A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Ouça o rugido monstruoso de um V12 LS de 9,5 litros e 800 cv

É fácil entender por que o motor V8 LS da General Motors é tão popular: ele é tradicional, robusto, potente e possui uma vasta oferta de peças para manutenção e preparação. Mas sabe do que ele precisa? De quatro cilindros a mais. Ou ao menos esta é a opinião de uma empresa chamada Race Cast – que, contrariando o senso comum, não fica nos EUA, mas sim na Austrália.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Faz pelo menos quatro anos que a Race Cast está aperfeiçoando seu motor V12 LS – isto mesmo: um motor de 12 cilindros, como em uma Ferrari ou Lamborghini; porém com comando no bloco e virabrequim cruzado, como em um Corvette ou Camaro das antigas. Para quem gosta de torque em baixa e lenta embaralhada, é como entrar no paraíso.

Ou melhor, ouvir o paraíso. Eis um vídeo de 2016, no qual os caras estavam testando uma versão preliminar do motor V12 LS em um dinamômetro de bancada:

Aqui, eles mesmos demonstraram o potencial do motor para loucuras – que tal uma Besta (aquela mesmo que te levava para a escola na década de 1990) com um V12 central-dianteiro? Veja-a em ação a partir dos 4:30 do vídeo:

Quando falamos em “loucura”, não estamos brincando – os caras simplesmente adaptaram a estrutura da Besta para acomodar o V12 e seus coletores de escape feitos sob medida, e mantiveram seus demais aspectos técnicos, como a suspensão por feixes de mola longitudinais. Por sorte, tratava-se apenas de uma plataforma de testes para o motor, porque a dinâmica de uma van com um V12 de mais de 800 cv sem outras modificações para equilibrar as coisas deve ser um perigo…

A Race Cast teve a ideia há cerca de cinco anos, quando Matt Corish, um dos fundadores da empresa, percebeu que havia muitos projetos extremamente sofisticados, com quase tudo feito sob medida – chassi, suspensão carroceria e interior – e, debaixo do capô, um V8 LS de prateleira, sem qualquer tipo de modificação.

Sendo dono de uma empresa que já fazia motores V8 sob medida, Matt decidiu elevar o nível e oferecer um motor maior e mais potente, porém que tivesse a mesma arquitetura e a mesma disponibilidade de peças que o popular motor de oito cilindros da GM – e, ao mesmo tempo, que fizesse o carro equipado com ele se destacar dos demais.

O Camaro do vídeo acima é um exemplo – um carro bem mais sofisticado que a Besta V12. Feito para o SEMA Show em 2016, ele aproveitou o primeiro motor que a Race Cast fez usando seus próprios moldes. Com 12 corpos de borboleta individuais, ele foi acertado com o comando de válvulas mais manso para entregar por volta de 800 cv – mas não precisa de mais que um comando mais bravo para garantir pelo menos 1.000 cv. E ele é totalmente legalizado para rodar em vias públicas:

V12 LS out on the highway

Crusin' to the Eastwood show on Saturday

Posted by V12ls.com on Tuesday, July 31, 2018

Mas afinal, como o V12 LS surgiu, e como ele é feito?

O primeiro protótipo do motor V12 LS foi feito juntando dois blocos de Holden Commodore, mais cabeçotes, virabrequim e comando de válvulas feitos sob medida – só para ver se daria certo. E deu: logo de cara o motor entregou 700 cv no dinamômetro.

O projeto foi refinado ao longo do tempo, mas a empresa fez questão de manter o máximo de compatibilidade possível com os componentes de preparação já disponíveis no aftermarket. Assim, embora o bloco seja feito sob medida, bem como o virabrequim, os cabeçotes e o comando de válvulas, demais peças como as próprias pistões, bielas, anéis e demais periféricos são os mesmos já empregados em motores LS preparados. Pistões Wiseco ou JE e bielas K1, por exemplo, são totalmente compatíveis, bem como peças fornecidas por outras empresas.

