A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #114

Project Cars #114: um novo câmbio de seis marchas para o Celica… e um BMW E46

Por Júnior Gaboardi, Project Cars #114

E aí, Flatouters! Post número 13 com muitos upgrades e problemas na primeira etapa do time attack 2019! Para começar, logo depois da última etapa do ano passado levei o carro para instalação da eletrônica. A escolhida foi a Injepro S4000, mais Dashpro, mais Peak & Hold 4. Também foi instalado um wideband Bosch e sensores de pressão de óleo e combustível.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Membro especial, com todos os benefícios: acesso livre a todo o conteúdo do FlatOut, participação no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras!

A partir de

R$20,00 / mês

ASSINANTE

Plano feito na medida para quem quer acessar livremente todo o conteúdo do FlatOut, incluindo vídeos exclusivos para assinantes e FlatOuters.*

De R$14,90

por R$9,90 / mês

*Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.

Foi uma decisão um pouco difícil no começo porque eu pretendia comprar uma Apexi Power FC, que é plug and play, e manter a originalidade do carro. Mas como o projeto foi mudando com o tempo, principalmente depois que entrei no time attack, acabei mudando de ideia e peguei a Injepro.

Depois de instalada a eletrônica, começamos a preparar o carro para receber o turbo, mas no caminho decidimos fazer algo mais radical. A primeira coisa foi eliminar todo o sistema de ar-condicionado because racecar!

O seguinte passo foi desmontar tudo no vão do motor, lavar, pintar, reorganizar toda a fiação, passar a bateria para atrás e as caixas de fusiveis para baixo do painel.

Instalamos uma chave corta-corrente e pintamos a caixa de direção.

No meio do caminho decidi comprar uma transmissão de seis velocidades de Toyota Runx Z, já que a relação de marchas dela é muito mais curta que a transmissão de Corolla que eu tinha. Aqui deixo uma pagina bem legal para quem quiser fazer comparativos, essa página, Cargister, me ajudou muito na minha decisão de trocar a transmissão.

Colocamos a transmissão no lugar para ver se tudo era igual e para saber se não precisava modificar nada. Tudo encaixou certinho e também fizemos a troca do diferencial aberto pelo LSD que eu tinha na outra transmissão.

Depois de terminado o trabalho no vão do motor, desmontamos parte do motor para solucionar alguma fugas de óleo e também pintar tudo e deixar como novo outra vez.

Também pintamos a transmissão, tensor da correa, alternador, motor de arranque e bomba hidráulica.

Ao desmontar tudo acabamos descobrindo que a minha embreagem estava morta. Acabei comprando uma embreagem da Competition Clutch de quatro pastilhas Stage 5.

Também modificamos uma admissão de 2ZZ-GE para encaixar no meu motor, ja que a admissão original do meu motor é de plástico e não aguenta a pressão do turbo.

Outra melhora foi o modificar a flauta de combustível com retorno e tambem um regulador de pressão de combustível externo.

Já que no Paraguai as temperaturas são extremas e a parte de refrigeração sempre sofre bastante também comprei um termostato racing da Mishimoto que abre em 68º C.

Depois de 20 dias de trabalho e muitos contratempos conseguimos montar tudo denovo em seu lugar.

A ideia era que enquanto estávamos fazendo tudo isso (em janeiro) o kit turbo e os freios novos chegassem, mas o contâiner q trazia minhas coisas teve um problema e acabou atrasando dois meses, mudando todo o planejamento para a primeira etapa do time attack, que seria dia 24 de março.

Esperamos até duas semanas antes do time attack e decidi que ia correr aspirado pela última vez, já que não ia dar tempo de instalar tudo, testar e levar ao dinamómetro em duas semanas.

Então levamos o carro ao dinamômetro uma semana antes do time attack e o resultado foi um pouco abaixo do esperado, mas acredito que foi por causa da admissão modificada que instalamos que acabou baixando um pouco a potência por ser mais curta que a original e ter um plenum mais pequeno.

A potência ficou em 146,7 cv (3,7 cv a mais que a potência original), e 18,9kgm (1,5kgm mais do que o torque original).

Dois dias antes dos treinos para o time attack chegou o contâiner com o kit turbo que já estava descartado pelo pouco tempo, meus discos de freio e as pastilhas novas.

O freio escolhido foi do Subaru Impreza STI GC8 de quatro pistões, discos slotted da DBA, e pastilhas Hawk DTC. Tivemos q modificar o suporte das pinças e fazer um calço para centralizar os discos para poder adaptar ao meu carro os freios da Subaru.

