Edição diária: 17/06/2019
FlatOut!
Image default
Notícias

Preço da gasolina pode subir 6% em 2014 e chegar a 10% em 2015

Na semana passada o Ministro da Fazenda, Guido Mantega sinalizou a possibilidade de haver um reajuste do preço da gasolina ainda neste ano. Agora, no último domingo quem tocou no assunto novamente foi a presidente Dilma Rousseff.

Durante uma entrevista coletiva realizada em Brasília no último domingo, a presidente afirmou que o reajuste “pode acontecer em algum momento”, mas salientou que não está confirmando que haverá um aumento, e reforçou que “não tem competência para tomar essa decisão”, por isso também pediu para que o tema não fosse misturado com as eleições de outubro.

Tanto Mantega quanto Dilma afirmaram que, se houver aumento, ele será sistemático, como observado em 2012 e 2013, e não há risco do chamado “tarifaço”, que é quando os reajustes são constantes ou elevados. De acordo com o ministro Guido Mantega, em todos os anos houve reajuste pois “essa é a regra”, citou sem confirmar por questões de especulação do mercado financeiro.

brasil-graca-foster-cpi-petrobras-20140415-009-size-598

O reajuste da gasolina vem sendo pleiteado pela própria presidente da Petrobras, Graça Foster, como forma de reduzir a defasagem dos valores praticados no Brasil em relação os valores do mercado internacional, o que afeta negativamente as finanças da companhia. A Petrobras atualmente tem uma dívida estimada em US$ 130 bilhões e no primeiro semestre deste ano teve lucro líquido de R$ 10,3 bilhões — uma contração de 25% em relação ao aos primeiros seis meses de 2013.

Essa retração no lucro deve-se principalmente ao fato de o preço da gasolina ser mantido em defasagem média de 14% em relação ao mercado internacional como forma de controle da inflação, uma vez que o insumo tem peso importante no índice. Com o arrefecimento da inflação neste segundo semestre, o aumento voltou à pauta do governo.

1t8p858wqhs09v21eqgx464rc

O último reajuste nos preços da gasolina foi em novembro de 2013, quando a Petrobras anunciou aumento de 4% nas refinarias, que representou uma alta de 3% ao consumidor final. A questão agora, é apenas saber de quanto será o reajuste e quando ele será feito.

Uma fonte anônima ligada ao governo disse à agência Reuters que o reajuste será e 5,5 a 6 %, e será feito após as eleições de outubro, o que poderia resultar em um aumento de 4 a 5% nas bombas. Contudo, o cálculo ainda é preliminar, e foi feito apenas para dar algum alívio à defasagem da Petrobras. Como a Petrobras pretende ter os preços em paridade com o mercado internacional até 2015, esse índice de reajuste pode chegar a 15% no próximo ano, representando um aumento de até 10% para o consumidor final.

 [ Fotos: Agência Brasil, Petrobras ] 

Matérias relacionadas

Que tipo de pessoa abandona um Lamborghini Countach no meio de uma ponte?

Dalmo Hernandes

Fiat Toro ganha motor 2.4 Tigershark flex de 186 cv

Leonardo Contesini

[ Exclusivo ] Fiat Uno Dualogic é flagrado em testes

Leonardo Contesini