A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos

Porsche 924 à venda: o primeiro Porsche de motor dianteiro pode ser seu

É claro que o sonho de muitos entusiastas é um Porsche 911. Só pela ousadia dos alemães em manter, por quase 60 anos, o layout de motor boxer na traseira (e fazer do nine-eleven um dos melhores de todos os tempos, em todas as gerações e suas centenas de versões), a Porsche já merece toda a nossa admiração. Como se não bastasse, o 911 ainda tem visual inconfundível, um ronco característico irresistível e, bem… acho que podemos chamá-lo de uma obra prima da engenharia automobilística.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Membro especial, com todos os benefícios: acesso livre a todo o conteúdo do FlatOut, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras!

A partir de

R$20,00 / mês

ASSINANTE

Plano feito na medida para quem quer acessar livremente todo o conteúdo do FlatOut, incluindo vídeos exclusivos para assinantes e FlatOuters.*

De R$14,90

por R$9,90 / mês

*Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.

Mas… existem outras formas de colocar um Porsche na garagem. Opções que podem não ser tão emblemáticas ou lendárias, mas que trazem o mesmo pedigree por um valor bem mais em conta do que os pelo menos R$ 300.000 que um 911 usado de qualquer geração custa no Brasil. O Porsche 944, por exemplo: ele não tem motor boxer, e muito menos traseiro. Ele não é reconhecido nas ruas até por quem não entende absolutamente nada sobre carros (como ocorre com o 911, afinal). Mas ele é um Porsche, e o fato de ser um modelo meio “lado B” pode até contar pontos naquele encontro de fim de semana, dependendo do tipo de entusiasta que forem seus amigos.

O caso é que há um Porsche 924 anunciado no GT40 – e ele parece parece muito íntegro. Um Porsche pelo preço de um sedã médio.

O Porsche 924 foi lançado em 1976, e foi um modelo muito importante para a fabricante: ele foi o primeiro Porsche a abandonar o layout de motor traseiro arrefecido a ar e, em seu lugar, adotou um quatro-cilindros em linha debaixo do capô (o Porsche 928, que tinha um V8 dianteiro, foi desenvolvido primeiro, mas lançado depois). Na época, pode-se dizer que foi uma medida drástica: seu antecessor, o 914, era um carro muito interessante, mas foi incompreendido na época – desenvolvido em parceria com a Volkswagen, e disponível com um flat-4 VW, inclusive. Não que ele não tenha vendido bem – longe disto, afinal foram feitos quase 120.000 exemplares em oito anos –, mas o 914 não era o que o público esperava de um Porsche.

É meio irônico, na verdade – embora toda a estrutura, design da carroceria e acerto dinâmico, fossem de autoria da Porsche, o motor EA831 era desenvolvido pela Volkswagen, e foi utilizado primeiro no Audi 100. O cabeçote, porém, era Porsche, e na versão inicial de dois litros, o motor entregava entre 95 e 110 cv, dependendo da configuração. Apesar de, inicialmente, ser considerado um sacrilégio, o Porsche 924 aos poucos conquistou seu espaço. E até deu origem a versões bem especiais, como o o 924 Turbo e o trio de Carrera GT,  GTS e GTR – estes feitos para homologação em provas de turismo e ralis.

O exemplar anunciado no GT40 é um Porsche 924 1979 feito para os EUA – note os para-choques de impulsão, que eram obrigatórios nos Estados Unidos entre 1973 e 1982, e protegiam o carro em impactos de até 8 km/h à custa de um pouco da harmonia estilística. Hoje em dia, porém, eles não incomodam tanto.

De acordo com o anunciante, o carro está em boas condições de conservação – incluindo a pintura e os revestimentos internos, embora existam, de fato, algumas marcas do tempo. Entretanto, o nível de originalidade na carroceria e das peças de acabamento é alto – faróis, lanternas, frisos e rodas, entre outros pequenos itens. Somando tudo, há mais de 80% de características originais, o que justifica a placa preta nos para-choques.

O motor, contudo, recebeu uma modificação importante – em vez do sistema de injeção Bosch K-Jetronic usado originalmente, ele agora é alimentado por um sistema programável da FuelTech, o que permite certa liberdade para acertar o motor, e garante alguns cv a mais do que os 95 originais de fábrica. O motor continua ligado ao câmbio manual de cinco marchas do tipo dogleg (ou seja, com as marchas ímpares para trás e as pares para a frente, como nos carros de competição.

O vendedor afirma que há menos de 20 exemplares deste ano e versão do Porsche 924 no Brasil. Se você ficou interessado nesta unidade, pode clicar aqui para acessar o anúncio e pegar os contatos. E não esqueça: um antigo como este merece uma compra atenciosa para evitar quaisquer imprevistos. E uma revisão cuidadosa, em uma oficina especializada, nunca é má ideia.


“Achados Meio Perdidos” é o quadro do FlatOut! no qual selecionamos e comentamos anúncios do GT40.com.br de carros interessantes ao público gearhead, como veículos antigos, preparados, exclusivos e excêntricos. Não se trata de publieditorial. Não nos responsabilizamos pelas informações publicadas nos anúncios nem pelas negociações decorrentes – todos os detalhes devem ser apurados atenciosamente com o anunciante!

Matérias relacionadas

MG Midget MK3: um legítimo roadster britânico com apenas 56.000 km rodados (e nunca restaurado!) à venda no Brasil

Dalmo Hernandes

Este BMW M5 1994 feito à mão está à venda no Brasil

Gustavo Henrique Ruffo

Esta BMW 528i Touring pode ser a perua alemã de tração traseira que você queria

Dalmo Hernandes
error: Direitos autorais reservados