A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #213

Project Cars #213: a história do meu Citroën C4 VTR preparado e personalizado

Fala, rapaziada! Eu sou o Rafael, tenho “23 para 25 anos” de idade, sou formando em Administração e sou morador da capital federal, Brasília. Assumi o Project Cars com o intuito de ajudar e até mesmo desmitificar um pouco o preconceito que as pessoas tem com carros franceses, contando como foi a escolha, a compra e a preparação do meu Citroën C4 VTR. Vamos nessa?

Minha história com carros modificados começou a muito tempo atrás, ainda no ensino fundamental, quando desenhava carros modificados e tomei gosto pelas quatro rodas. Quando eu tinha 15 anos, de molecagem, aprendi a dirigir com dois primos meus, foram aulas rápidas de como sair com o carro e depois disso, minha vida nunca mais foi a mesma, desde então para aterrorizar o sono dos meus pais, eu lavava o carro durante o dia e de madrugada pegava a chave reserva para simplesmente andar atoa por ai.

Quando completei 18 anos, tive um novo objetivo na minha vida, pagar a minha carteira, eu trabalho na empresa dos meus pais, um Cursinho preparatório para vestibular, ENEM e Escolas Militares. Porém, aos 18 anos, meu salário era R$400 e a CNH custava quase R$1.000. Depois de meses juntando dinheiro, finalmente consegui pagar a minha carteira. Mas… cadê o carro?

Em 2010 com um aumento de salário, economias e ajuda dos meus pais, consegui comprar meu primeiro carro: um Peugeot 206 1.4, uma maravilha de carrinho, pelo qual morro de amores até hoje. Passados 2 anos, tive a ideia de trocar de carro, e parti para um Peugeot 307 2.0 Feline Flex e MANUAL! Um canhão, muito confortável, tecnológico e estável, inclusive foi com ele que tive meu primeiro contato com Track Days.

206 e 307

Em 2014 consegui achar um carro que sempre admirei, o C4 VTR. O meu primeiro contato com esse carro foi em 2006, quando ele era recém lançado e fui com meu pai à Citroën realizar um test-drive. Desde então meu coração bate forte quando lembro desse carro. Mesmo após tantos anos, ele ainda se mantém atual em visual e tecnológico, coisa que muito dificilmente carros de até R$ 100.000 entregam. O meu propósito era a esportividade, por mais que seja um carro “comum”, o seu desempenho e tecnologia me agradavam: são 1.279 kg e 143 cv com 21 mkgf de torque, e 0 a 100km/h em 9,2s. Algo que já estava de bom tamanho para mim.

Então, seria esse carro. Comecei a procurar pois no Brasil existem apenas 3.000 unidades. Foram meses de procurando um VTR em bom estado, com mecânica em dia e baixa quilometragem. Até que encontrei um exemplar em perfeito estado, ano 2007/08, 60.000 km rodados, pintura impecável, todas as revisões na concessionária e o interior tão novo quanto zero km. A oportunidade perfeita bateu a porta e eu não pude recusar.

Original 3 em casa

Original 1

Original 2

Logo que comprei o carro já fui modificando, lâmpadas super brancas, xênonio, retirada dos letreiros, pintura do logotipo Citroën e teto black piano vieram no mesmo dia em que peguei o carro. Porém, foi logo após a vistoria no Detran que as modificações mais profundas começaram. Vieram um novo escapamento completo, intake, suspensão completa, novas rodas, chip e algumas outras coisas vocês irão conferir no próximo post do meu Project Cars. Abraços e até lá!

Por Rafael Tavares, Project Cars #213

0pcdisclaimer2

Matérias relacionadas

Project Cars #112: escolhendo o novo motor para meu Monza S/R – C20XE, 2.2 16v ou V6 ?

Leonardo Contesini

Project Cars #112: hora de cuidar dos freios do meu Monza S/R

Leonardo Contesini

Uma surpresa na construção do Escort Mk4 de corrida

Leonardo Contesini