Terminamos o carro a somente horas do inicio dos treinos e sem dormir nada.

 

Time Attack Paraguay 2019 – Primeira Etapa

Chegando nos treinos, vou à pista dar umas voltas para reconhecimento e na segunda volta faço uma redução de terceira para segunda, mas a segunda não entrava. Tento de todo jeito até que depois de várias tentativas não entravam mais a primeira, segunda, quinta e sexta.

Boto em terceira, já que só terceira e quarta entravam, e fui para os boxes. Lá revisamos e uma das presilhas dos cabos tinha caído.

Saí dos treinos e fui buscar a 30 km dali a presilha que um amigo tinha. Quando voltei ao treino tinha acontecido um acidente bem feio e os treinos foram suspensos. Também foi agregada uma chicane na reta para diminuir a velocidade dos carros no dia do evento.

Instalamos a presilha, testamos, e tudo funcionava normal. Achamos que era só o seguro que tinha saído do lugar e ficamos tranquilos.

Domingo, no dia do evento, na primeira saída à pista e no mesmo lugar, faço a redução de terceira a segunda e a mesma coisa acontece. Coloco a terceira e volto para os boxes. Revisamos outra vez e o prendedor do cabo estava no lugar. Acabamos achando que o problema era a transmissão e abandonei a prova.

Fiquei meio puto por termos trabalhamos tanto e não ter como correr. Quando esfriei a cabeça pensei e fui ver com o pessoal da organização. Não tinha registrado nenhum tempo com o Celica, já que não tinha passado pela linha de chegada. Então perguntei se dava para mudar o carro inscrito e me disseram que sim.

Então peguei meu daily driver, um BMW E46 320i automatico totalmente stock e, sem nunca ter andado com ele em pista, pensei: vou tentar ao menos ganhar alguns pontos para o campeonato, já que não podia correr com o Celica. De repente alguém também tem algum problema e não consegue correr e tal, ou tem poucos inscritos nessa etapa e consigo, sei lá, uns 10 pontos.

Fiz só umas nove voltas com ele e depois parei para não voltar a pé para casa. Quando fui ver os tempos descobri que só tinha três inscritos nessa etapa na categoria, então acabei ficando em terceiro lugar e somando 60 pontos!

Livre:

  1. Miguel Larreinegabe (Mitsubishi Evo VII) 55.780
  2. Allan Aquino (Mitsubishi Evo X) 57.660
  3. Jose Zelaya (Misubishi Evo IV) 59.045

TS RS:

  1. Victor Muñoz (Fiat Linea TC2000) 59.950
  2. Emil Mendoza (Volkswagen Gol MI Turbo) 1:05.904
  3. Airton Gaboardi Jr. (BMW e46 320i) 1:08.082

AWD RS:

  1. Torky Amarilla (Subaru Impreza STI) 59.972
  2. Fabian Valdez (Subaru Impreza STI) 1:00.481
  3. Michel Mendoza (Subaru Impreza STI) 1:00.648

Super Sports:

  1. Wilfrido Samudio (Porsche 911 GT3) 56.052
  2. Luis Rios (Porsche 911 Turbo S) 59.087
  3. Nadia Aranda (Nissan GTR) 1:03.285

AWD:

  1. Victor Chavez (Mitsubishi Evo X) 1:00.258
  2. Cesar Lobos (Mitsubishi Evo IX) 1:00.598
  3. Justo Pedretti (Subaru Impreza STI) 1:02.130

TS-B:

  1. Ariel Agüero (Nissan 350z) 59.961
  2. Oscar Fernandez (BMW Z4) 1:03.161
  3. Oscar Fernandez (Mercedes SLK) 1:06.723

TS-A:

  1. Eduardo de Puerto (Toyota Celica Sports M) 1:01.150
  2. Eduardo Adorno (Honda CRX SIR) 1:02.459
  3. Oscar Torales (Toyota Runx Z) 1:03.719

No proximo post finalmente a instalação do turbo!!! Até mais pessoal!!!

Matérias relacionadas

A história do meu Fiat 147 “Racing” Turbo, o Project Cars #169

Leonardo Contesini

Project Cars #289: iniciando a restauração do meu Ford Escort XR3 1985

Leonardo Contesini

Project Cars #120: como transformar um Citroën C4 hatch comum em um VTS apimentado

Leonardo Contesini