A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #188

Project Cars #188: os acertos finais do meu Chevrolet Calibra 1995 “all stock”

Bons amigos esta é minha ultima publicação. Desta vez vou falar sobre a estética do carro — já que a parte mecânica já está toda em ordem —, e também sobre meus planos de upgrades para o Calibra, além de um roteiro de viagem já determinado.

Antes de tudo, gostaria de falar do Kadett que comentei no último post. Acabei tendo que trocá-lo por um carro quatro-portas, já que a família cresceu. Achei um Astra F um pouco descaracterizado da originalidade porém muito bom para o dia-a-dia. Será que eu curto os carros da Opel?

Agora sim, voltando ao Calibra, uma coisa que me deixava muito estressado era a pintura, pois ela parecia um branco encardido e olhando bem de perto parecia mesmo que a pintura estava encardida. Então fui atrás de uma solução e, depois de muito pesquisar, achei um produto da Meguiar’s chamado Ultimate Compound. Foi o que removeu toda a sujeira da pintura e eliminou vários riscos decorrentes dos anos que foi castigado por limpezas impróprias. Depois de passar horas removendo os poluentes da pintura, o Calibra ficou branco e brilhante parecia zero km.

PiMGeYAnUVrgECm-0pNiGG6hRf-vSVVbHPk9Lq_0iPc QU89BOnPoIKkOYaxx4Fgb8YiYd378Tu4Hf6QhALIGC8 Xd0u_q59i76tOdyN1NSxRepbW4uiBA82pLXlkqb5uXo

Hora de cuidar dos tecidos dos bancos e forros de portas, desde o inicio eu sempre quis um Calibra  com o interior em tecido, os Calibras com interior de couro infelizmente não são originais da Alemanha. Limpar tecido é um pouco mais fácil do que limpar a pintura, comprei um kit de limpeza Shutt Radiex, fácil aplicação um spray de espuma aplica sobre o tecido, com uma escova macia, se escova onde foi aplicada a espuma e em seguida utiliza uma flanela umedecida pra finalizar a limpeza, e pronto bancos quase novos.

fOW3eL5wNEtkGFiTAYS2IkDveU67Ks3_Coj5cEPpoXo

A antena do teto foi trocada por uma mais nova e menor ficou esteticamente melhor, pois as antenas de teto da década de noventa tinham quase um metro de comprimento.

Um item muito raro e difícil de encontrar são as capas da luz da placa do Calibra, pois são exclusivas do carro, procurei por horas na frente do computador e nada, até que um dia um camarada do Japão que tem um Calibra postou uma foto com as capas da luz da placa, novas na caixa e tudo. Não esperei um minuto, entrei em contato com ele descobri que eram importadas do Reino Unido. Fiz a encomenda de dois pares. Resolvido? Errado. Quando me enviaram o código de rastreamento vi que as minhas peças estavam indo para a Rússia… Entrei em contato com o vendedor que se prontificou a resolver o problema. Depois de quarenta dias chegaram as minhas tão desejadas capas da luz da placa novinhas. Meus amigos de Calibra aqui no Brasil viram e me pediram pra encomendar para eles também. No total foram mais de dez pedidos e tudo chegou perfeitamente.

Hora de dar uma atenção para o C20XE. Primeiramente troquei o filtro de ar do motor que é de papel, por um de fluxo de ar maior da marca Simota. Como vocês já sabem o motor é da Opel assim como o carro, mas quando foi importado pela Chevrolet do Brasil, os emblemas traseiros, frontal, logo do volante, e  tampa L do cabeçote, foram substituídos pelos da Chevrolet, que eram substituídos na fábrica da Opel em Rüsselsheim.

O que sempre me chamou muita atenção no C20XE eram as siglas SFI e a tampa dos cabos de vela em L com a descrição Opel, ambos itens em vermelho, mas essa tampa é outra peça difícil de encontrar a venda, mesmo que seja na Alemanha pois muitos anúncios no Ebay não enviam pro Brasil.  Então resolvi que eu iria fazer uma réplica da tampa L da Opel.

