A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #22

Project Cars #22 – um novo motor e mais torque no Opala SS V8 de Marcos Camillo

Fala, galera! Vamos falar de motor? Alguns de vocês devem recordar que no post anterior do meu Opala eu comentei sobre um V8 305 e no entanto meu projeto é um 383. Como isso aconteceu? É o que vocês descobrirão hoje.

Na ocasião que fui convencido pelo Rafael Bisso a montar o SS com motor V8, peguei com ele o contato de um cidadão que tinha vários motores V8 Chevy parciais ou montados. O que cabia no meu bolso no momento era um 305 parcial, veio bloco, virabrequim, bielas, cárter, cabeçotes, distribuidor pra motor injetado (pela pesquisa que fiz esse motor era usado em alguma caminhonete), tampas de válvulas e mais algumas miudezas.

Fiz algumas coisas nesse motor, mandei retificar o bloco e dar um talento no virabrequim e comprei várias peças pra ele: anéis, pistões novos, varetas de válvula, selos de motor,  bronzinas (biela e mancal). Esse 305 em específico era ano 87, 2-bolt.

Bloco v8 305

Aqui está o Opala do Rafael montado com um V8 305, detalhe interessante é que ele está usando câmbio “clec clec” e diferencial Dana original do Opala que cilindros.

 
Depois de algum tempo acabou surgindo um bloco de V8 350 por um preço muito convidativo e de um vendedor já conhecido no meio, então resolvi vender o 305 e pegar o 350, afinal, teria mais torque e um bloco 4-bolt (4 parafusos por mancal).

Na mesma pegada já ajeitei para comprar um câmbio de Dodge quatro marchas da Recuperg – uma empresa brasileira especializada em câmbios – e um diferencial de Maverick de relação 3:54 com freios à disco e já adaptados para Opala.

Foi aí que começaram os problemas. O vendedor enrolou até o último para entregar o bloco e quando entregou constatamos que o bloco estava inutilizável. Depois de três meses e muita briga consegui reaver parte do dinheiro e que o vendedor entregasse o câmbio diretamente para o mecânico que avaliaria o estado da peça. Ganhei alguns fios de cabelo brancos, mas o problema foi resolvido. Ao menos em partes, pois eu acabei sem um motor.

 

Um novo projeto

Esse Opala já é conhecido aqui do FlatOut — ele pertenceu ao amigo Ramon, que decidiu desmontar o motor e vender o Opala em nome de outro projeto. Nessa brincadeira acabei comprando o bloco e escape completo com coletor.

como o motor vai ficar

Por que não comprei mais coisas? Porque o Opala do Ramon era a álcool, usava peças forjadas e nitro, uma proposta diferente do meu carro que será usado 100% na rua. Então foi daí que surgiu a configuração “final” do meu projeto: bloco 4-bolt, motor 383 que nada mais é que um 350 stroker (com deslocamento aumentado) — ou seja: mais torque, que ainda que é o que me interessa – os números de potência final não me interessam muito.

dimensionado

 

O que mais?

Agora que já tenho um deslocamento generoso – “There’s no replacement for displacement” – vamos ao que mais importa: leveza.

Faço questão de o carro ser o mais leve possível, afinal, essa é a forma mais fácil de obter desempenho. Tratei de comprar um coletor de admissão em alumínio da Weiand, e a cereja do bolo serão os cabeçotes de alumínio Chevy Performance – os mesmos usados na Stock Car V8.

coletor weiand

Também pretendo comprar um radiador de alumínio e já tenho um carburador Quick Fuel 600 cfm com 2° estágio mecânico esperando pra ir pro carro. Os mais entendidos perceberam que não há nada de extremo na configuração do motor.

carburador

Ocomando também vai ser “light”: um hidráulico (a ser escolhido) que seja bem street, com leve embaralhada — nada de carro chato de andar no trânsito. Uma ou outra coisa podem (e provavelmente vão) mudar no decorrer do projeto, mas a essência pro motor é exatamente essa: torque generoso, maior leveza possível e ser bom de andar no trânsito.

Esse post foi um pouco mais técnico, no próximo vou abordar toda a parte estética que planejei e o que já fiz no carro (e essa parte felizmente está bem mais adiantada do que o motor). Nos vemos na próxima.

Por Marcos Camillo, Project Cars #22

0pcdisclaimer2

Matérias relacionadas

Um Escort RS para curtir os track days – a história do Project Cars #178

Leonardo Contesini

Dodge Charger R/T 1975: a realização do sonho de infância de Irineu Siqueira

Juliano Barata

Project Cars #244: a história do meu Chevette Hatch 1980 preparado para as pistas

Leonardo Contesini