FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #134

Project Cars #134: conheça a história de Natasha, o Lada Samara de Ricardo Pires

Olá, pessoal. Meu nome é Ricardo tenho 32 anos e sou de São Paulo.Sempre gostei de carros e lembro da época em que meu avô tinha sua coleção da 4 Rodas e eu adorava passar os finais de semana devorando as edições, sempre querendo saber as novidades dos carros na época.

Meu primeiro contato com um Lada aconteceu aos 19 anos, minha irmã namorava um cara que tinha um Laika branco e de vez em quando pegava carona com eles, curtindo a suspensão macia do carro, além de dar umas voltas com ele.

Nessa época eu já tinha carro — um Fiorino furgão, pois trabalhava numa transportadora — mas sempre quis ter um segundo carro, e como a grana que entrava não dava pra comprar um novo, eu olhava pro Laika como uma alternativa, afinal eu já o conhecia. Lembro de ter comentado essa opção com meu pai e ele riu da minha cara, falando que Lada não era carro e blá blá blá.

O tempo passou, fui trocando de carro até que tive a oportunidade de comprar mais um carro. Nessa época eu já estava trabalhando na empresa de peças automotivas que montei, a RR Auto Parts, e foi através dela que comprei um picape Fiat 147 (que está na funilaria até hoje) e com a ajuda da loja resolvi comprar um Alfa Romeo 2300 1975 (que está comigo desde 2011) e que estou mexendo aos poucos, além de um Renault 21 sedã e um Tempra SW. Sim, eu gosto de carros diferentes e raros!

Em um dos fóruns de carro que acesso, alguém comentou que nunca viu um Samara modificado no Brasil. Isso soou como um desafio pra mim. Lembro de ficar pensando nisso, mas só conseguia imaginar o Samara original, e eu não curtia ele até achar um Samara no Stancenation que me fez a cabeça. Foi quando eu decidi: vou ter um Samara!

Foto3

Foto2 Foto1

Comecei a procurar esse carro nos principais sites de classificados do Brasil. Encontrei alguns muito bem conservados, impecáveis, mas os preços não condiziam com o meu bolso, e quando achava algo no valor “interessante”, era quatro portas (eu queria um duas portas) ou sucatas e abandonados. A procura foi ficando mais difícil e comecei até a procurar em anúncios antigos. Por sorte achei um de janeiro de 2012 ! Era um Samara vermelho duas portas, nas fotos ele parecia original, sem gambiarras como retrovisores de Gol, e embora estivesse um pouco caro resolvi mandar um e-mail — afinal quem procura um Lada Samara?

Depois de três dias recebi a resposta:  “Ainda estou com o carro, se tiver interesse, me ligue“. Liguei e fiz as perguntas básicas e do jeito que foram respondidas, fiquei meio receoso, mas fui ver o carro assim mesmo. Por sorte não era longe da minha casa e fui com o meu amigo Marcelo no sábado à tarde.

Fotos do anuncio

Fotos do anúncio

Quando vi o carro as únicas coisas que eram iguais às fotos eram as rodas e placa, porque a pintura…

Foto7

Fiquei desanimado, mas aí o vendedor ligou o carro e me convidou para uma volta. É claro que eu fui. Foi somente uma volta no quarteirão, mas fiquei animado mesmo com carro diferente das fotos. Devolvi as chaves, avisei que iria pensar a respeito e fomos embora. Naquela noite mal dormi, já pensando no projeto do carro. Passados três ou quatro dias mandei um email pro vendedor, pechinchei e chegamos a um valor em comum acordo.

Pronto. Sonho realizado.

Trata-se de um Lada Samara 1300S 1990/1991 com 176.00 km e  apelidado de Natasha. Ele estava com o livreto de manutenção, no qual consta a última revisão aos 80.000km em 1995!

foto10

Após a compra, fui vendo os problemas do carro e os resolvendo aos poucos. Ele tinha algumas gambiarras, a pintura estava em péssimo estado e o acabamento interno fazia uma barulheira que parecia escola de samba.

Com a ajuda dos amigos Marcelo, Roberto e Rubens o carro foi tomando forma e os inúmeros detalhes foram sendo resolvidos e então resolvi atacar a mecânica.

Encontrei uma loja que tinha adquirido um antigo estoque da Bomer, uma concessionária Lada conhecida no ABC paulista, e comprei diversas pecas para o carro, da suspensão a detalhes internos e externos. Tudo original.

Nesse meio tempo acabei comprando mais dois Samara parados para utilizar as peças e ter um estoque sobressalente caso algo dê problema. Nesse caminho conheci um cara que conhece muito de Samara, o André, que me presenteou com um manual de reparo da Lada em português. Apesar da simplicidade do projeto, encontrei algumas coisas mais complexas e consegui resolver com a ajuda dele.

Agora estou adaptando os bancos que foram herdados de um citroen ZX Coupé (os dois carros têm medidas internas semelhantes) e depois ele será levado à funilaria onde será reparado e repintado.

Na parte mecânica, irei usar o motor 1500S que veio em um dos Samara que comprei para fazer a mesma preparação que era utilizada nos Samara de rali. Até entrei em contato com um preparador de motores Lada na Hungria, que vai me mandar  algumas peças de performance.

foto9

Por causa da Natasha acabei conhecendo novos amigos que apreciam a marca russa e sempre quiseram ter um carrinho guerreiro, de mecânica simples e hoje raro de se ver nas ruas.

Claro, minha história não acaba aqui. Nos próximos posts contarei detalhes da preparação. Até lá!

 

Por Ricardo Pires, Project Cars #134

0pcdisclaimer2

Matérias relacionadas

Project Cars #134 – no Brasil, é o Lada Samara que restaura você

Leonardo Contesini

Project Cars #322: como rebaixei o teto do meu Volksrod

Leonardo Contesini

Project Cars #146: uma oficina em casa para montar meu Mitsubishi Eclipse do meu jeito

Leonardo Contesini