A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Games Top Zero a 300

Os games de corrida mais bacanas da sexta geração de geração de consoles, parte 2

Sony Playstation, Microsoft XBox e Nintendo Gamecube (sem falar no Sega Dreamcast, que morreu cedo demais), com sua capacidade gráfica superior e processadores mais rápidos, foram os responsáveis por fazer os games de corrida darem um passo enorme em direção ao realismo que temos hoje.

Se você pegar um game de 2003 ou 2004, como Gran Turismo 4 ou Need for Speed Most Wanted – citados na primeira parte desta lista –, vai se deparar com uma mecânica de jogo bastante próxima do que vemos nos títulos atuais. Dá para se divertir de verdade com eles, sem ficar entediado (e irritado) com certos elementos muito arcaicos, como sprites em 2D e controles pouco precisos.

Foi pensando nisto que perguntamos qual é o game mais legal da “era 128 bits” – parte da série especial que estamos fazendo. Nossa sugestão foi Need For Speed Underground, mas queríamos saber quais eram os favoritos de vocês. A segunda parte da lista você confere agora!

 

Colin McRae Rally 2005, 2004

Sugerido por: Renato Abreu

O último título da franquia Colin McRae Rally antes de mudar seu nome para DiRTColin McRae Rally 2005 encerrou uma era com chave de ouro. O game da Codemasters saiu para PS2, Xbox e computadores com Windows e Mac OS X. Tinha mais de 70 estágios de rali espalhados por nove países, e oferecia mais de 30 carros disponíveis.

Além dos gráficos bastante superiores em relação aos títulos lançados até então, CMR 2005 conseguiu se destacar por uma melhoria sensível na física dos carros, que eram realmente difíceis de guiar e se comportavam de forma realista até mesmo na hora dos saltos – era preciso estar realmente rápido para decolar em um crest, por exemplo, e você jamais poderia contar com as barreiras ao lado da pista (que podia ser de terra, asfalto ou neve, às vezes tudo na mesma corrida) para te “guiar” nas curvas. Outra novidade era a engine gráfica, que agora permitia até mesmo que a pintura dos carros fosse danificada – uma inovação para a época.

 

Tourist Trophy, 2006

Sugerido por: LipColt

Tourist Trophy, que pega emprestado o nome de uma das corridas sobre duas rodas mais difíceis do mundo, é conhecido pelos gamers como “Gran Turismo de moto”. E não é só porque o jogo foi desenvolvido pela Polyphony Digital, mas também porque a desenvolvedora usou como base de TT toda a engine de Gran Turismo 4, os menus e músicas são parecidos, e todos os circuitos de Gran Turismo (com exceção do Circuito de La Sarthe) estão presentes.

O game tem modos Arcade e Simulação (TT), te faz tirar licenças para participar dos campeonatos e, apesar de usar como base um game de carros, faz muito bem o trabalho de simular a física de diferentes tipos de motocicletas – esportivas, urbanas, superesportivas, trilha e até mesmo scooters. Uma das poucas diferenças em relação a um GT é a maneira como se consegue novas motos: em vez de comprá-las e juntar em uma garagem, você as ganha vencendo eventos e testes de habilidade.

Tudo funcionava tão bem que os fãs contavam como uma sequência, mas isto nunca aconteceu. Aliás, a Polyphony nunca foi conhecida pela regularidade em seus lançamentos, o que é uma pena.

 

Tokyo Xtreme Racer, 1999

Sugerido por: Leiner Vitor

O mais antigo game desta lista foi um dos títulos de lançamento do Dreamcast. Apesar de ter sua idade denunciada pelos gráficos, que ainda eram próximos aos da geração anterior, Tokyo Xtreme Racing foi pioneiro em diversos aspectos que, mais tarde, fizeram a fama de games como Need for Speed UndergroundMidnight Club.

