A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #201

Project Cars #201: meu Golf GTI está de volta à vida

Vamos ao tópico final do meu GTI, após eu contar um pouco da minha história e como foi a descoberta e a compra no post 1 e de contar sobre a mudança de cor, e a retífica completa do motor no post 2, vamos agora ao que interessa.

Continuando a saga, após levar o carro pra casa e esperar ansiosamente a ligação do estofador para terminar de montar o carro, instalei mais algumas peças que tinha guardadas pro golf.

Foto 1

Pod New South + Relógios de pressão e hallmeter na coluna

Foto 2

Rodas Speedline Santa Monica 17”

Após isso voltei a mexer no teto solar, para regular pela última vez antes de receber a forração, para não ter incômodos futuros.

Foto 3

Após cinco dias, recebi a ligação do estofador e lá deixei o Golf para sua montagem. Mais uns 10 dias para receber ele em definitivo, agonia total, e sempre que possível eu dava uma passada lá para ver o trabalho sendo realizado. A cada ida a ansiedade aumentava.

Foto 4 Foto 5

Serviços feitos no carro, troca da forração do teto e das colunas, desmontagem total para limpeza, troca dos feltros, recuperação dos forros de portas (em Golf, é normal ter barulho interno, porem isso é algo que me incomoda profundamente, sendo assim melhoramos em 90% o barulho reformando forração de porta, isolando melhor a fiação interna e trocando todas as travas e etc), única coisa que não pude resolver ainda é a troca do couro dos bancos, que estão bem danificados, resultado de um ex-dono “cuidadoso”.

Depois de retirar o carro de lá, comecei a usar ele diariamente, indo ao trabalho, saindo para passeios finais de semana, e o Golf demonstrou ser um carro bem dinâmico, econômico no dia a dia e esportivo nas horas que precisa ser!

Foto 6

Primeiro dia depois da montagem

Foto 7 Foto 8

Logo após a montagem do carro, vamos a algumas modificações, primeira coisa feita foi a instalação do escapamento Catback da Zello Sports de 2.5”

Foto 10

Após isso, a decepção de ver uma van dos Correios dar a ré e encostar na frente do meu carro, trincando toda a tinta do meu já castigado para-choque. Me vi obrigado a repintá-los, ou melhor… achei um par de para-choques americanos. Para quem não sabe, nos EUA o Golf tem os para-choques mais largos e maiores, além de possuir um pisca/luz de posição no borrachão dianteiro (similar ao do Bora mk4 vendido no Brasil entre 2000 e 2005), e espaço para placa traseira menor. Assim ele ficou parado por mais uma semana.

Ao mesmo tempo, troquei as rodas Santa Mônica 17” por um jogo de GSW 18”.

Foto 11 Foto 12

Seguindo a linha americana, comprei um acessório bem difícil de ver aqui no Brasil, algo que só saiu nos VR6 2003, que é a lateral do porta malas, onde se acopla o triângulo, chave de roda e módulo de som original.

Foto 13

Nesta foto abaixo, dá pra se ter uma noção da diferença da placa que usamos aqui no Brasil para o modelo americano.

Foto 14

Aproveitei e coloquei também um par de farol original de Vr6, com milhas e mascara negra original, fazendo assim o complemento do conjunto dianteiro do carro, que deu um aspecto novo e muito maior facilidade ao dirigir a noite, pois o golf não considero o campeão em iluminação, mais com faróis pararelos era difícil.

Comprei também um par de lanternas do R32, que são raras no brasil, só pra diferenciar, pois ainda tinhas as originais guardadas.

Foto 15

Enfim, “carro pronto” (a gente sempre pensa que acabou mais nunca acaba não é mesmo?)

Na semana seguinte, fui convidado a deixar meu carro em exposição para uma loja de suspensões, a qual os donos são meus amigos há anos, então, por que não? O encontro, é o maior da América Latina, reúne mais de 1.000 aircooled de todo o país e até da Argentina e Paraguai. Ao comentar com um amigo do convite, ele me ofereceu seu jogo de rodas emprestado, São as Manhattan da VW Touareg. Topei na hora, pois a roda é extremamente linda — e, vou dizer: foi difícil retirar elas do Golf!

