A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Projetos Gringos Zero a 300

A Porsche não fez nenhum 911 GT3 RS com câmbio manual… mas esse cara fez!

Quando decidiu que o mais recente 911 GT3 RS só teria câmbio de dupla embreagem e sete marchas, a Porsche pretendia com isto garantir que ele fosse o mais rápido possível o tempo todo – é humanamente impossível, com câmbio manual e três pedais, realizar trocas de marcha em milésimos de segundo como faz a caixa PDK da Porsche, que, como toda transmissão de dupla embreagem, deixa uma marcha “pré-engatada” atrás da outra e as aciona ao toque de uma aleta atrás do volante.

É claro que, como comentamos neste post, foi preciso dar explicações, porque os mais tradicionalistas reclamaram imediatamente. A fabricante diz que seu câmbio PDK se assemelha muito mais a um câmbio de competição do que um automatizado de rua, e no modo manual não realiza qualquer interferência nas decisões do piloto, seja para trocas ascendentes ou reduções. Além disso, a Porsche chegou a construir um protótipo do GT3 RS com câmbio manual, e a versão com dupla embreagem se saiu melhor em todos os testes.

No entanto, para os puristas, isto pouco importa. O Porsche 911 é um carro feito para quem aprecia o ato de dirigir, seja uma das versões mais comuns ou uma das mais especializadas – e não dar ao carro mais visceral da Porsche a opção de câmbio mais “envolvente” foi um erro grave do ponto de vista deles.

E foi pensando assim que o dono de um Porsche 911 GT3 RS decidiu resolver este problema por conta própria, mandando instalar em seu 911 GT3 RS o câmbio manual de seis marchas do Porsche 911 R.

19429255_351207205294497_2107984178103451648_n

O carro pertence ao um americano chamado Robert Janev, que mora na Flórida, EUA. Ele tem outros exemplares do Porsche 911 em sua garagem, como um 911 Carrera 993, um 911 Turbo 997 e um GT3 RS 997. Todos com câmbio manual, exceto pelo 911 GT3 RS 991 – até agora. Janev diz que admira a transmissão PDK da Porsche, mas que gostaria de poder optar pela caixa manual em qualquer 911.

Janev criou um tópico no fórum Rennlist, dedicado especialmente (mas não exclusivamente) ao Porsche 911, para contar sua aventura. Para começar, foi difícil topar com uma oficina que topasse a empreitada – ninguém sequer sabia ao certo como conseguir um câmbio que tivesse escalonamento compatível com as rotações estratosféricas do GT3 RS sem que ele perdesse desempenho, bem como compatível com a sua entrega de torque (ainda que, por ser aspirado, esta seja mais linear), e que desse a Janev uma experiência igual à de uma transmissão instalada na fábrica. Ele finalmente conseguiu convencer a BGB Motorsports, de Ormond Beach, na Flórida, a fazer o serviço. A empresa é especializada nos modelos da Porsche, e já realizou diferentes transplantes de conjunto mecânico (como a instalação de um motor 3.8 do Porsche 911 no Cayman, por exemplo), mas seria a primeira vez que um 911 GT3 RS receberia um câmbio manual.

IMG_638419429207_1489419364434643_1674279054863237120_n

A escolha natural foi o câmbio de seis marchas do 911 R que, de forma resumida, é um 911 GT3 RS com câmbio manual – o motor é o mesmo flat-six de quatro litros e 500 cv usado no GT3 RS, e até mesmo o sistema de esterçamento das rodas traseiras está presente. Ele só não tem os componentes aerodinâmicos do GT3 RS e, claro, também não tem aletas atrás do volante.  Ele e é também a versão mais leve do Porsche 911 991, com 1.370 kg na balança. Todas os 991 exemplares foram vendidos logo que o 911 R foi anunciado – alguns, só para fins de especulação. Hoje em dia, se você conseguir encontrar um Porsche 911 R à venda, ele custará o dobro do preço de um 911 GT3 RS novo.

