A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Projetos Gringos

Os freios do Camaro Z/28 são tão fortes que as rodas deslizavam dentro dos pneus

O Camaro Z/28 é, sem dúvida, uma das melhores variantes do muscle car em toda a sua história. Na verdade, talvez ele seja bom demais: seus pneus super grudentos e freios absurdamente potentes acabaram fazendo com que as rodas girassem dentro dos pneus. E isso é um problema — que, por sorte, a Chevrolet conseguiu resolver.

Durante testes do Z/28 em vários circuitos pelos EUA, repetidamente os engenheiros da Chevrolet detectaram uma vibração anormal nas rodas e pneus do Z/28. Após uma análise das possíveis causas, foi determinado que as vibrações eram provocadas pelas rodas que deslizavam dentro dos pneus. 

z28

Os freios com discos de carbono-cerâmica trabalhando em conjunto com os Pneus Pirelli P Zero Trofeo R causavam uma força de desaceleração de até 1,5 g. Resultado: a aderência entre a roda o pneu não era suficiente para garantir que ambos não se separariam.

Mas o quão grave era a situação? Usando giz, os engenheiros fizeram marcações nas rodas e pneus. Depois de uma volta, o movimento, as marcações desalinhadas indicavam que a roda havia dado pelo menos uma volta de 360º dentro do pneu. Em alta velocidade (o Z/28 pode chegar aos 301 km/h) isso pode ser bem perigoso — imagine um pneu murchando de repente no meio de uma volta rápida.

Para resolver o problema, os engenheiros do Z/28 primeiro tentaram algo simples — aplicar na borda das rodas uma camada de pintura abrasiva, que em tese aumentaria a aderência entre as rodas e os pneus. A solução, usada em carros de competição, não funcionou para o Camaro.

wheel

Algo mais radical seria adotar beadlocks nas rodas — bordas com parafusos que prendem os pneus. Eles são muito usados por carros de arrancada, que passam por situações extremas de aceleração e desaceleração, e também em veículos off-road. Como a adoção de beadlocks estava fora de questão, a solução encontrada foi jatear as bordas das rodas.

Usar um jato de ar comprimido com materiais abrasivos (como areia) não serve só para tirar a pintura de um carro. Também é possível criar uma textura em uma superfície lisa, como se faz em alguns tipos de vidros ornamentais. Foi o que fizeram nas rodas do Camaro Z/28. Com a textura nas bordas, os pneus finalmente ficaram bem presos e as rodas pararam de deslizar dentro deles.

camero-1

Com seu motor V8 LS7 de sete litros e 511 cv e 66,5 mkgf de torque, o Camaro Z/28 2014 conseguiu ser mais rápido do que o Porsche 911 Carrera S em Nürburgring Nordschleife, completando uma volta em 7:37. O que nos leva a perguntar: será que as rodas estavam deslizando nos pneus no dia dos testes no ‘Ring? Com a solução, será que ele conseguiria ir ainda mais rápido?

Parece que alguém terá que descobrir quando o carro chegar às concessionárias Chevrolet dos EUA, nas próximas semanas.

Matérias relacionadas

Isto é um Porsche Boxster biturbo de 520 cv com o piloto sentado no meio

Dalmo Hernandes

De Cadillac a Toyota: as várias caras do Chevrolet Monza ao redor do planeta

Dalmo Hernandes

Por que o seguro DPVAT deveria ser extinto e substituído por outros tipos de seguro obrigatório?

Leonardo Contesini