Foto 17

As Manhattan são de 18 polegadas com tala 8 e offset 63. A furação é 5×130 (Porsche)

Como ele usava as rodas em um Polo, peguei emprestado também os adaptadores de 18mm que serviram como uma luva no carro.

Foto 18 (1) Foto 19

Após o encontro, fui visitar minha mãe que mora no litoral, aproveitei para tirar algumas fotos do carro!

Foto 20 Foto 21

Voltando pra casa, senti que o que faltava no Golf era melhorar o anti-lag provocado pela turbina nas trocas de marcha. Sendo assim comecei a reunir informações para descobrir o que fazer para melhorar este problema crônico de GTI. Durante duas semanas de conversas e pesquisas com pessoas que estão no meio a tempo, arrematei um CAI da marca Phoenix, e um inlet pipe da marca Samco, ambas importadas do EUA.

Foto 22

O inlet pipe é nada mais nada menos que o cano que liga o rotor da turbina até a caixa de filtro, que eu subistitui pelo CAI, ele é ligado no inlet, e vai até abaixo da buzina, na grade inferior do parachoque, sendo assim fica isolado do calor do motor e capta maior massa de ar e mais fria, resultando em rápidas retomadas.

Foto 24 Foto 25

Passado alguns meses resolvi trocar a cor das rodas para preto, e o resultado ficou muito bom!

Foto 26

O próximo passo, era levá-lo ao track day, que acontece no Autodromo Internacional de Curitiba (AIC). Porém o destino me resolveu pregar uma peça.

Como alguns aqui sabem, meu carro estava anunciado, pois estou noivo e comecei a construir minha casa, como nada cai do céu, anunciei o carro e continuei curtindo ele ao máximo, era uma sexta-feira, tinha acabado de chegar em casa quando recebo uma mensagem, perguntando se eu ainda tinha o carro e marquei  para mostrar o carro no domingo, pois o interessado vinha do oeste do Paraná (uns 500km de distância). Iria ver o carro no domingo (dia do trackday) e se tudo estivesse certo levaria o carro na segunda. Bem, o fato ocorreu e eu vendi o carro, apesar de ter ficado com ele pouco tempo, levo na bagagem não só o prazer de ter dado a vida a um carro a beira do ferro velho, mais as amizades conquistadas ao longo do caminho!

Foto 27

Enfim, o carro se foi! Mais minha vontade de ir para um track day não, como resolver o problema? Simples.

Foto 28

Como o AIC está com os dias contatos (segundo algumas fontes)

Decidi ir com o carro da empresa mesmo, um Uno 1.0 Motor FIASA, isso mesmo: apenas 52cv e um bico de injeção! E vou contar, deu pra me divertir bastante — fiz mais de 50 voltas, só parando após uma junta de cabeçote estourada.

Após ter aberto mão da minha Parati GLS turbo, pra construir o GTI, abrir mão dele para construir minha casa não foi tão ruim assim, mais deixou saudades apesar de todos os problemas que resolvi nele, espero que o atual dono dele cuide bem como eu cuidei.

Bom esse foi meu Project Cars! Espero poder construir outro em um futuro próximo.

Larguei tudo e me dediquei 24h para carros, saí de um confortável emprego de vendedor o qual trabalhei oito anos na mesma empresa, e estou trabalhando de mecânico, aprendendo e buscando conhecimento! Espero montar um carro 100% com meu esforço para brincar tanto em arrancadas como em pistas no Brasil afora!

Por Rafael Nazário, Project Cars #201

0pcdisclaimer2

 

Uma mensagem do FlatOut

Rafael, parabéns pela personalização de primeira. Com certeza é um carro digno de exposição, como o encontro de aircooleds e foi bacana também ter dado um toque de preparação no motor. Uma pena não ter ficado com ele depois de tanta dedicacão, mas pelo que vemos é uma boa causa. Boa sorte nessa próxima empreitada!

Matérias relacionadas

Project Cars #29 – problemas com o funileiro e novas rodas Magnum para um Dodge Charger R/T 1975

Leonardo Contesini

MTEC – A história da Marea Weekend Turbo de Diego Louro

Juliano Barata

Project Cars #384: começa a preparação do meu Mitsubishi Eclipse GS-T

Leonardo Contesini