A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture Humor

Os melhores hot hatches do universo: Honda Civic Type R

No Brasil, o público em geral conhece o Honda Civic como um bom sedã médio, que de alguns anos para cá dividiu a liderança do segmento com o também japonês Toyota Corolla. Para o entusiasta, porém, o Civic tem uma imagem bem mais divertida que, sem dúvida, se deve em boa parte ao Civic Type R — simplesmente um dos melhores hot hatches já feitos não apenas no Japão, mas no mundo todo.

Na verdade, desde a década de 80 o Honda Civic é considerado um dos melhores carros de tração dianteira quando o assunto é dinâmica — não é à toa que os kanjo racers do Japão o elegeram como seu carro favorito para rachas nas ruas, e corriam com eles mesmo sem modificações significativas. Mas é óbvio que um pouco de pimenta não faz mal a ninguém — e, em todas as gerações do Civic Type R, a Honda soube calcular a dose exata para que o Civic passasse de um hatch competente a um hot hatch matador.

 

Primeira geração: EK9

A designação Type R surgiu em 1992, quando a Honda decidiu criar uma edição limitadíssima de seu então esportivo topo de linha, o NSX. O chamado NSX-R ou Type R era mais leve — pesava 1.230 kg, cerca de 120 kg a menos do que um NSX normal. Ele não tinha isolamento acústico, nada de ar-condicionado, sistema de som ou mesmo estepe, mas era ainda mais rápido. Foram produzidas 483 unidades do NSX Type R.

nsx-r

Em 1995, foi a vez do cupê Integra receber a designação Type R e um motor 1.8 de 200 cv. Esta, contudo, é uma série sobre hot hatches, e o carro que nos interessa foi lançado dois anos depois: o Civic Type R, de 1997.

Desde o início, a proposta da Honda com os Type R era criar modelos com desempenho o mais próximo possível de um carro de corrida sem comprometer a usabildiade do carro nas ruas. Contudo, se a proposta do NSX-R era exclusividade, a boa receptividade ao modelo estimulou a Honda a expandir a linha com o Integra e, principalmente, o Civic Type R.

honda-civic (2)

A ideia da redução de peso continuava e, como o NSX-R e o Integra, o Civic Type R não tinha isolamento acústico e perdeu alguns itens de conforto. Além disso, ganhou um câmbio de cinco marchas com relações mais curtas e diferencial de deslizamento limitado — melhorando ainda mais o já elogiadíssimo comportamento dinâmico do hatch.

O interior tinha bancos vermelhos, carpete e forros de porta combinando, pomo da alavanca de câmbio de titânio e volante Momo revestido em couro. Mas o que realmente fazia a diferença estava debaixo do capô.

B16B

A série B de motores da Honda foi introduzida no Civic de quarta geração, na década de 80. Foi uma revolução, porque além do cabeçote de 16 válvulas com duplo comando, a Honda estreou no motor B o sistema de comando variável VTEC, que mudava totalmente o comportamento do motor a partir de determinada faixa de rotações.

O motor do Honda Civic Type R EK9 era o chamado B16B. Além do comando duplo variável, o B16B tinha os dutos do cabeçote polidos à mão, comando de válvulas com maior levante, novos pistões e bielas e um aumento na taxa de compressão, entre outras modificações em relação ao B16 comum. O resultado era um motor de 1.595 cm³ capaz de entregar 185 cv a 8.200 rpm — sim, 185 cv em um 1.6 aspirado. Isto fez dele o motor aspirado de maior potência específica do mundo em seu tempo, desenvolvendo 116 cv por litro de deslocamento. Com este motor, o Type R era capaz de acelerar até os 100 km/h em 6,8 segundos.

honda-civic (1)

Em 1998, duas edições especiais foram lançadas: o Civic Type R Motor Sports Edition, que não tinha ar-condicionado, vidros elétricos, direção assistida ou rádio e, no outro extremo, o Civic Type Rx, que vinha com CD player, retrovisores elétricos retráteis, trio elétrico, ar-condicionado automático e sistema keyless.

O Civic Type R de primeira geração foi produzido até 2000. Não se sabe exatamente quantos foram feitos — fóruns especializados em Civic estimam algo entre 8.000 e 10.000 EK9, mas é certo que o número de unidades existentes hoje em dia é bem menor. Apesar de serem carros bastante especiais, normalmente os Type R eram comprados por entusiastas que não tinham pela de correr com eles, fosse nas ruas ou nas pistas. Como resultado, boa parte deles acabou destruída, e muitos carros acabaram doando peças para outros Civic.

Eles estão cada vez mais raros, sim, mas é por uma causa nobre.

 

Segunda geração: EP3

honda-civic (7)

Se o Civic sedã de sétima geração, lançado em 2001,  não é muito diferente de seu antecessor, o mesmo não pode ser dito do hatchback: o carro baixo e arredondado de antes deu lugar a um Civic mais alto, com um quê de minivan — não muito diferente do primeiro Honda Fit.

