A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #31

Project Cars #31: os primeiros detalhes da preparação do Ford New Fiesta de Luiz Leão

Fala, galera! Estou de volta com meu segundo post e agora é a hora de entrar em detalhes. Vou organizar minhas postagens como uma linha do tempo, citando cronologicamente todas as modificações que fiz, problemas que tive e eventos que participei desde o dia que peguei o carro até hoje. Espero que gostem.

A primeira vez que que vi meu carro foi quando ele estava sendo lavado e preparado para ser entregue. Não pensei duas vezes e já arranquei fora todos os badges, deixando a traseira mais limpa e me livrando imediatamente do “Titanium” gigantesco que veio no porta-malas.

project car-2

Ali olhando para o carro já comecei a matutar o que deveria vir primeiro. Escape? Molas? Intake? Reprogramação? A ansiedade era grande! Ainda nem tinha nem andado com o carro e já estava pensando em maldades. Tirei o carro no dia seguinte. Após duas semanas com o carro minha mente já estava explodindo de ideias e vontades.. Dei início às modificações.

Troquei o silencioso traseiro por um abafador menos conservador e coloquei um filtro de ar da Race Chrome que estava guardado aqui em casa e era usado em um Astra levemente preparado que meu pai tinha. Nada para ganhar potência, mas algo para deixar o carrinho mais gostoso.

project car-2

E foi assim que fui ao meu primeiro trackday com o Fiestinha!

O evento foi no autódromo Ayrton Senna, que fica na cidade de Caruaru em Pernambuco, a 190km da minha casa. Eu não ia andar esse dia, tinha ido somente com meu pai encontrar dois amigos dele que estavam correndo e acertando um porsche GT3RS mas, chegando lá eu não pude deixar a oportunidade passar! Me inscrevi, colei o adesivo do número no carro, capacete na cabeca (que tinha levado com esperancas de andar de Porsche – e andei!) e fui acelerar! Recebi dicas de meu pai e seu amigo Joca Ferraz (eles andaram juntos grande parte da vida nessa pista) e virei o tempo de 2:02,700 com o carro “original” e pouco mais de 2.000 km rodados. Como comparação, o melhor tempo desse Porsche ficou na casa dos 1:36.

Depois de alguns dias da minha primeira experiência com o carro — vale ressaltar, foi melhor do que eu esperava — fiz mais um upgrade: comprei um jogo de molas RedCoil. Alguns carros daqui de casa já haviam usado molas da marca e sempre trouxeram bons resultados — são molas mais duras e baixas. Um ponto negativo sobre elas no caso do meu carro foi a altura das molas traseiras, que deixaram a bundinha do fiesta empinada. Mas tudo bem! Consegui o que eu queria: mais baixo e mais rígido!

project car-2

Como todo carro zero, o New Fiesta não escapou de alguns probleminhas que vieram de fabrica. Tive problemas comuns que aparecem nesses carros (como relatado por vários outros proprietários em fóruns). A borracha de vedação da porta traseira que fica na coluna B entre a porta dianteira e traseira dobrava quando fechava a porta e problema de alinhamento. Outro problema foi a caixa de direção estalando (esse problema é comum em vários carros da linha Ford), que foi trocada na garantia. Achei até pouco esses problemas e os mesmos foram resolvidos com facilidade.

project car-2

Continuando com as modificações, comprei nos EUA um Intake da FSwerks e pedi para um amigo que estava lá trazer para mim. O problema é que eu esqueci um detalhe… os Fiestas americanos tem o sensor MAF enquanto que os brasileiros usam MAP. Pois, como vocês já devem ter percebido no vídeo, o tal “buraco” veio desse intake. Tive que fazer uma plaqueta de alumínio em formato do encaixe da entrada do sensor para poder isolá-lo. Não gostei nada dessa historia e não durou muito até eu passar essa admissão para um proprietário de um New Fiesta mexicano – os primeiros que chegaram ao Brasil e que vêm de fábrica com o MAF.

project car-2

Também não consegui fugir dos mimos. Consegui desenrolar uma troca dos meus faróis dianteiros pelos modelos de máscara-negra que vem na versão mais básica do Fiesta e que fez uma grande diferença esteticamente. Também instalei umas pedaleiras que meu pai fez com suas iniciais (LPL), e aproximei o pedal do freio e acelerador para facilitar o punta-tacco.

project car-2

Outro mimo que trouxe grande diferença para o visual do carro foram as rodas de 16 polegadas originais do carro, que pintei de Preto Bristol (a mesma cor do carro, um tom de preto perolizado).

project car-2

Por último, vou falar brevemente do trambulador Steeda que encomendei dos EUA, com engate curto e mais duro que o original. Mas, da mesma forma que o intake deu trabalho, esse câmbio não foi diferente! Os encaixes dos cabos do trambulador do Fiesta americano são diferentes do brasileiro. Lá o cabo de posicionamento é mais curto, sendo assim, o encaixe do apoio do cabo fica mais para frente que o do Fiesta brasileiro (que tem o mesmo comprimento nos dois cabos).

project car-2

Mas não desisti do câmbio! Era algo que eu realmente queria para meu carro e meti a cara no DIY. Com ajuda de um amigo, consegui fazer um apoio de alumínio para o cabo que foi rebitado no lugar correto para que o funcionamento do cabo de posicionamento fosse perfeito. Resultado: o câmbio foi instalado sem problemas. Engates mais curtos e duros, e o trambulador em si é mais justo (o original e meio molenga).

Até a próxima! E fiquem com um teaser do que vem por aí!

project car-2

Por Luiz Leão, Project Cars #31

0pcdisclaimer2

Matérias relacionadas

Project Cars #410: como decidi construir um Volksrod

Leonardo Contesini

Project Cars #211: a história e a preparação do meu Citroën DS3

Leonardo Contesini

Project Cars #318: a conclusão do meu Honda Prelude VTEC 1993

Project Cars