A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Trânsito & Infraestrutura

Por que a faixa ao lado é sempre mais rápida?

Uma das Leis de Murphy mais conhecidas é aquela que fala sobre a velocidade da faixa ao lado. Sim, a faixa ao lado sempre anda mais rápido — independentemente de em qual faixa você esteja. Qualquer pessoa que tenha dirigido em uma rodovia no feriado sabe que esta lei é tão certa quanto as leis da física e os radares escondidos nos guard-rails e muretas de proteção. Mas por quê? Por que a faixa ao lado é sempre mais rápida?

Tentando encontrar a resposta para essa pergunta existencial, descobri que às vezes as faixas ao lado realmente estão mais rápidas, mas às vezes elas estão lentas como a sua faixa, e também cheguei a duas explicações: uma baseada na matemática e outra na psicologia.

A matemática explica quando a fila ao lado está realmente mais rápida: é uma questão de probabilidade. Em uma rodovia de duas faixas, você tem 50% de chances de estar na faixa mais rápida — o que significa que você também tem 50% de chances de estar na faixa mais lenta.

Nas rodovias de três faixas, suas chances de ter acertado a faixa mais rápida caem para 33,3%. Ou colocando de uma forma mais pessimista, há 66,6% de chances de as outras faixas estarem mais rápidas. Em uma via com quatro faixas, as chances de você estar errado sobem para 75%. Isso, claro, considerando o movimento intenso. Em condições normais obviamente a faixa rápida é a da esquerda e a lenta a da direita.

Mas essa situação não dura muito tempo: quando os condutores das faixas lentas começarem a mudar de faixa, eles terão que entrar na frente de outro carro, que irá reduzir sua velocidade e iniciar um efeito de onda que acabará parando a fila.

 

Culpa do seu egoísmo

A outra situação é quando todas as faixas estão lentas de verdade, algo que acontece em estreitamentos de pista. Na maioria das vezes a velocidade das filas é a mesma, mas a fila ao lado parece andar mais rápido simplesmente porque somos egoístas. E isso não é errado ou algo ruim. É apenas uma percepção natural explicada pelo que a psicologia chama de correlação ilusória.

Macaco Murfy

Lady Murphy

A correlação ilusória é a suposição de que existe uma correlação evidente entre dois itens, quando, na verdade, não há. É algo que fazemos quando precisamos/queremos tomar decisões mas temos informações limitadas. Por isso achamos que existe uma correlação que não existe, como por exemplo, acharmos que a chuva decide cair sempre na hora da saída do trabalho/escola/faculdade. Obviamente ela não cai às 18:00 porque você precisa sair de um lugar coberto e protegido, mas porque coincidentemente o vapor se condensou às 18:00 e voltou ao solo em forma de chuva.

Da mesma forma, quando estamos parados no trânsito e vemos a fila ao lado andando, nossa intuição relacionada o fato de nossa fila estar parada ao elemento mais evidente em nosso ambiente: nós mesmos, nossa vontade de chegar logo, nosso desejo de estar andando.

Isso faz com que a gente perceba mais quantos carros passam por nós na fila que está andando, do que quantos carros passamos quando nossa fila realmente anda. E isso também tem explicação lógica: quando estamos parados somos o ponto de vista. Vemos cinco, dez, 15 carros passando e, pensando em nós mesmos (em nossa vontade de chegar, nosso desejo de estar andando), percebemos que estamos parados e ficando para trás.

Mas quando chega a nossa vez e andar, continuamos concentrados em nós mesmos (em nossa vontade de chegar logo, nosso desejo de estar andando) e não percebemos quantos carros estamos passando. Então a percepção é de que você está sempre ficando para trás só porque a outra fila está andando e a sua não.

Agora… como disse mais acima, é possível que uma das filas esteja realmente mais rápida. Você geralmente percebe isso quando marca um carro da fila ao lado e fica observando sua diferença em relação a ele até que o perde de vista. Nesse caso, bem… você escolheu a faixa errada. Mas na maioria dos casos as duas filas estão em velocidades semelhantes ou com uma diferença insignificante para o tempo de viagem. O melhor mesmo é ficar na fila em que você está e exercitar a paciência observando o que acontece ao redor. Logo você vai se convencer de que a fila ao lado, no fim das contas, para e anda igual à sua.

Matérias relacionadas

A desinvenção do automóvel

Leonardo Contesini

Por que não consigo levar a sério o novo plano nacional de redução de mortes no trânsito

Leonardo Contesini

Cinco fatores que tornam o asfalto brasileiro tão ruim

Leonardo Contesini