A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #06

Project Cars #06: um novo sistema de injeção e ignição para o BMW 2002 1968

Olá, amigos do FlatOut! Bem vindos de volta ao Project Car #06, no qual conto a história da preparação de época de meu BMW 2002. Já se passaram quatro meses desde o primeiro post, no qual falei sobre a origem do Neue Klasse, a feliz conspiração gearhead por trás do desenvolvimento do 2002, e sua curiosa associação com um grupo terrorista que se financiava fazendo filmes pornográficos estrelados pelas integrantes do próprio grupo. No segundo post falamos sobre o projeto de preparação, as modificações e o início difícil dos trabalhos, algo que é natural em se tratando de um carro com quase 50 anos, mas mesmo assim chato. A má notícia deste terceiro post é que o carro não está pronto.

 

A foto da abertura é antiga, do passaporte Fiva (Federação Internacional de Veículos Antigos na sigla em francês), e mais do que apenas ilustrar o post ela serve para matar minha saudade da Frida! Aquela ideia de um projeto simples, rápido e equilibrado se transformou na prática em um projeto não tão simples e bem demorado. Mas ao menos ele segue equilibrado.

Na verdade o carro está assim:

 

 

Fridaestal

Após muita discussão, reflexão e contribuições dos comentaristas aqui no FlatOut, a decisão sobre a alimentação pendeu para a injeção eletrônica, mais precisamente uma Megasquirt II sequencer, basicamente uma injeção do tipo “faça você mesmo”, com placa de alta performance, capaz de controlar diversos parâmetros e sensores, além de funcionar em sincronia com a ordem de ignição dos cilindros. A decisão levou em consideração três fatores principais: Performance, custo e a possibilidade de trabalhar hardware e software de acordo com minhas preferências.

megasquirtII

Não foi uma decisão fácil, e embora o carro já não tivesse mais o carburador original, a mudança para a injeção implica em alterações estéticas e técnicas maiores. Por isso a modificação está sendo minuciosamente realizada de forma a ser reversível, e visualmente similar as injeções mecânicas usadas nas Alpina e Schnitzer nos anos 60/70. Não está sendo fácil, nem simples, mas está ficando cada vez mais próximo do que considero ideal para a Frida.

Da mesma forma, a troca da ignição original com platinado, por uma eletrônica, já estava planejada, e um kit da Petronix está sendo instalado dentro do distribuidor, mantendo o visual original e permitindo reversão simples, caso necessário. A Bobina original será, ao menos inicialmente, mantida. Com o motor funcionando os testes no dinamômetro vão indicar se uma mais potente pode trazer algum vantagem.

Petronix

Além destes aspectos, aproveitei a espera pelos trabalhos no motor para definir com calma os Lubrificantes e fluídos – No motor, considerando que haverá aumento de potência, RPM e temperatura, será utilizado um óleo sintético base esther, com índice de viscosidade dentro do padrão original (10W40), porém com maior viscosidade específica entre 100◦ e 140◦, e uma quantidade generosa de ZDDP (bastante recomendado em motores de concepção mais antiga).

O Motul 300V Road Racing reúne as características que procuro. Por ser um óleo desenvolvido para motos ele ainda contêm ZDDP em sua formulação, e a base Esther permite melhor lubricidade e estabilidade em condições mais duras, sem abrir mão das necessidades de detergência e dispersão em um motor de uso civil, que não deve ser aberto com frequência. É um óleo caro, mas considerando os compromissos e investimentos no motor, o custo adicional se justifica.

Na transmissão as especificações originais também serão mantidas – embora não tenha encontrado informações precisas sobre a caixa de cinco marchas – Será usado o Motul Gear 300 75W90, de concepção moderna (sintético) e voltado para aplicações de alta-performance, permitindo segurança em situações de maior exigência decorrentes da preparação. Por ser compatível com diferencial do tipo hypoid, o mesmo fluído será usado no diferencial.

Estes produtos não são fáceis de encontrar no Brasil, mas com alguma insistência e cuidados para evitar falsificações, podem ser comprados. Difícil mesmo foi conseguir o refil do filtro de óleo original. A BMW historicamente utiliza em seus motores uma espécie de capa para abrigar os filtros de óleo, por razões estéticas. Estas peças podem ser substituídas por filtros convencionais, mas eu queria manter a capa original, e tive que insistir para que uma distribuidora importasse os elementos originais da Mahle especialmente para a Frida.

O spoiler está pronto, os amortecedores estão prontos, a revisão nos freios está pronta, mas o motor não está, e as próximas etapas dependem dele. Precisamos montar o motor para dar sequência ao novo coletor, o mesmo com escapamento e o volante. Sem o motor também não podemos avançar na suspensão, já que precisamos de tudo montado para conferir as medidas e definir a pressão dos amortecedores. Em resumo, não tem muito mais para fazer agora, ou contar…

foto 2

Nada está parado, mas o avanço é lento, embora minha ansiedade seja grande. Se este post tem algum valor, ele está justamente na constatação do quanto é difícil a tarefa de preparar um carro, em especial antigo. Por mais que o projeto seja bem planejado, por mais dedicado, gearhead e entusiasta que alguém seja, o tempo não para, e o trabalho, família, assim como outros problemas, outros projetos e prioridades, todos competem por recursos limitados, e cada pequeno avanço exige dedicação, obstinação e sacrifícios muito maiores do que se pode imaginar.

Não me entenda mal, não estou reclamando e muito menos me desculpando. Na verdade estou apenas externando minha admiração pelos PCs, principalmente os que, ao contrário de mim, conseguem manter tudo sempre interessante, post após post! Mas minha admiração, é por todos, dos mais sofisticados aos mais simples, dos preparados aos originais, dos mais caros aos mais econômicos, dos que já estão prontos até os que tiveram que parar!

E assim, com grande expectativa de trazer muito mais no próximo, encerro este terceiro post. Como sempre convido todos as usar os comentários para dúvidas e ideias, desejando a comunidade FlatOut um ótimo final de ano, e que o Papai Noel traga as peças que estão faltando em seus projetos!

Por Marcelo R., Project Cars #06

0pcdisclaimer2

Matérias relacionadas

Project Cars #418: a salvação de um Toyota Paseo

Leonardo Contesini

Project Cars #318: o início da preparação do meu Honda Prelude VTEC 1993

Leonardo Contesini

Project Cars #341: como salvei um Focus da perda total – e ainda fiz uma “road trip” pelos EUA com ele

Leonardo Contesini