FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #284

Project Cars #284: a construção e as competições do nosso BAJA SAE

Olá, pessoal. Meu nome é Lucas Sodré, mais conhecido como “Grilo”. Neste primeiro texto apresentarei um pouco do SAE BAJA, nosso projeto 2014, o novo projeto 2015/16 e um preview do novo carro.

Sou estudante de Engenharia Mecânica e integrante da equipe SAE BAJA FURG representando a Universidade Federal do Rio Grande (FURG), da cidade de Rio Grande/RS. Cabe a mim a responsabilidade do setor de DFMA (Design for Manufaturing and Assembly – Projeto para Manufatura e Montagem), layout, auxiliar de suspensão e piloto. Porém, estas nomenclaturas e designações não se limitam somente a estes setores. Soldagem, usinagem, montagem, desenho, “martelagem”…. e todos outros processos de criação, produção e execução não são designados a um só membro ou parte específica da equipe, e creio que aqui está o grande “prêmio”: a aquisição e troca de conhecimento, experiência, aprendizado, principalmente quando se trata em trabalho em equipe, gerando assim um profissional (engenheiro) qualificado e com muitas experiências tapadas na graxa e lama em sua bagagem.

Este vídeo feito pela Briggs & Stratton (fornecedora oficial de motores para a categoria), retrata bem o espírito do que é esta competição, a qual os aspirantes a engenheiros juntam suas forças e conhecimento para competir diversas provas designadas, comum protótipo criado/construído por estes grupos levando o nome de suas universidades.

Os protótipos, estas pequenas “gaiolas” dotadas de seu motor estacionário de 10hp e 300 cm³, devem seguir um rigoroso regulamento de especificações, dimensões e principalmente regras de segurança, que fazem muitas categorias do automobilismo ficar com “vergonha”. E quando se trata da avaliação destes pré-requisitos, juízes não deixam nada passar, tornando a prova de segurança uma das mais importantes, pois esta pode tirar a equipe da competição sem que o protótipo não tenha “nem ligado o motor ainda”.

 

O início da equipe

A equipe estava desativada há alguns anos, retomando as atividades em 2012, e voltando a levar um carro para a competição regional Sul em 2013, porém por diversos problemas financeiros, falta de ferramental e inexperiência da equipe, nos deixou de fora da competição. Nestes anos nossa lista de recheck (modificações à serem feitas para a aprovação na prova de segurança) chegou a 34 itens!

Terminamos o carro momentos antes de colocá-lo no caminhão rumo à competição e quando chegamos aos boxes trabalhamos nos acabamentos. Porém, para tristeza geral, ficamos fora da competição, pois nosso freio não travou as quatro rodas. Isto serviu como um grande ensinamento para nosso próximo projeto. Aprendemos que não se pode vender um protótipo criado sem um objetivo, ou que não cumpre o mesmo.

 

BAJA 14 (2014)

11

2014 foi um grande ano. Como dito acima, aprendemos que o protótipo (que deve ser vendido para os juízes) deve possuir um objetivo/meta para atingir um público alvo. Com orçamento novamente apertado e poucos patrocinadores e apoiadores, vendemos rifas e até cachorrão para angariar verba para o projeto.

Reutilizando parte do chassi 2013, reprojetamos e construímos um protótipo Off-Road, cuja meta era possuir baixo custo para Hobby. Com muitas noites viradas, estudo e empenho da equipe, estávamos chegando a competição de 2014 com um carro testado exaustivamente durante horas dentro do campus da universidade.

Chamada para novos membros

DCIM100GOPRODCIM100GOPRODCIM100GOPRODCIM100GOPRO

A alegria no rosto de cada membro da equipe era contagiante, afinal iríamos competir pela primeira vez, e eu teria o privilégio de ser o piloto e guiar um baja que homenageava Ayrton Senna! Isto mesmo, o baja 14 levaria as cores da McLaren MP4/4.

37

Este layout foi criado com intuito de homenagear os 20 anos sem Senna. Para tal, entramos em contato com o Instituto Ayrton Senna, o qual nos liberou o uso da imagem e seus respectivos adesivos. Meio caminho andado, porém a parte mais difícil estava por vir, em um pequeno espaço (carenagens) caracterizar de forma que mesmo com os adesivos obrigatórios e patrocinadores, qualquer pessoa olhe e reconheça, “é o carro do Senna”.

38

39

Uma semana antes da competição, carro pronto, testado, equipe tranquila, era só aguardar, porém exatamente cinco dias antes em uma tarde tranquila na qual se testava a parte elétrica, dois problemas graves assombraram nosso carro. Devido a um erro na montagem do carburador, o mesmo travou aberto, de forma que o piloto de testes não teve nem tempo para reação, não conseguindo evitar a forte pancada em um pilar de concreto que acabou destruindo a balança dianteira esquerda e quase todos seus periféricos, inclusive a roda.

