A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #114

Project Cars #114: depois de quatro anos, finalmente o Toyota Celica é turbo!

Por Júnior Gaboardi, Project Cars #114

E aí, FlatOuters? Post número 14 e finalmente, depois de quatro anos da ideia inicial de turbinar o Celica e tantos preparativos, chegou a hora do caracol!

Como já havia comentado no post anterior, dois dias antes da primeira etapa do time attack já tinha chegado o kit turbo, então na semana seguinte da primeira etapa ja começamos a trabalhar para instalar o turbo. Na verdade o kit não chegou completo, o intercooler original do kit não tinha sido embarcado, e estava sem previsão.

Então o cara que estava me trazendo todas as coisas me ofereceu um intercooler que ele tinha na loja, era bem maior e era preto, mas acabei pegando esse mesmo por que estávamos contra o relógio, tinha que montar o carro e testar para dar tempo de chegar para a segunda etapa do time attack.

A primeira coisa feita foi colocar o coletor e o turbo, para analisar o pouco espaço que tem entre o motor e a parede corta-fogo, e para ver como passar toda a tubulação do intercooler.

Como dá pra ver nas fotos o espaço é bastante reduzido, então decidimos simplificar mais ainda as coisas eliminando a direção hidráulica. Com isso saiu a bomba hidráulica, reservatório, todas as mangueiras etc, que passavam perto do turbo e dificultavam mais as coisas.

Com isso ganhamos mais espaço, melhor feeling no volante e tambem simplificamos a mecânica do carro e deixamos o cofre mais limpo. A caixa de direção usada foi de Corolla com uma pequena modificação na barra de direção para que encaixasse.

Modificamos a barra dianteira para servir como suporte do intercooler, que apesar de não ser do tamanho que tinha que vir, acabou entrando sem problemas.

Em seguida foi a vez da tubulação do intercooler, que acabou sendo bem mais fácil de instalar do que pensávamos.

O downpipe foi fabricado sob medida com tubo de aço inox com três polegadas, e foi o que mais demorou para ser fabricado por causa do pouco espaço. Acabei mandando fazer só o downpipe por que a grana ficou curta e o resto do escape acabou ficando pra ser feito mais pra frente já que não era algo tão necessário.

Depois de tudo instalado, fizemos um mapa provisório com 0.8 bar de pressão, para ir testando o carro por uma semana na rua, para evitar qualquer problema e perda de tempo com carro no dinamômetro.

A sensação ao sair pela primeira vez na rua foi que era um carro completamente diferente, não podia acreditar que o 1ZZ por fim acelerava de verdade e ainda não faltava 0.4 bar para chegar aos 1.2 bar que estava previsto.

Pasado o primeiro teste e depois de alguns ajustes, a três dias antes da segunda etapa do Time Attack, levamos o carro no dinamômetro, a previsão era chegar com 1.2 bar a cerca 290-300 cv nas rodas, já que sem forjar a transmissão já fica bem no limite com essa potência.

O resultado: 293 cv e 36 kgfm nas rodas com 1,2 bar, algo em torno de 340-350 cv no motor, mais que o dobro da potência do motor original.

 

Ao sair na rua com o carro dei umas aceleradas e comecei a rir sozinho, era muita diferença não dava pra acreditar que meu carro estava acelerando assim, não sei nem como descrever esse momento superou todas minhas expectativas!

Depois de tudo revisado de novo, três dias depois fomos a pista para o teste final e felizmente deu tudo certo. Vou fazer um resumão das três etapas, já que acabei demorando muito para escrever este Project Car.

A segunda etapa teve duas chicanes, demorei um pouco em me acostumar com o carro, porque estava muito diferente com o turbo e também por causa do traçado modificado, também decidimos deixar o turbo com 1,1 bar.

Fiquei em primeiro, bem à frente do segundo, mas acho que dava pra ter baixado bem mais o tempo, o carro não teve nenhum problema e tudo funcionou perfeitamente.

Um pouco antes da terceira etapa chegou, depois de uns seis meses mais ou menos, o farol modular do Celica TRD Sports M que eu tinha comprado na Rússia e tinha ficado desaparecido por uns três meses, tanto que achei que ja tinha perdido a grana mas ainda bem apareceu!

Na terceira etapa a pista ficou apenas com uma chicane, decidimos continuar com 1,1 bar, baixei o tempo mas dava pra melhorar mais ainda, igual consegui o primeiro lugar, mas sentia que não estava tirando tudo do carro ainda.

Já na última etapa subimos a pressão a 1,2 bar, a meta era tentar tirar o máximo do carro, mas a transmissão aguentou até a terceira volta na segunda saída dos boxes, consegui andar bem pouco. Acho que dava para baixar 1 segundo e meio facil no final da tarde com a pista bem emborrachada.

Terminei em primeiro igual, ja que o Kevin do Integra Type R que terminou em segundo, infelizmente acabou batendo feio na terceira saída dos boxes e os que estavam atrás não conseguiram melhorar os tempos até o final da etapa.

O problema da transmissão foi com a terceira marcha, que como era esperado, foi limada, mas infelizmente acabou acontecendo bem antes do esperado.

Acredito que influenciou bastante tambem para quebra, o calor que fazia no momento algo em torno de 40 graus, dei sorte que nessa volta adiantei a freada um pouco na primeira curva, se tivesse freado bem dentro da curva, acho que não ia segurar o carro em neutro, por que não entrou nem terceira e nem a quarta marcha.

Time Attack Paraguay 2019 – 2ª, 3ª e Ultima Etapas

Resultados das três etapas:

Resultado do Campeonato:

Alguns videos e fotos das três etapas, infelizmente só tenho onboard da última porque tive problemas com a minha GoPro.

 

OnBoard

Quebra da Transmissão

 

No próximo PC a troca da transmissão, body kit novo, e otras novidades!!! Até a proxima!!!

Matérias relacionadas

Project Cars #90: meu Passat Variant VR6 B3 está pronto!

Leonardo Contesini

Project Cars Bikes #337: a história da minha Honda CB500 Cafe Racer

Leonardo Contesini

A preparação do Fusca 1900 “Ervilha GBE” de Felipe Bariani!

Juliano Barata
error: Direitos autorais reservados