A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Os conceitos que mais decepcionaram quando se tornaram modelos de produção

Ontem perguntamos aos leitores quais carros eram bem legais quando foram apresentados como conceitos, mas perderam o encanto na hora de virar carros de produção. Chegou a hora de saber quais foram as respostas dos leitores — com algumas sugestões por conta da casa!

 

Subaru WRX Concept

conceitos-frustrados (14)

Este acima é o WRX Concept apresentado pela Subaru em 2013.  Com ele, a empresa mostrou que a versão de alto desempenho da quarta geração do Impreza, lançada em 2011, seria bem diferente do resto da linha — na verdade, ele até perderia o nome Impreza  e passaria a se chamar só “Subaru WRX”. Com linhas musculosas e uma traseira curta, o conceito era tão bacana que a gente deveria ter desconfiado.

conceitos-frustrados (4)

A versão de produção manteve uma leve conexão com o conceito, especialmente na dianteira, mas suas proporções estão bem menos agressivas. Mas o maior “prejuízo” foi na traseira — as lanternas em forma de bumerangue e a tampa do porta-malas alta deram lugar a uma retaguarda praticamente igual à do Impreza sedã.

conceitos-frustrados (5)

 

Não é um carro ruim (longe disso, com um boxer turbo de 2,5 litros e 309 cv no STI e um sistema de tração integral recalibrado), mas até mesmo os fãs da Subaru esperavam algo mais próximo do conceito.

 

Mitsubishi Concept X

conceitos-frustrados

Antes de revelar ao mundo a mais recente geração do Evo, a Mitsubishi apresentou em 2005, no Salão de Tóquio, um conceito que prometia levar o maior rival do WRX a um novo nível — o Concept X. Seu visual era uma prévia do futuro Lancer, mas com ele aconteceu algo semelhante ao caso do WRX: ele prometia linhas mais musculosas e arrojadas.

conceitos-frustrados (3)

Não que o Evo X tenha decepcionado neste quesito, mas as expectativas dos fãs eram mais altas. E hoje, sete anos depois, todos eles lamentam a iminente morte do Lancer Evolution X, que será o último da linhagem…

 

Toyota Corolla Furia Concept

conceitos-frustrados (1)

No Salão de Detroit 2013 a Toyota nos fez acreditar que o Corolla deixaria de ser um carro competente com visual genérico para se tornar um carro competente com visual matador. O responsável por isso foi o Corolla Furia Concept, um sedã bastante agressivo, com visual inspiradíssimo, linha de cintura alta e traseira curta — quase um cupê de quatro portas. A versão do carro para os EUA (o vermelho abaixo) até que seguiu o espírito do conceito — um tanto diluído, claro:

conceitos-frustrados (15)

conceitos-frustrados (2)

Já a versão para o mercado europeu (e também para o Brasil) tem um apelo menos esportivo e mais luxuoso — ainda muito bonito, mas bem diferente do conceito. Contudo, é mais condizente com a posição do Corolla no nosso mercado.

 

Chrysler Crossfire Concept

conceitos-frustrados (4)

Em 2001 a Chrysler apresentou em Detroit o Crossfire Concept — um clássico grand tourer, com capô longo, traseira curta e um V6 supercharged com 330 cv, de origem AMG (a Daimler-Benz e a Chrysler haviam se fundido em 1998). O estilo retrô agradou, e o vidro dianteiro dividido — inspirado nos carros da década de 50 — dava ao conceito um charme inconfundível.

conceitos-frustrados (5)

Em 2004 o Crossfire de produção foi lançado. Se as linhas gerais não se afastavam muito do conceito, o mesmo não pode ser dito da dianteira, que foi modificada para ficar mais moderna e ganhou faróis e grade mais tradicionais, enquanto o para-brisa dividido deu lugar a uma peça convencional.

 

Alfa Romeo Brera Concept

conceitos-frustrados (6)

Em defesa do Brera, o modelo final ficou bastante parecido com o conceito desenhado por Giorgetto Giugiaro e apresentado no Salão de Genebra em 2002 — e é, sem dúvida, um dos Alfa Romeo mais bonitos dos últimos anos. Acontece que o conceito era um GT com motor V8 Maserati de quatro litros e 405 cv, potência que era levada às rodas traseiras por uma transmissão sequencial de seis velocidades…

conceitos-frustrados (7) conceitos-frustrados (10)

… enquanto o carro de rua, lançado em 2004, era um hatchback que parecia uma versão em miniatura do conceito. Capô longo, teto baixo, linha de cintura ascendente e uma traseira pornograficamente bonita, feito sobre a plataforma do Alfa 159. Justamente por isso, ele tinha motor transversal (quatro-cilindros de 1,8 litro ou V6 de 3,2 litros com injeção direta e 185 cv) e tração dianteira — decepcionando aqueles que esperavam que a Alfa voltasse a empregar a “tração nas rodas certas”.

