A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Top

Os dez roncos de motor mais fodásticos do Brasil

Na semana passada, perguntamos aos leitores qual era o ronco de motor mais bonito do País. A única regra: o carro precisava ser nacional. Agora, selecionamos as melhores sugestões e montamos esta lista com a sua ajuda. Aumente o som, coloque os fones de ouvido e pise fundo!

Fiat Marea Turbo

O motor Fivetech usado na maioria das versões do Fiat Marea é daqueles que exigem uma boa dose de carinho e dedicação para funcionar perfeitamente e ter boa durabilidade. Contudo, quando bem cuidados, recompensam o dono com uma bela sinfonia mecânica que, como é característico dos cinco-cilindros, lembra em partes o ronco de um V10. Com quatro válvulas por cilindro e coletor de admissão variável, o Fivetech desenvolvia 182 cv na versão 2.0 20v Turbo. Os espirros da válvula de alívio complementam muito bem o ronco do cinco-em-linha.

Honda Civic Si

O único carro nacional com motor capaz de girar acima de 8.000 rpm, o Honda Civic Si está entre os melhores esportivos brasileiros de todos os tempos. Além do comportamento dinâmico exemplar, boa parte do crédito vai para o motor K20, de dois litros, 192 cv e duplo comando de válvulas variável, o famoso VTEC. Além do ronco agudo típico dos quatro-cilindros giradores da Honda, o comando i-VTEC muda totalmente o comportamento do motor quando é acionado. Diferentemente dos modelos mais antigos, porém, o VTEC do Civic Si de oitava geração não entra em funcionamento a partir de uma rotação específica, e sim quando determinado por uma série de sensores, que identificam quando é necessário um comportamento mais nervoso do motor.

Chevrolet Chevette com abafador esportivo

O motor de quatro cilindros com comando simples no cabeçote (de ferro fundido, assim como o bloco) usado no Chevrolet Chevette não é nenhuma revolução de engenharia, embora fosse competente. Mas você sabia que dá para fazê-lo roncar como um boxer Subaru? Escute o ronco do Chevas do vídeo acima. O dono diz que conseguiu este som borbulhante apenas com um abafador esportivo com saída de 450 mm — a única modificação no motor, segundo ele, é o sistema de injeção Fueltech.

DKW-Vemag

Um motor de três cilindros e dois tempos pode roncar bonito? Que pergunta boba… claro que sim! Escute só o ronco anasalado e os estalidos nas reduções de marcha deste DKW Belcar de competição. Apesar do pouco deslocamento — 900 cm³ ou 1.000 cm³, dependendo do ano de fabricação —, com preparação para competir estes motores podiam beliscar os 100 cv, o que é muita coisa se considerarmos o tamanho e a idade do projeto, que data dos anos 1940.

Vokswagen Fusca com escapamento dimensionado

O característico ronco estalado dos boxer refrigerados a ar Volkswagen tem muitos apreciadores, mesmo em sua forma original. Mas se você quer algo mais grave, rouco e agressivo, ouça o ronco deste fusca, equipado com sistema de escape dimensionado, que muda o fluxo dos gases na tubulação e provoca um som mais grave e mais alto. O besouro fica com voz de trovão.

Chevrolet Opala 250

Não poderíamos deixar de citar o ronco do Chevrolet 250-S, o lendário motor de seis cilindros em linha e 4,1 litros que equipa o Opala SS. Gorgolejante e ríspido em marcha lenta, suave e encorpado em altas rotações, o ronco do Opala com motor 250-S é nada menos do que memorável.

Nos comentários, notamos uma certa divisão — de um lado, os apreciadores do ronco do motor original. Do outro, os fãs de arrancada, que deliram com os espirros dos Opala preparados para o quarto-de-milha. Para agradar a ambas as partes, depois do Opala de rua aí em cima, separamos mais dois carros de arrancada, um turbinado e um de aspiração natural:

Ford Maverick GT V8

Na época do lançamento, o V8 302 do Ford Maverick — o famoso V8 “Canadense”, por vir importado do Canadá, era um dos mais potentes motores do Brasil, com potência bruta de 199 cv. O carro do vídeo acima foio levemente preparado, com carburador quadrijet, comando mais bravo e escape dimensionado — mas o coletor é original. Digamos que, assim como o motor, o ronco ficou mais afinado.

Dodge V8

Fica difícil escolher apenas um Dodge nacional para ilustrar. Todos usavam variações do mesmo motor: um V8 de 318 pol³ com duas válvulas por cilindro e comando no bloco, com potência que variava entre os 198 cv brutos do Dart 1969, até os 215 cv do Charger R/T de 1976. O carro do vídeo é um Dodge Dart LS equipado com escapamento Flowmaster, coletor Action Plus e carburador Holley 650.

Volkswagen Golf GTI VR6

Se você quer um hatchback com motor de seis cilindros, não é difícil encontrar no Brasil um Golf Mk4 VR6, com motor de seis cilindros, 2,8 litros e 200 cv. Ele foi fabricado em uma série limitada de 99 unidades numeradas. Apesar de o peso do motor comprometer um pouco o comportamento dinâmico do hatch — mais peso na frente significa maior tendência ao subesterço —, certamente é muito bom acelerar um Golf e ser recompensado com um ronco mais grave e rouco do que se esperaria de um quatro-cilindros.

Honda CB750 Four

Perguntamos sobre carros, mas é verdadeiramente impossível não lembra do ronco da Honda CB750 Four, a famosa “Sete Galo”. Lançada no Brasil em 1969, a CB750 F trazia um motor de quatro cilindros em linha de 736 cm³ e, ainda com comando simples no cabeçote de oito válvulas e 67 cv — só a partir de 1978 foi introduzido o comando duplo para as 16 válvulas, que elevava a potência para 77 cv. O ronco grave e encorpado, porém, é comum a toda Sete Galo.

Matérias relacionadas

Os carros mais icônicos da série Grand Theft Auto

Dalmo Hernandes

Os carros mais legais que você pode comprar gastando entre R$ 30 mil e R$ 35 mil – parte 2

Dalmo Hernandes

Os pace cars mais legais já usados na história do automobilismo – Parte 1

Dalmo Hernandes