A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Zero a 300

Os lucros da VW com a Porsche, os importados mais vendidos, um resumo do GP da Austrália e mais!

Este é o Zero a 300, nossa rica mistura das principais notícias automotivas (ou não) do Brasil e de todo o mundo, caro car lover. Assim, você não fica destracionando por aí atrás do que é importante. Gire a chave, aperte o cinto e acelere com a gente.

 

Volkswagen lucrou US$ 23.200 com cada Porsche vendido

2013_porsche_911_carrera_4_leaked_02_1-0827

Segundo o site Businessweek, a Porsche fatura US$ 23.000 com cada carro que ela vende. É a margem mais alta do grupo Volkswagen — maior que Bentley e Lamborghini, inclusive. A Audi, que é a marca de entrada no segmento premium, tem lucro de apenas US$ 5.200 por carro, que equivalem a uma margem de lucro de 10%.

A possibilidade de lucros maiores com os carros mais caros tem relação direta com o perfil do comprador, que é menos influenciado pela variação dos preços, e pela ausência de concorrentes diretos — o comprador de Porsche tende a ir direto ao Porsche, em vez de compará-lo com a concorrência, como acontece com um sedã médio, por exemplo.

Os importados mais vendidos do 1° bimestre de 2014

FlatOut- 2014-03-17 às 09.36.07

A Abeiva, associação dos importadores de veículos, divulgou no fim da semana passada o relatório mensal de vendas de fevereiro e do primeiro bimestre deste ano. Apesar da queda de 11 % em relação a janeiro, o total do bimestre foi 12,1% % mais alto que o mesmo período de 2013.

O Kia Sportage foi o mais vendido, com 1.538 unidades , desde o começo do ano. Logo atrás vem o BMW Série 3 (em todas as versões), com 1.398 unidades no bimestre, seguido pelo Kia Cerato, com 1.120 unidades, o Range Rover Evoque, com 1.001, e o Audi A3, que agora tem a versão sedã engrossando a conta de 911 unidades vendidas desde o começo do ano.

Marcas americanas disputam a construção da próxima limousine presidencial

18ncvofzdxlukjpg

 

A presidência americana está procurando uma nova limousine, e deve abrir a concorrência entre os fabricantes locais. Eles precisam convencer o Serviço Secreto Americano que seu projeto é o mais adequado para conduzir o presidente em segurança. Por isso, o carro deverá ter blindagem pesada e os equipamentos de defesa e comunicação mais avançados do momento.

As ofertas estão abertas até 29 de agosto, quando o contrato com o governo será celebrado a tempo de produzir o carro que conduzirá o sucessor de Barack Obama. A Chrysler já confirmou que está trabalhando em um projeto, mas também espera-se que a GM entre na briga, afinal, foi ela quem construiu as limos Cadillac usada pela presidência nos últimos 30 anos. É possível ainda que a Ford apresente uma proposta pela Lincoln, e também marcas menores como a Tesla ou a AM General.  

Fabricantes brasileiras precisarão exportar para não operar com ociosidade

FlatOut- 2014-03-17 às 09.43.36

Uma matéria publicada na última semana pela agência Reuters, revela que a queda das vendas de veículos, somada aos investimentos maciços no Brasil podem trazer problemas para os fabricantes em médio prazo. Segundo o analista Guido Vildozo, da IHS Automotive, depois que as vendas cresceram cerca de 10% por ano na década passada, os fabricantes decidiram investir cerca de R$ 12 bilhões por ano em linhas de produção no Brasil justamente quando o mercado começa a diminuir.

O resultado disso, será uma capacidade de produção muito maior do que a demanda do mercado interno e, a saída será a exportação da produção. Contudo, o Brasil tem apenas seis acordos bilaterais para o comércio de automóveis, sendo quatro com vizinhos imediatos e outro com a África do Sul. A parceria com o México  — que tem um custo de produção significativamente menor — vem sofrendo desde 2012, quando o Brasil impôs cotas para interromper as importações mexicanas. Veja mais detalhes sobre o problema no Uol Carros. 

GP da Austrália da F1 confirma expectativa dos testes e afasta medos no início da nova era

2014316938318_58_DR

O GP da Austrália não foi dos mais emocionantes, mas foi um começo interessante para a temporada 2014 do Mundial de F1 e a nova era dos motores V6 turbo. A corrida serviu para afastar alguns dos medos que cercavam os fãs da categoria e para confirmar as expectativas geradas durante os testes coletivos.

Muita gente esperava que menos da metade do grid cruzasse a linha de chegada, mas 14 carros estavam andando quando a bandeira quadriculada tremulou no Albert Park, em Melbourne. A prova também não teve pilotos tirando o pé escandalosamente para economizar combustível – embora eles tenham sido comedidos nas disputas de posição. Veja a análise completa no Portal Grande Prêmio. 

Matérias relacionadas

777 km/h em Bonneville – um novo recorde mundial de velocidade acaba de ser quebrado

Dalmo Hernandes

Porsche 919 de Le Mans em São Paulo, um Alfa Romeo de 500 cv para brigar com BMW M3, os novos Toyota FT-1 de GT6 e mais!

Leonardo Contesini

Os preços, equipamentos e versões do Novo EcoSport, o novo carro da Indy para 2018, picape Mercedes não terá versão V8 AMG e mais!

Leonardo Contesini