Felizmente em poucos dias e com algumas noites viradas o carro estava pronto para fotos, apresentação para patrocinadores e entrevista para a tv local. Porém, no trágico acidente de alguns dias atrás junto àquele pilar, ficaram alguns ajustes milimétricos e detalhes que nos prejudicariam no futuro.

Já na cidade de Gravataí, mais exatamente nos domínios da empresa DANA, onde ocorre a competição SAE BAJA SUL, lá estávamos com nossos uniformes, que mais lembravam um maço de uma famosa empresa tabagista ao lado de nosso protótipo e recebendo elogios pela iniciativa e caracterização, prontos para as provas que aconteceriam nos 3 dias de competição: apresentação de projeto, segurança, motor, conforto, aceleração, tração, manobrabilidade, S&T (suspension e traction) e, ao fim, o enduro de 3 horas.

A meta da equipe era completar todas as provas, sem preocupação com posição, apenas com conclusão de provas, o que obrigatoriamente nos colocaria entre os 10 primeiros, uma boa colocação levando em conta a dificuldade das provas propostas.

Após a apresentação de projeto, a sensação de dever cumprido tomava conta dos integrantes da equipe e o primeiro dia que foi designado à apresentação de projetos estava concluído.

Cada chefe de setor apresenta para seu respectivo juiz

Sob um sol escaldante o segundo dia e mais corrido de provas estava ocorrendo e passamos tranquilamente pela prova de segurança, tendo apenas alguns detalhes para fazer, dos quais rapidamente foram corrigidos e recebemos nosso adesivo de aprovado.

Na primeira foto, a medição altura da bandeira. Nas demais o teste de saída do piloto — ele deve sair do caro em menos de 5 segundos

Passamos por todas as provas de forma categórica, sendo uma das poucas equipes a passar por todas as provas sem recheck. Porém, nosso motor, por ser um modelo antigo de muitos anos, e sob o forte calor, não funcionou de forma linear. Nosso grande problema foi a perda de nossa geometria da suspensão, o que acarretou na dificuldade de nosso carro completar a prova de manobrabilidade e S&T, sendo que esta ultima apenas duas equipes obtiveram 100% da prova.

59

Domingo, dia do árduo enduro, acordamos e temos a notícia de que estamos em 5º na colocação geral. Estávamos prontos para o enduro, novamente o sol era unanimidade no céu do Rio Grande do Sul e lá estávamos nós alinhados no Grid de largada ao lado de algumas das melhores equipes do Brasil. A prova do enduro não foi fácil para ninguém, em alguns momentos a pista estava vazia, pois os carros que ainda restavam estavam em manutenção (estas ao melhor estilo WRC!!!). Devido a problemas com nosso motor logo na primeira volta, em busca do tempo perdido, acabei capotando, não só uma, mas duas vezes, o que garantiu um show a parte para a platéia. E lembra de quando disse sobre a segurança envolvida nos protótipos? Então, nem um arranhão sofrido, foi só desvirar e seguir. Porém na segunda parte do enduro (após um curto intervalo de reabastecimento) infelizmente nossa manga de eixo não aguentou a prova e acabou decretando o fim do enduro para o Baja 14 antes da bandeira quadriculada.

65

Após o término do enduro ficamos com a 9ª colocação, que para nós foi uma grande vitória, mas serviu para nos mostrar que estávamos no caminho certo.

 

Projeto 2015, novas metas

Com uma nova proposta o projeto até o momento chamado Baja 9, visa ser um veículo de competição off-road de ponta, para usuários profissionais e que exigem um carro de alto nível.

Tendo esta nova meta, um pouco mais de bagagem e muitas horas de leitura, o novo projeto possui uma complexidade superior aos antigos em todos os quesitos, desde novo chassi a peças em fibra de carbono, alumínio aeronáutico, painel lcd no volante,  transmissão por engrenagens (antes coroa, pinhão, correia), para obter uma dinâmica perfeita para a o uso off-road. Junto a este ideal, a nova cor e layout continuarão sendo espelhados em algum carro histórico, e este ano será algo “chocante”. Buscamos uma pintura diferenciada, e realmente será, porém infelizmente não posso revelar neste momento.

O protótipo está em faze de produção e deve estar pronto até outubro, nos próximos textos trataremos tecnicamente sobre os setores de Powertrain, suspensão e direção, elétrica/eletrônica, cálculos estruturais e contaremos alguns segredos preciosos na criação/construção de um veículo de competição.

Espero que gostem do nosso projeto. Caso queiram acompanhar, entrar em contato, apoiar ou patrocinar, confira nossa página no Facebook.

72

Algumas imagens Bônus:

Matérias relacionadas

Ford Ka Turbo: a conclusão do projeto e uma viagem de despedida

Leonardo Contesini

Project Cars #376: comprando e restaurando futuros clássicos nacionais

Leonardo Contesini

Novas rodas e uma nova turbina para meu Citroën DS3, o Project Cars #211

Leonardo Contesini