Fui atrás de uma tampa L da Chevrolet que eu iria pintar de vermelho e depois adesivar a descrição OPEL DOHC 16V. Com a tampa da Chevrolet em mãos, era só mandar fazer a cópia, mas nesse meio tempo encontrei um anúncio da tampa original e, melhor ainda, que enviava para o Brasil. Como a peça é de ferro o valor final com taxa alfandegária fez ela parecer de ouro maciço. Mas tudo bem: peça em mãos, só falta restaurar para deixar nova.

y1Fc1c07I9BcYFJMGlkF0gj-pXVOBm2JkVNcTjbI68E

Eu já tinha comprado uma tampa do bocal de óleo do motor original Chevrolet amarela. A tampa amarela com o L preto fica ok, muito bonito. Mas o L da Opel é vermelho, e não combinou com a tampa amarela perdida ali no meio. Assim parti para mais uma busca: a tampa do bocal de óleo preta com descrição em alemão. Essa foi mais fácil de encontrar pois ela é uma peça padrão em quase todos os carros da Opel na década de 1990.

unnamed

O C20XE tem três reservatórios de plástico quase transparentes: o reservatório da água do radiador, reservatório da água do pára-brisas e o reservatório do fluido de freio, já encontrei dois reservatórios, agora só falta o reservatório da água do pára-brisas, assim que tiver os três, substituo eles ao mesmo tempo. Também comprei um rolamento guia da correia dentada de 67,2mm que é exclusivo do C20XE.

GU1fyJzmuzDUGB2NrDzIIGGuLMbOkx1F91NyOe2oK7M

Uma coisa que sempre gostei nos carros Opel/Chevrolet da década de noventa era a chave com a luz de cortesia. Chave do meu estava com a lâmpada quebrada e com a bateria sem carga, então fui até uma relojoaria procurar uma bateria parecida com a original e tinha só uma que era parecida, peguei essa mesma e fui ate uma loja de acessórios automotivos, o mesmo local que instalou o sistema de som no meu Calibra, daí troquei a lâmpada por um LED, e funcionou perfeitamente.

zXinh1zPxiiTqBw_rYrzVYjutR24VCUGE95U0gnwhdg

Agora vou descrever os meus próximos planos pro Calibra:

Com o carro bonito e confiável mecanicamente pretendo fazer uma viagem pelo sul. O roteiro sai de Canela/RS vai até a Serra do Rio do Rastro/SC,  depois Orleans/SC no pé da serra onde passarei a noite. No outro dia vou em direção a Florianópolis/SC passar uns dias e depois faço o trajeto contrário. São 520 km só no roteiro de ida.

Também planejo algumas modificações e substituições de peças:

Silencioso intermediário e abafador final de aço inox (comprado)

Substituir todas as mangueiras do sistema arrefecimento, por mangueiras de silicone da Roose MotorSport.

Kit amortecedores e molas Bilstein ou Koni.

Farol com projetores modernos e mais eficientes e lanterna traseira de led.

Bancos dianteiros Sparco R333, pois não gostaria de danificar o tecido dos bancos originais e também por achar esse modelo muito parecido com alinha atual da Opel OPC.

RKdmd0t3wuH3ut2EEt9IqNcebcdMWEcSm9OEd_PDvpg

Rodas aro 17 modelo TSW Alpine, pois se trata de uma roda muito parecida com o desenho da roda original do Calibra.

Moldura entre o painel e o pára-brisa, que em modelos como Calibra/Vectra/Omega essa peça resseca e começa a trincar e rachar, mas já tem no mercado essa peça feita de fibra de vidro e idêntica a peça original.

Kit embreagem e volante do motor da Displatec.

Martelinho de ouro para tirar algumas marcas da idade.

Um sensor MAF, ainda se encontra novo na Europa porém a Bosch já não fabrica esse sensor há anos.

Chego ao fim da minha jornada aqui com vocês. Se tudo correr conforme o planejado quem sabe não apareço de novo por aqui…

FlatOut 2015-04-14 às 14.44.50

E por último, fica a dica:

“Nós entusiastas, devemos alimentar nosso ego com aquilo que admiramos”.

Por Mateus Berti, Project Cars #188

0pcdisclaimer2

 

 

Uma mensagem do FlatOut

Mateus, é sempre muito legal ver um novo clássico sendo devolvido à sua boa e velha forma e, principalmente, sendo bem cuidado. Agora que ele está 100% confiável torcemos para que ele te dê muitas horas de diversão ao volante e que continue sempre assim, em toda a sua glória noventista. Parabéns pela conclusão!

Matérias relacionadas

Project Cars #99 – a história do F-SAE da Unicamp E-Racing que conquistou os EUA

Leonardo Contesini

Project Cars #137: preparando o Lancer Sportback Ralliart para andar (mais) forte

Leonardo Contesini

A restauração do motor do meu Fiat Uno Turbo 1995, o Project Cars #171

Leonardo Contesini