A Race Cast diz que, embora o projeto tenha começado como um “copia-e-cola”, partindo do V8 e adicionando mais “meio V8”, eles aproveitaram a oportunidade para melhorar alguns pontos, como a adição de reforços entre as bancadas de cilindros, além de redesenhar as galerias de arrefecimento para melhorar sua eficiência.

A empresa oferece versões de alumínio ou de ferro fundido, dependendo da aplicação – a versão de alumínio pesa 191 kg, enquanto o motor com bloco de ferro fundido pesa 265 kg. É uma diferença de 74 kg, porém o bloco de ferro fundido é consideravelmente mais resistente e, por conta disto, mais indicada para projetos sobrealimentados com bastante pressão. Isto posto, a montagem do motor é idêntica independentemente do material usado no bloco.

Com bloco de ferro fundido, o motor tem 9,5 litros de deslocamento (580 pol³), com 104,7 mm de diâmetro e 92 mm de curso. Já o bloco de alumínio têm cilindros de diâmetro ligeiramente menor, com 103,2 mm, o que resulta em deslocamento de 9,2 litros (564 pol³). Ambos, porém, têm potencial para entregar entre 700 e 800 cv, dependendo do acerto, usando um comando de válvulas mais manso. Com comando bravo, de competição, a potência pode passar dos 1.000 cv usando combustível de alta octanagem (mais de 100 RON). Isto sem qualquer tipo de indução forçada.

É importante frisar que, apesar do deslocamento astronômico, o V12 LS continua sendo um small block – motores big block têm diâmetro dos cilindros muito maior, paredes muito mais grossas, cabeçotes gigantescos, pistões e bielas muito mais robustos… enfim, dimensões totalmente superlativas. Como o Juliano explicou no Dicionário Muscle Car, não há uma distinção “oficial” entre big block e small block, mas a diferença é visível. Tecnicamente, mesmo que vosse um V16, o motor da Race Cast continuaria sendo um small block.

Um dos pontos positivos do V12 LS em relação ao V8 é o equilíbrio inerente a esta configuração – a ordem de ignição e a quantidade de cilindros, bem como o ângulo de 90° entre as bancadas. A Race Cast diz que isto torna seu V12 apropriado para uma grande variedade de project cars, incluindo automóveis que vêm de fábrica com motor seis-em-linha ou V8. Segundo eles, o motor é cerca de 22 cm mais longo que um V8 small block LS, com praticamente o mesmo comprimento de um seis-em-linha moderno.

A Race Cast oferece algumas opções para quem quiser comprar seu motor. É possível adquirir o bloco acompanhado de componentes como cabeçotes, juntas, comando, tampa de válvulas, de modo que o cliente possa montá-lo com componentes à escolha, por US$ 29.300 (cerca de R$ 152.300 em conversão direta).

Quem preferir pode comprar o motor já com pistões JE e bielas K1, mais tudo o que for necessário para montá-lo, por US$ 44.500 (cerca de R$ 231.300); ou então investir logo em um turn-key, incluindo sistema de injeção Haltech e toda a eletrônica, pronto para instalar e rodar, por US$ 55.200 (por volta de R$ 287.000). Estes são os preços de base, e podem variar dependendo das especificações escolhidas.

A empresa só não fornece coletores de escape, visto que estes geralmente precisam ser feitos sob medida para cada projeto, dependendo das dimensões do cofre; e nem o sistema de arrefecimento. No caso deste último, porém, eles recomendam o uso de um radiador similar ao de um V8 big block. Basicamente, pelo preço certo, a Race Cast dá o caminho das pedras para quem quiser montar um monstro de 12 cilindros.

Matérias relacionadas

Cutaways: a literal beleza interior dos carros de corrida

Dalmo Hernandes

Estes caras querem manter o legado do Land Rover Defender vivo – e usam um V8 de Corvette para isso!

Dalmo Hernandes

A história e a evolução do Papamóvel

Dalmo Hernandes