A Honda não esperou para atualizar seu hot hatch e, naquele mesmo ano, apresentou o novo Type R. E foi aqui que as coisas começaram a ficar confusas: a sétima geração do Civic tinha versões diferentes para mercados diferentes, e o Type R passou a ser fabricado no Reino Unido. O nipo-britânico agora tinha um motor totalmente novo, o K20 — com dois litros e comando duplo no cabeçote, ele era capaz de produzir 200 cv a 7.400 rpm. O sistema VTEC agia aos 5.800 rpm, com corte de giro um pouco mais baixo, aos 8.100 rpm.

honda-civic (10)

No Reino Unido o novo Type R perdia alguns itens interessantes, como os bancos Recaro e o diferencial LSD — as unidades exportadas para o Japão, porém, contavam com tais equipamentos, além de 15 cv a mais no motor.

Um facelift em 2004, que trouxe direção elétrica revisada, ficando mais direta, suspensão com geometria retrabalhada, faróis com projetores e volante do motor aliviado.

civic04271ke honda-civic (12)

Independentemente disso, o Type R EP3 foi amplamente elogiado pela imprensa especializada na Europa e premiado pelo Top Gear, pelo Fifth Gear e pela revista What Car? como o “hot hatch do ano” mais de uma vez entre 2001 e 2005, período em que foi produzido. Segundo a Honda, o Type R EP3 era capaz de chegar aos 100 km/h em 6,2 segundos (modelo japonês) ou 6,4 segundos (europeu).

honda-civic (9)

E é deste clipe do Top Gear (cansado de ver Top Gear aqui no FlatOut? Não? Ótimo), onde Jeremy Clarkson conta porque gosta tanto do EP3 — comparando-o até mesmo com antigos hot hatches europeus, como o Peugeot 205 —, que vamos tirar a deixa para falar do último Type R que existiu.

 

Terceira geração: FN2

honda-civic (23)

A oitava geração do Civic deu aos brasileiros um dos melhores esportivos já fabricados em solo nacional: o Civic Si e seu K20 de 192 cv. Os japoneses também tinham o seu — o Type R, que agora era um sedã. O chamado FD2 era maior e mais pesado, e por isso tinha um motor mais potente, com 222 cv.

honda-civic (20)

Na Europa, contudo, ele continuava sendo um hatchback: o FN2. Sua plataforma também era diferente — enquanto os Civic japonês e americano usavam uma plataforma Acura, o modelo europeu era baseado no Honda Fit/Jazz. Sendo assim, em vez da suspensão traseira independente, ele tinha uma barra de torção — mais simples e mais barata. E que fez uma grande diferença, como veremos daqui a pouco.

honda-civic (25)

Apesar das dimensões mais generosas, o novo Type R tinha o mesmo peso de seu antecessor — cerca de 1.320 kg — e o motor K20 tinha 1 cv a mais. Sendo assim, seu desempenho em linha reta era bem parecido — algo entre 6,2 e 6,4 segundos para atingir os 100 km/h.

honda-civic (18)

Contudo, a nova suspensão traseira e a carroceria maior acabaram por matar o desempenho empolgante do Type R, que ficou mais previsível e dócil. Ao menos era esta a opinião da imprensa europeia, que talvez estivesse com inveja do motor novo do sedã japonês.

honda-civic (26)

A resposta às criticas veio rápido: em 2009, a Honda lançou o Civic Type R Mugen. O motor foi preparado pelo braço de alto desempenho da marca japonesa com novos comandos e coletores e uma reprogramação no módulo de controle do motor. A potência subiu para 240 cv e só então o carro mostrou seu verdadeiro potencial — e foi ostensivamente elogiado pelas mesmas revistas e sites e programas de TV que o criticaram por ser “mais do mesmo”. Vinte unidades foram produzidas.

honda-civic (30)

Em 2012, outra novidade: o Type R Mugen 2.2 — o motor teve seu deslocamento ampliado para 2,2 litros e garantiu o sobrenome. Com 260 cv, novamente o carro foi um sucesso de crítica — e, novamente, teve sua produção limitada a 20 unidades.

 

E o que o futuro reserva para o Type R?

o Civic Type R Mugen 2.2 seria o canto do cisne para o modelo — a Honda deixou de produzi-lo naquele ano devido às cada vez mais restritivas normas para a emissão de poluentes. Contudo, no início deste ano a marca revelou o Type R 2015 — baseado na atual geração do Civic na Europa, ele tem visual mais agressivo e promete entregar 280 cv de seu motor 2.0… turbo.

Sim, a solução encontrada pela Honda foi turbinar o motor do Civic Type R. É um sinal dos tempos, e praticamente inevitável — mas também abre muitas possibilidades para o futuro. Como sempre, estamos aguardando ansiosos.

Matérias relacionadas

Bandeiras, bolas de golfe e excrementos: tudo o que a humanidade já deixou na Lua

Dalmo Hernandes

Este Dodge Viper de 620 cv foi preparado pela “McLaren”. Mas… como?

Dalmo Hernandes

Cinco leis de trânsito brasileiras que não fazem sentido

Leonardo Contesini