A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Carros Antigos

Porsche 934: quando o 911 Turbo virou um carro de corrida

Muito se fala no Porsche 935, e com razão – ele era praticamente um elo perdido entre o Porsche 911 e um protótipo-esporte, como eram muitos carros feitos de acordo com o regulamento do Grupo 5 nas décadas de 1970 e 1980. A porção central era claramente 911, mas os para-lamas, capô e traseira eram modificados ao extremo – culminando no impressionante 935 Moby Dick.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Entretanto, o mesmo culto não é reservado ao Porsche 934 — assim batizado por ser um 930 modificado pelas regras do Grupo 4. Como o 935, ele foi responsável pela incursão do nine-eleven nas provas de turismo, mas sua categoria impedia que ele sofresse modificações tão radicais. Na prática, ele era mais parecido com um Porsche 911 de rua. E isto acaba contribuindo para seu apelo.

Apresentado em 1976, o Porsche 934 era, na prática, a versão de competição do primeiro 911 Turbo (930), que começou a ser vendido no ano anterior. Como você deve saber, o 930 era considerado um dos esportivos mais ariscos que se podia comprar em seu tempo – afinal, ele tinha um motor turbo das antigas pendurado na traseira, sem anti-lag. Quando o turbo “enchia”, era um golpe – e, no meio de uma curva, com entre-eixos curto, era facinho escorregar demais e sair girando feito um pião.

Já em dezembro de 1975 a Porsche homologou o 934, usando como base o 930, porém com um motor mais potente – um flat-six de três litros, como no carro de rua, porém com 485 cv (o 930 dispunha de 260 cv nos primeiros anos). Esteticamente ele lembrava bastante o 911 Turbo, com o mesmo spoiler na traseira, mesmo capô, mesmas portas, mesma área envidraçada e mesmos para-choques, faróis e lanternas.

Era possível notar, porém, um spoiler dianteiro maior, com entradas de ar generosas e um grande intercooler, além dos alargadores nos para-lamas, com rebites à mostra – um visual que influencia projetos de entusiastas e preparadoras até hoje. Talvez na época a Porsche só estivesse interessada na função – afinal, as BBS tinham 16×10,5 polegadas na frente e 16×12,5 polegadas atrás (!!). Mas eles acabaram criando criando uma belíssima forma.

O 934 também tinha outras modificações, como rodas BBS de cubo rápido, freios emprestados de ninguém menos que o Porsche 917, e interior aliviado com gaiola de proteção integral, além de modificações relativamente simples na suspensão – que mantinha o mesmo layout básico do 930, mas ganhava amortecedores Bilstein ajustáveis e barras estabilizadoras mais grossas. A Porsche deliberadamente manteve as modificações simples, visto que o objetivo era vender o carro a outras equipes, que acabariam fuçando ainda mais no 934 por conta própria. O 934 é um carro raro que teve uma vida curta – não muito mais que 400 carros foram feitos em 1976 e 1977. E, em 1976, foram fabricadas apenas 31 unidades.

O carro vermelho que aparece nestas fotos calha de ser o primeiro deles – o 934 de chassi nº 0151. É exatamente o carro que foi apresentado à imprensa ao lado do primeiro 935, no início de 1976. Pouco tempo depois, ele foi entregue à primeira equipe a utilizar o Porsche 934 na pista: a alemã Kannacher GT, que correu com ele na temporada daquele ano do Deutsche Rennsport Meisterschaft, ou simplesmente DRM – a categoria precursora da DTM, e também no Campeonato Europeu de Turismo, chegando em terceiro lugar nos 1.000 Km de Nürburgring daquele ano.

Em 1977, o carro foi vendido à famosa Kremer Racing, que ficou com ele até 1979 e participou de dezenas de provas, incluindo as 24 Horas de Le Mans de 1979, na qual o carro terminou em 19º na classificação geral e em terceiro na categoria GT.

O carro passou por vários donos ao longo das décadas e, em 2003, passou por uma restauração completa – que, concluída, deu ao 934 #0151 a cara que tem hoje, incluindo a belíssima pintura Indian Red. Pelas fotos caprichadíssimas feitas pela agência Gooding  & Company (que leiloará o Porsche no próximo dia 6 de março, em Amelia Island), podemos apreciar o mais bacana do 934: por mais que ele seja um carro de competição – e, no caso deste exemplar, dotado de um belíssimo histórico –, não é difícil que algum desavisado o confunda com “apenas” um belo Porsche 911 dos anos 1970 que foi restaurado e passou por algumas modificações.

Achamos o 935 fantástico com sua aerodinâmica exagerada, e apreciamos o 917 e o fato de ele ter sido criado especificamente para as pistas, mas há algo de mágico em um carro de corrida que tão próximo de um carro de rua como era o 934.

Matérias relacionadas

Lancia Delta S4 ou Ford RS200: qual destes dois monstros do Grupo B você colocaria em sua garagem?

Dalmo Hernandes

Mais valiosa que ouro: como as Ferrari 250 GTO se tornaram os carros mais caros do mundo

Dalmo Hernandes

Kombi: como um veículo de carga se tornou um dos colecionáveis mais procurados do mundo

Dalmo Hernandes
error: Direitos autorais reservados