A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Top

Os circuitos mais incríveis que só existem nos games – Parte 2

Uma das coisas mais legais dos games de corrida é a possibilidade de acelerar os melhores carros do mundo em circuitos que não existem fora dos games. Por isso, perguntamos aos leitores quais eram seus circuitos favoritos do mundo virtual e, depois, soltamos a primeira parte da lista com as respostas. Você já sabe o que vem agora, não sabe? A parte 2, claro!

 

Grand Valley Speedway – Gran Turismo (PlayStation)

Sugerido por: gusRamos 

Este é um dos poucos circuitos que aparecem em todos os games da franquia Gran Turismo, e certamente um dos mais clássicos. Com suas dezoito curvas distribuídas em cinco quilômetros, Grand Valley foi concebida para ser um dos circuitos mais difíceis no primeiro Gran Turismo, de 1997, e esta reputação continua até hoje. O traçado é complexo, com curvas bastante técnicas e chicanes intercaladas com retas longas e curvas de alta – com direito até a um “mini oval”. É um traçado bastante plausível, que realmente gostaríamos de ver no mundo real.

 

Côte d’Azur – Need For Speed: Porsche Unleashed (PC)

Sugerido por: Gustavo Segamarchi

Um trecho de estrada fictício, situado no vale do Mediterrâneo, com paisagens deslumbrantes (na medida do que os gráficos da época permitiam) e um Porsche 356 era tudo o que você precisava para se divertir em Need For Speed: Porsche Unleashed, lançado em 2000 para PC. A vista para o mar faz parte das lembranças nostálgicas mais queridas de qualquer um que já tenha jogado esta pérola.

Curiosidade: na versão de PlayStation, a pista se chamava Riviera e tinha um traçado diferente, assim como todos os outros circuitos do port para o console.

 

Citta di Aria – Gran Turismo 4 (PS2)

Sugerido por: Vitor da Silva

Outro circuito fictício situado em uma cidade bem real é Citta di Aria, que surgiu em Gran Turismo 4. Localizado em Assis, na Itália, Citta di Aria consiste em 3,4 km de ruas estreitas no meio da cidade. Ultrapassagens são virtualmente impossíveis e é preciso fazer cada curva com precisão milimétrica pois, em certos eventos, você sofre uma punição de cinco segundos. É o bastante para perder sua posição, e não é fácil recuperá-la.

 

Nevada Highway – Need For Speed Pro Street (multiplataforma)

Sugerido por: Paulo Henrique

Situado em uma rodovia no estado de Nevada (eis o porquê do nome), Nevada Highway é palco do “Nitrocide”, um dos desafios mais difíceis de Need For Speed Pro Street. O jogador precisava vencer uma corrida na versão mais longa da pista, com quase oito quilômetros de extensão. E, àquela altura, provavelmente já tinha um carro capaz de passar dos 400 km/h. Como não estamos falando de um simulador, a sensação de aceleração era supersônica e qualquer erro mínimo podia significar a perda total do carro.

 

Mute City – F-Zero

Sugerido por: kalend0

Clássico da Nintendo criado por Shigeru Miyamoto, o pai do Mario e de diversos personagens icônicos da companhia, o primeiro F-Zero foi lançado em 1990 e imediatamente se tornou um clássico. Os personagens eram legais, o ambiente futurista era bacana, as músicas eram inesquecíveis e a velocidade das “navinhas”, alucinante. E nenhuma pista representa isto tão bem quanto a cidade futurista Mute City. Nos primeiros títulos, Mute City tinha um ar etéreo, com céu cor-de-rosa e longas “rodovias”. Nos games mais recentes, tornou-se uma verdadeira metrópole de ficção científica. A trilha sonora, como de costume entre estes games clássicos, traz a mesma melodia de 26 anos atrás, mas ganhou diferentes arranjos ao longo dos anos.

 

Maple Valley – Forza Motorsport

Sugerido por: Samuel Santos Oliveira

Maple Valley é, sem dúvida, uma das pistas favoritas dos fãs de Forza. O circuito fica localizado em um bosque fictício na Nova Inglaterra, EUA e, além de ter belas paisagens de outono que formam um belo cenário para o modo fotográfico, tem um dos traçados mais divertidos de toda a franquia. A pista é bastante estreita e mistura curvas abertas, boas para praticar, com seções mais técnicas e travadas, que exigem freadas e entradas precisas para não te fazerem arrancar os cabelos. Por outro lado, o traçado também é um dos melhores para a prática do dorifuto.

Matérias relacionadas

Anti-Super Trunfo: os carros que são divertidos mesmo sem números impressionantes – parte 2

Dalmo Hernandes

Os melhores hot hatches do universo que você (provavelmente) não conhecia

Dalmo Hernandes

Os dez carros mais caros arrematados no leilão de Amelia Island

Dalmo Hernandes