A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Project Cars

Project Cars #266: o fim da preparação do Fiat 500 Abarth – e os resultados na pista!

Olá, pessoal! Desculpem a demora mas aconteceram imprevistos. Primeiro, não consegui participar do Track day de novembro pois estava viajando, acabei testando os upgrades somente no trackday de dezembro.

Tivemos chuva nesse dia mas como parou só à tarde, não deu tempo de secar a pista. Acabei correndo com o controle de tração totalmente ligado e não consegui baixar meu melhor tempo, vejam os vídeos:

Durante este dia percebi que a suspensão estava fazendo barulho e o freio também… As pastilhas acabaram e o batente do amortecedor também. Como o carro está na garantia levei no começo do ano para a concessionária, mas como as peças (batente e coxim) só chegaram no final de fevereiro, acabei andando no trackday de janeiro com a suspensão original (sem molas, barras anti-torção, parafuso de cambagem e espaçadores) e com um jogo de pastilha de freio original. Resultado, não consegui baixar o tempo de novo:

Mesmo assim, acredito ter sido um bom resultado, já que o carro estava quase original e corri com o controle de tração parcialmente ligado. O único problema é que em virtude do freio estar com fluido 5.1 e aeroquips, eles não fadigaram no pedal mas esquentaram demais as pastilhas por serem originais e não para altas temperaturas, e os discos acabaram totalmente trincados.

Aproveitei e comprei pastilhas Hawk 5.0 e novos discos de freio. Já que o carro não iria correr no Track day de Fevereiro, coloquei ele no elevador de um amigo meu e troquei o intercooler original por um frontal, brinquedinho que comprei no começo do ano e estava esperando uma oportunidade para trocar. Também troquei o filtro de ar por um mais eficiente e com caixa cilíndrica de fibra de carbono.

 

Revisei também todas as mangueiras da pressurização, colocando de silicone aonde ainda não era juntamente com braçadeiras de inox. Esse setup garantiu uma diminuição de 20% na temperatura do ar que chega no intake, medidos pela OBD.

Shift Light

shifti_cgar

Depois de muito tempo criando teia em casa resolvi instalar a shift light Shift-i da Ecliptech, que comprei quase um ano atrás. Agora espero que facilite as trocas de marchas sem deixar cortar o giro.

 

Downpipe

IMG_3151

Esta foi uma decisão difícil. Sabia que a retirada do catalisador iria aumentar a potência mas também o barulho, mas resolvi dar andamento à esse upgrade e comprei um Downpipe sem catalisador da marca MPX, feito nos EUA, especificamente para o 500 Abarth, e junto um kit para não ter avisos de erro no painel.

IMG_3298

Deixei a instalação nas mãos da Escapepar, que colocou um ressonador no intermediário, evitando que o barulho incomodasse em altas rotações e reduzindo um pouco o ruído em baixa. Ouçam o som do escape sem o ressonador:

Na pista com o abafador:

 

Resultados

Coloquei o carrinho à prova no trackday do dia 27/03/2016 e como sempre imprevistos aconteceram…

O freio ficou borrachudo logo nas primeiras voltas e com isso tive que dar voltas de resfriamento e mesmo assim só conseguia frear na placa de 150m na reta principal e na de 100m na reta oposta. Com as EBC Red Stuff estava freando em 50m nas duas retas. Hipóteses: a pastilha de freio não assentou 100%; fiz três trocas de pastilhas e o fluído não foi mexido, talvez tenha que sangrar e colocar um novo, afinal foram uns cinco trackdays com ele; a pastilha não ser boa para trackdays; faltou ventilação no freio. Para o próximo vou trocar o fluido e improvisar uma ventilação aproveitando as laterais onde ficavam os intercoolers.

Mesmo assim, com o controle de tração no modo parcial consegui abaixar o melhor tempo do ano passado, no vídeo deu 1:47.04, mas consegui fazer 1:46.29 (não filmei), mais de um segundo de diferença.

Ou seja, cheguei no meu objetivo inicial de 1:46 e sei que se for mais agressivo, desligar o controle de tração e arrumar os freios, consigo abaixar mais um pouquinho, e aí que está a graça de correr na pista, a superação constante!

unnamed-1

Após montar o sistema de ventilação dos freios, consegui no trackday do dia 07/05/2016 andar mais de 15 voltas sem sinal de fadiga. Aproveitei também e melhorei a refrigeração do radiador, retirando um defletor de plástico que fica junto à parede corta-fogo e impedia que o ar quente saísse do cofre. Com isso o ar que passa por dentro do cofre saí entre o capô e o parabrisa, consegui com isso abaixar 10º C a temperatura da água do radiador.

unnamed

Pastilhas zeradas! Após dois trackdays…

Agora a melhor parte: com o penúltimo trackday e mais alguns quilômetros de estrada parece que a ECU “aprendeu” as modificações recentes (intercooler e downpipe) e o carro melhorou muito seu tempo em pista: 1:45.25.

Segundo o Dash Command, que lê as informações da OBD e consegue através das medidas do carro (peso, cx aerodinâmico, relação de marchas) fazer uma medição de potência, a potência saltou de 200cv na roda para 230cv, que era o esperado só pela retirada do catalisador. E a melhor volta virtual segundo o Harry´s Lap Timer, foi de 1:44.68, então ainda consigo dar uma melhorada, veremos no próximo trackday!

Espero que tenham gostado das postagens e para novos vídeos de track days acompanhem meu canal no Youtube.

Obrigado!

Por Hildevar Munin, Project Cars #266

0pcdisclaimer2

Uma mensagem do FlatOut!

Hildevar, parabéns pela conclusão do projeto — e pelos resultados obtidos na pista. Seu Project Car mostrou que, mesmo com um carro bem acertado de fábrica, ainda há espaço para pequenos refinamentos na preparação para extrair ainda mais desempenho na pista. Tudo muito bem pensado e executado. Parabéns!

Matérias relacionadas

Project Cars #64 – a restauração da fibra e a pintura do meu Puma GTB S2

Leonardo Contesini

Puro metal: a restauração da carroceria do Mustang Mach 1 1969, o Project Cars #131

Leonardo Contesini

Opala SS V8 383 – a história: ponto de desequilíbrio

Juliano Barata