Inspirado pelas corridas ilegais que aconteciam nas rodovias japonesas na década de 1990, que também foram palco de fundo para a série de anime/mangá Wangan MidnightTokyo Xtreme Racing trazia uma bela seleção de esportivos japoneses icônicos, de Honda Civic Type R a Mazda RX-7, passando por Subaru Impreza WRX STi, Toyota Supra, Mitsubishi Eclipse e Nissan Skyline GT-R. Eles não eram licenciados, por isso tinham nomes diferentes, mas você podia alternar entre body kits inspirados em opções oferecidas pelas fabricantes.

O mais legal, porém, era a mecânica de jogo. Cada etapa era disputada em um trecho diferente das ruas de Tóquio, e consistia em rachas disputadas com rivais que te desafiavam um de cada vez. Para vencer, você devia permanecer à frente de seu adversário até que sua barra de energia (como em um game de luta) chegasse a zero.

 

TOCA Race Driver 3

Sugerido por: Helder F. Rueda

Lançado par PS2 e XBox, TOCA Race Driver 3 estava meio que um nível acima de Gran Turismo 4 enquanto simulador. Mais voltado ao automobilismo d mundo real, o jogo da Codemasters tinha licenças DTM, da V8 Supercars, Fórmula 1, Indy, Rallycross, Fórmula 3 e Fórmula 1. O modo carreira tinha nada menos que 150 campeonatos diferentes, que você disputava com os mais de 70 carros disponíveis no game.

Havia um caprichado sistema de colisão que permitia danos cosméticos nos carros, algo que Gran Turismo está devendo até hoje, e a imensa variedade de categorias, cada uma delas com sua mecânica e seus macetes específicos é uma das características que fazem de TOCA Race Driver 3 um título obrigatório até hoje.

 

Auto Modellista

Sugerido por: Lucas Mendes Beccon

Auto Modellista foi lançado logo no início da sexta geração de consoles e concorria com os já clássicos Gran Turismo 3: A-Spec, de 2001 e Need for Speed Underground, de 2003 (Forza só seria lançado em 2005). Para isto, o divertido arcade tinha nos gráficos este diferencial: eles eram tridimensionais, porém sem gradientes de cores e com contornos e sombras bastante marcados, dando a impressão de um desenho animado ou história em quadrinhos.

A jogabilidade era a de um arcade bastante direto e não muito mais do que isto – apesar da possibilidade de alterar a dinâmica do carro com mudanças na suspensão, nos freios e na transmissão, as modificações causavam apenas alterações arbitrárias na dirigibilidade, o que acabava atrapalhando em vez de ajudar. No entanto, o visual diferente de qualquer outro game de corrida da época torna Auto Modellista uma bela experiência em games de corrida.

 

Test Drive Le Mans, 2000

Sugerido por: Erik Luiz de Oliveira

O Dreamcast teve vida curta, mas teve alguns excelentes games de corrida. Test Drive Le Mans, também conhecido como Le Mans 24 Hours, foi um deles. Desenvolvido pela Infogrames, a mesma da série Driver, o jogo tinha foco nas corridas de turismo e era extremamente competente. A inspiração em Gran Turismo era visível, mas Test Drive Le Mans adicionava seu próprio tempero ao modificado o modo como se ganhava carros e liberava-se novos circuitos – vencendo corridas no modo arcade, você desbloqueava todas as pistas, e chegando em primeiro com um bom tempo, conseguia até 32 novos protótipos além dos 12 inciais, de marcas como Audi, Mercedes-Benz, BMW e Nissan.

Os circuitos vinham todos do calendário da ACO (Automobile Club de l’Ouest), como Suzuka, Donington Park e, claro, Le Mans. E era possível disputar as 24 horas de corrida em tempo real, um verdadeiro desafio para os dedos, para os olhos e para o próprio console.

Matérias relacionadas

Ferrari clássica abandonada em pátio no Brasil, o “Ariel Atom” da Honda, Bentley lança seu SUV Bentayga, Hyundai apresenta novo Elantra e mais!

Leonardo Contesini

Greve dos caminhoneiros continua pelo quarto dia, Civic Type R em versão picape, o “novo” TAC Stark e mais!

Leonardo Contesini

Subaru WRX ganha câmbio manual no Brasil, Alonso voltará à Indy em 2019, Mitsubishi L200 ganha cara nova e mais!

Leonardo Contesini