 10 anos atrás ainda são considerados bons carros usados e ainda vai demorar para que comecem a considerá-los colecionáveis. O mesmo não pode ser dito dos carros importados no início da década de 90 — a quinta geração, com visual mais exótico, que veio em versões sedã, cupê e hatch e motores extremamente confiáveis e econômicos.

top-1 (4)

O recente aumento da popularidade da cultura automotiva japonesa no Brasil fez com que os modelos CRX Del Sol e o hatch VTi já estejam bem inflacionados. Por outro lado, o Coupé ainda pode ser encontrado a preços razoáveis — ao menos até que ele se torne a segunda opção de quem não encontrar um legítimo VTi para chamar de seu.

 

Chevrolet Monza

top-1 (7)

Por três anos consecutivos o Monza foi o carro mais vendido do País. Por isso, nada mais natural que ele cedo ou tarde acabe se tornando um clássico. Ainda é cedo para dizer quando isso vai acontecer, mas não deve demorar muito, uma vez que os primeiros modelos já completaram 30 anos.

Mesmo assim, o Monza é barato e fácil de se encontrar por aí. Alguns comerciantes já ensaiam cobrar bem por exemplares impecáveis e pouco rodados (alguns até 0km) e fatalmente eles encontrarão gente disposta a pagar bem para ter um belo Monza. Por isso, se você quer um Monza, mas não quer pagar uma fortuna é bom ficar de olho. E, uma dica: procure a versão Hi-Tech, vendida só em 1993 e equipada com painel digital — é uma das mais raras, com apenas 500 unidades. GLS e Classic SE (que também tinha painel digital e computador de bordos como opcionais) também são boas pedidas, pois são as melhor equipadas.

 

Chevrolet Omega

top-1 (8)

Dificilmente o Omega ficaria de fora desta lista. Lançado em 1992, o sucessor do Opala ainda é considerado por uma legião de entusiastas o melhor carro já produzido no Brasil, graças a seu visual, sua robustez, acabamento, itens de conforto e desempenho das versões com motor de seis cilindros.

Estas — tanto com o motor de três litros alemão quanto o 4.1 brasileiro —  já começaram a subir exponencialmente de preço, e as versões de quatro cilindros têm tudo para seguir pelo mesmo caminho. O motivo? Depois de uma fase de desvalorização em meados da década passada, muitos Omega acabaram nas mãos de quem não cuidou deles como deveria, e os exemplares bem conservados que restaram precisam suprir uma demanda muito alta. Mercado é mercado.

 

BMW Série 3 E36

bmw_320i_sedan_uk-spec_1

 

O BMW Série 3 começou a ser importado oficialmente em 1991 — um ano depois do Omega e, como o Chevrolet, passou por uma fase de desvalorização nos últimos anos, tornando-se bem mais acessível. O problema é que a manutenção nunca deixou de ser a de um carro alemão importado, e por isso muitos Série 3 acabaram negligenciados e vendidos por um valor ainda mais baixo. O resto, você já sabe: encontrar um exemplar bem conservado por um preço razoável se tornou um garimpo, e temos certeza de que a situação só vai piorar daqui para a frente.

 

Volkswagen Santana

top-1 (11)

O Santana foi lançado em abril de 1984, o que significa que faz quatro meses que ele completou 30 anos e já pode receber a placa preta. O aumento de preço depois disso é sempre inevitável — agravado pelo fato de que o Santana é um carro barato e, por isso, cada vez mais difícil de encontrar em bom estado.

santana (1)

Se você procurar bem, ainda vai encontrar um Santana de primeira geração por menos de R$ 10 mil — e, quando isso acontecer, corra ou alguém vai comprá-lo antes de você — e não vai demorar muito que isto também valha para os modelos seguintes (como o Santana Sport aí em cima).

 

Ford Corcel II

top-1 (12)

O Corcel II, lançado em 1978, é um raro caso de carro antigo que não ficou supervalorizado — até pouco tempo atrás ainda era comum encontrar a versão esportiva GT custando menos de R$ 12 mil. Não é mais o caso — e o mesmo está acontecendo com o Del Rey e com a Belina: baratos e apenas precisando de cuidados. Os bons exemplares estão na casa dos R$ 10 mil.

 

Fiat Marea Turbo

top-1 (13)

O Marea Turbo está entre os esportivos mais emblemáticos fabricados no Brasil. Seu motor 2.0 de cinco cilindros e 182 cv, o famoso Fivetech era um dos mais avançados do mercado — e exigia uma mão de obra altamente especializada, além de manutenção rigorosamente em dia.

Contudo, nem todos os carros receberam os devidos cuidados, o que rendeu a todo Marea — não apenas o Turbo, mas também os aspirados com motor 2.4 e até os que não usam Fivetech — a fama de “bomba”. Paralelamente, o motor turbinado é bastante popular entre os preparadores. Por enquanto você ainda o encontra por entre R$ 15.000 e R$ 20.000, mas até quando? Difícil dizer.

 

VW Golf GTI Mk3

top-1 (99999)

A terceira geração do Golf foi a primeira a embarcar oficialmente para o Brasil em 1993, e logo de cara foi o GTI, com motor 2.0 de 114 cv. Ainda que, nesta época, o Golf GTI não tivesse desempenho muito acima das outras versões (o motor era exatamente igual ao do Golf GLX, que tinha a conveniência das portas traseiras), trata-se de um carro confiável, de visual bastante interessante e dotado de uma grande base de fãs. E, por isso mesmo, pode acabar muito concorrido no mercado de usados.

A oferta menor que a demanda — que explodiu nos últimos cinco anos graças à moda do eurolook — acabou por reduzir a frequência de bons exemplares anunciados a um preço justo, mas eles ainda são encontrados por preços inferiores aos Gol GT, GTS e GTI.

Matérias relacionadas

Golf Rallye — o “Audi Quattro” da Volkswagen que você não conhecia

Dalmo Hernandes

Os carros mais legais que você pode comprar gastando entre R$ 20 mil e R$ 25 mil – Parte 2

Dalmo Hernandes

Adeus, Mr. Saab – morreu Erik Carlsson, que transformou a Saab em uma lenda dos ralis

Dalmo Hernandes