A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #29

Project Cars #29 – problemas com o funileiro e novas rodas Magnum para um Dodge Charger R/T 1975

Tudo certo, caras? Demorei mais “vortei”. Do primeiro post pra cá, eu fiz a desmontagem total do carro, para iniciar o processo de funilaria e pintura. Neste exato momento estou deveras grilado com o tal do funileiro, arrumei um senhor, altamente recomendado, para fazer a lata e pintura do Charger, e depois do carro no jato-de-areia o cara correu! Disse que esse ano não daria mais tempo e blá, blá, blá, e aquelas histórias todas que a gente já conhece.

E tem mais uma: não foi por dinheiro, pois ele foi o que cobrou mais caro, só aceitei fazer o serviço pagando muito mais por suas credenciais, e ainda assim, ele adiou o início da obra. Não gostei da atitude do sujeito pois disse que pegaria um serviço na frente do meu pois este cliente pagaria 50% adiantado, e eu combinei de pagar 30% no meio do serviço e o restante quando o carro estivesse pronto.

Foto 2

Agora o meu carro está no fundo novamente, esperando que eu consiga arrumar outro funileiro para fazer o serviço ou esperar o ano que vem para que esse outro o faça. Mas querem saber de uma coisa? Agora perdi a confiança nele.

Foto 3

Quanto ao carro em si, eu comprei algumas peças para a montagem, que são:

– Radiador de alumínio

– Jogo de rodas Magnum 500 Americana

– Par de cubos com as medidas da roda americana

– Para-choque dianteiro

– Friso largo caixa de ar do Charger 71

– Quatro faróis

– Laterais do fundo do porta malas AMD originais de restauração Mopar

– Par de flautas do capô também AMD

– Para-choque dianteiro

Foto 13

– Par de grade dianteira

– Algumas borrachas de acabamento

– Pastilhas e reparo da pinça

– Kit de borrachas e batentes

– Sub Frame Conectors, feitos pelo funileiro do Dart Games (valeu, Barata!)

As rodas que vieram nele são as cobiçadas Magnum 500 brasileiras, 14/6 e 15/8 na dianteira e traseira respectivamente.

Foto 4

Você deve estar se perguntado: esse cara é doido para não colocar essas rodas?  Pois não o sou, é que eu gosto muito do modelo americano, e optei por elas no meu projeto. Porém para a sua instalação é necessária a mudança nas furações do cubo, pois a diferença é de dois fios de cabelo e não é possível montá-las sem essa mudança.

Voltando a falar das rodas brasileiras, uma das rodas dianteiras estava com seu aro condenado pois levara uma pancada. Então fui atrás de uma roda de Dodge 14×6 na internet, estava um pouco difícil encontrar essa medida em roda de Dodge, cheguei a comprar uma como se fosse 6 polegadas, porém quando chegou constatei que era uma de 5,5 mesmo.

Foto 5

Comecei então a procurar por qualquer roda 6”. Até que um dia encontrei um anuncio de roda de Opala (aquela “repolho”) 14 x 6 original N.O.S (New Old Stock) — ou seja nova de estoque antigo. “Que beleza”, pensei comigo. No entanto imaginei que seria uma marretada o preço. Quando fui checar o valor, não acreditei: R$ 70,00! Isso mesmo setenta pratas! Comprei na mesma hora.

Quando a roda chegou levei as duas para um torneiro amigo meu que trabalha com rodas, então ele retirou o aro de ambas, e após esse trabalho ele soldou o miolo da Magnum 500 no aro 14 x 6 do Opala. O aro amassado que era do Dodge, soldei com o miolo da roda do Opala para fazer o estepe do meu carro, pois agora com as novas furações para colocar as Magnum americanas, ficaria sem o pneu de socorro, então resolvi esse problema com o miolo GM, pois é a mesma medida de furação.

Foto 6

Como disse no começo do texto, o carro agora está totalmente desmontado e “jateado”, esperando a funilaria, já estou em conversa com outros profissionais, vamos ver o que dá para fazer ainda este ano. Fica uma dica: antes do seu projeto arrume um funileiro bom para o serviço, vai facilitar muito.

Foto 7

Agora um “plus” bem irado na restauração, descobri uma carcaça de um Dodge Gran Sedã em Peixoto de Azevedo (MT), cidade a 200 km da minha. Como eu estava a procura das peças de fixação dos faróis e a frente do Gran Sedã/Cupê é a mesma dos Chargers, neste caso específico mudando apenas as grades dianteiras, Sedã são quadriculadas e do meu Charger possui hastes verticais. O resto é igual e será muito bem aproveitado obrigado.

Foto 8 Foto 9

Fui conferir o “carro” e percebi que possuía a maioria dos frisos e a frente estava intacta, arrematei na hora! Ele estava em uma chácara junto a vários carros abandonados, Landau e Galaxie tinha vários, tinha uma carcaça de Maverick e uma de pick-up 3100, esta ainda possui o painel!

20140806_084247 20140806_084430

Falando nisso as grades do Gran Sedã estão à venda!

Mais uma aquisição significativa foi que eu encontrei dois motores V8 de Dodge, portanto agora tenho três motores V8! Cara…  há um ano eu não tinha nem um motor Tobata! Meu aniversário é dia 31 de agosto, espero estar com ele pintado até o de 2015!

Por Irineu Siqueira Neto, Project Cars #29

0pcdisclaimer2

Matérias relacionadas

Fiat Uno Turbo “Black Box” – a história: poeira e brilho

Juliano Barata

Um Ford Escort XR3 todo original: dicas de manutenção do Project Cars #45

Juliano Barata

Project Cars #241: renovando a cabine da minha Chevrolet D20 1994

Leonardo Contesini