Por isto foi que a BGB Motorsport pensou bastante antes de aceitar a o projeto. Foi preciso encomendar um câmbio de 911 R (que é exclusivo da versão) novo em folha à Suncoast Porsche Parts, que levou algumas semanas para conseguir adicionar o item ao seu catálogo. Também foram encomendados uma nova embreagem, o volante do motor, alavanca de câmbio e toda a adaptação do chicote e dos módulos. Boa parte das seis semanas que se passaram entre o início do projeto e a instalação do câmbio consistiu em esperar as peças chegarem.

manual-gt3-rs-swap-parts

Uma vez com as peças em mãos, também foi relativamente fácil retirar as aletas atrás do volante e trocar a alavanca e o câmbio originais do 911 GT3 RS pelos novos componentes. De acordo com a BGB Motorsports, os encaixes sã todos iguais e o bom acabamento dos esportivos de Stuttgart ajuda neste ponto (especialmente nos detalhes do interior). Janev até fez algumas coisas sozinho: foi ele quem removeu as aletas de trás do volante e trocou o conta-giros do painel, que traz um indicador de marchas para o câmbio PDK, por uma peça mais apropriada.

Como era de se esperar, o ponto mais complicado foi a eletrônica. Refazer toda a programação foi outra razão para que outras oficinas recusassem o serviço, mas a BGB decidiu se arriscar. Depois de instalada a transmissão, diversas luzes de alerta acenderam no painel, e apagar cada uma delas – processo que envolve descobrir o código de cada um dos erros e reprogramá-lo, algo que nem sempre dá certo da primeira vez. Neste caso, foram necessárias de 60 a 70 horas de trabalho dedicadas somente a esta fase do projeto.

Há muitos sistemas eletrônicos interconectados em um Porsche moderno (na verdade, em qualquer carro atual mais sofisticado) que, muitas vezes, desligar uma luz-espia pode fazer o motor parar de funcionar, mesmo que as duas coisas não tenham nenhuma relação aparente. Era preciso fazer com que a transmissão se comunicasse com o carro e o carro respondesse de volta sem nenhum problema. Na prática, foi preciso fazer malabarismos para que a o carro “pensasse” ser um 911 R para lidar corretamente com o novo câmbio, porém que a programação original do controle de tração e do de esterçamento das rodas traseiras do 911 GT3 RS fosse conservada, visto que os dois carros utilizam razões diferentes para os dois sistemas.

O carro de Janev ficou pronto há alguns dias, apenas. Ele também recebeu um novo sistema de escape, sem os últimos abafadores e algumas pequenas modificações no interior, que ganhou revestimento de couro e o já citado novo conta-giros.

19748754_10155179444246311_3016602295722038021_n

E quanto custou? De acordo com Janev, cerca de US$ 45.000 (R$ 141.000 em conversão direta), sendo que US$ 22.000 (R$ 69.000) correspondem ao preço do câmbio manual de seis marchas.

Existem alguns vídeos do carro funcionando, e o som produzido pelo conjunto mecânico mostra que sim, este é um 911 GT3 RS com câmbio manual. Fora o protótipo feito pela Porsche, ele é o único que existe no mundo. Janev, contudo, acredita que agora que o primeiro swap foi realizado, talvez a BGB Motorsport consiga repeti-lo com mais rapidez se já tiver os componentes necessários em mãos. Ele se considera um pioneiro, e acredita que as manifestações de fãs e clientes e atidudes como a sua realmente têm mesmo a força levar a Porsche a trazer de volta o câmbio manual para o GT3 RS. Aguardemos!

Matérias relacionadas

Acredite: isto é um Subaru Impreza original de fábrica – e tem mais de onde ele veio

Dalmo Hernandes

Koenigsegg Agera RS atinge os 447 km/h e é o novo carro mais rápido do mundo (oficialmente)

Dalmo Hernandes

Um Calibra impecável, dois cupês BMW dos anos 90, um raro Duster turbodiesel e as novidades do GT40!

Leonardo Contesini