 

Dodge Charger R/T Concept

conceitos-frustrados (1) conceitos-frustrados (2)

Era 1999 e, como já dissemos, a Chrysler tinha acabado de se unir à Mercedes-Benz e estava com fôlego renovado. Naquele ano, o Salão de Detroit foi testemunha da volta do nome Charger depois de 12 anos. Ele não lembrava muito o Charger clássico do fim da década de 60, mas era um sedã esguio e baixo, com linhas fluidas e foi muito bem recebido na época.

conceitos-frustrados (8) conceitos-frustrados (9)

Seis anos depois, em 2005, veio o Dodge Charger de produção. Ele compartilhava a plataforma com o Mercedes-Benz Classe E e foi elogiado por isso, mas seu visual ficou bem mais tradicional do que o sugerido pelo conceito, e o novo Charger demorou alguns anos para ser aceito. No fim das contas isto aconteceu — e a geração atual do Charger (uma evolução da anterior, ao menos na estética) acaba de ser reformulada — e de se tornar sedã mais potente do mundo.

 

Lamborghini Portofino

conceitos-frustrados (16)

Para marcar a compra da Lamborghini pelo grupo Chrysler em 1987, o Salão de Frankfurt recebeu o Lamborghini Portofino Concept, projetado pelo então designer-chefe da Chrysler Kevin Verduyn. Mas ele não era um superesportivo em formato de cunha com motor V12 atrás dos bancos, como mandava o figurino: era um sedã com linhas arredondadas, quatro portas “tesoura” (que abriam em sentidos opostos) e não tinha coluna central. O motor era um V8 de 3,5 litros, emprestado do Lamborghini Jalpa, tinha 255 cv e era montado em posição central-traseira.

conceitos-frustrados (3)

Em 1994 a Chrysler vendeu a Lamborghini a um conglomerado asiático, que por sua vez vendeu a marca italiana à Volkswagen em 1998. Sendo assim, nenhum Lamborghini de produção foi inspirado pelo Portofino. Contudo, ele acabou influenciando alguns carros dentro do grupo Chrysler — em especial a primeira geração do Dodge Intrepid, lançado em 1993, que herdou as proporções gerais e a identidade visual sugeridas pelo conceito — mas não era, nem de longe, tão invador quanto este.

 

Chevrolet GPix

conceitos-frustrados (17)

Em 2008 a Chevrolet levou ao Salão de São Paulo o conceito GPix — um SUV (ou crossover compacto) que tinha a missão de adiantar a identidade visual da nova família de modelos Chevrolet para países emergentes. A recepção foi positiva: o GPix era bem proporcionado e agressivo na medida certa e o futuro parecia promissor.

Chevrolet Agile 2010

Infelizmente as expectativas não se confirmaram: o Agile, modelo derivado do conceito, era um hatch feito sobre a plataforma do Celta que, por sua vez, a herdou do Corsa lançado em 1994. A razão para isto pode ser um reflexo da crise econômica de 2009, que afetou gravemente o setor automotivo no mundo todo e forçou a Chevrolet a atualizar um projeto antigo com uma nova carroceria — contendo custos, porém trabalhando com uma plataforma de quase 15 anos de idade.

conceitos-frustrados (11)

O resultado foi um hatch de proporções estranhas — a carroceria era alta para maximizar o espaço interno, mas a plataforma do Corsa ainda era estreita demais. Além disso, a seção dianteira era tinha grade e faróis demasiadamente grandes, algo que foi atenuado na reestilização promovida no Agile em 2013.

 

 

Matérias relacionadas

Este é o Chevrolet Camaro ZL1 2017, agora com o V8 supercharged de 650 cv do Corvette Z06!

Dalmo Hernandes

Um Porsche 959 pela metade do preço e outras histórias tristes de supercarros batidos

Dalmo Hernandes

Rock à italiana: guitarra da Alfa Romeo e um MiTo com amplificadores Marshall!

Dalmo Hernandes