FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #31

Project Cars #31: os últimos acertos e a conclusão do meu Ford New Fiesta aspirado

Fala pessoal, tudo bem? Esse aqui infelizmente (e de certa forma felizmente) é o ultimo texto do PC #31. Todos nós sabemos como a vida pode ser imprevisível, principalmente nesse hobby automotivo, às vezes aparecem oportunidades, impossibilidades, mudanças de projeto que podem levar a muitas novidades, e foi o que aconteceu comigo.

 

O começo do fim e as últimas modificações

FlatOut 2015-07-26 às 12.48.16

Primeiro me mudei de Maceió/AL para Recife/PE para cursar engenharia mecânica, e pegar estrada quase todo final de semana estava começando a ficar complicado demais por conta da suspensão e escape do carro. As estradas são péssimas e por mais cuidado que eu tivesse sempre tinha aquele buraco que me pegava desprevenido. E o escape, ah o escape… aquele ronco lindo que o carro tinha se tornou impossível de aturar durante as três horas de viagem a 120km/h. A mais de 4.000 rpm os protetores de ouvido não estavam mais dando conta do recado e a dor de cabeça era frequente.

Nesse meio termo instalei o banco Sparco Sprint V e o cinto de segurança de cinco pontos da Simpsom, pelo menos a posição de guiar estava infinitamente melhor e o banco concha é bem mais confortável do que os bancos originais do Fiesta. Mas não tive escolha, voltei à suspensão original e ia montar uma suspensão preparada apenas para os trackdays (ia mesmo, já explico), o escape que tinha apenas um ressonador minúsculo e o abafador da DCsport que não abafava nada, deu lugar para um ressonador grande (50cm) e um abafador da Tuper (o coletor 4×1 continua no lugar), e eu ia fazer um escape reto com saída na lateral do carro para ser usado apenas na pista. Agora sim, viajo tranquilo e confortável, e teria a suspensão e escape dicurrida que precisava na hora de fazer tempo. Mas como eu disse… ia!

FlatOut 2015-07-26 às 12.48.22

Como vocês viram no último post, os planos para 2015 eram grandes, porem não foi bem daquele jeito que a banda tocou. A injeção programável (ProTune PR440 full) e seus periféricos (modulo de ignição, wideband, auxiliares etc.) que tinha escolhido para instalar no Fiesta iam custar em torno de R$ 8.000 (contando com instalação e acerto). No começo a determinação de ver meu projeto evoluir acabou me cegando um pouco, mas depois de alguns meses lutando para juntar essa grana toda acabei me tocando que era grana demais para mim e ate para o carro. Mas e como eu iria botar o comandão e acertar o carro sem uma injeção programável? Depois de pesquisar um bocado decidi optar pelo Unichip, provavelmente a grande maioria aqui conhece o produto, é um módulo para acertar mistura, ponto e mais alguns detalhes da injeção original do carro.

Procurei um autorizado Dastek e dei minha cara a tapa. Fizeram o chicote do módulo e instalaram o Unichip, tudo corria bem. O carro foi acertado no dina e para minha surpresa e de todos que estavam acompanhando na oficina (ninguém esperava muito) o carro ficou um canhão. Antes de acertar o carro, foi feita uma passada no dinamômetro e o carro com o comando e sem o acerto deu 125WHP, à medida que o carro foi sendo acertado e testado (eu estava acelerando o carro nas medições) eu consegui sentir a melhora e evolução da aceleração. No final o carro deu 147 WHP e eu estava feliz da vida, porque senti a diferença e o beneficio que meu investimento trouxe para o projeto.

Até eu testar o carro na rua.

A felicidade virou decepção. O carro não parava de dar erro, cortando em rotações baixas e altas, ligando luzes de manutenção e mau funcionamento, apagando totalmente, entre outros problemas… depois de três dias tentando descobrir o problema, o dono da oficina junto com a Dastek através de vários datalogs chegaram a conclusão que todo os erros que estavam dando era por conta do meu comando que estava fora de ponto. Pois bem, achei meio estranho a “desculpa”, mas mesmo assim decidi ir dar uma conferida, e como eu imaginava lá estava o comando no ponto certinho dele. O desânimo só aumentava.

 

O fim do fim, a namorada que todo gearhead precisa e o novo projeto

Quem leu meu primeiro post aqui no FlatOut sabe sobre o Escort de corrida que meu pai tinha, e também do XR3 de rua dele com swap 2.0 e muitas pimentas, e são esses dois carros que alimentam meu sonho de ter meu XR3. Sempre quis um Escort com swap do motor 2.5 do Fusion, comandão, ITBs, e tudo que um carro de corrida tem direito.

Em abril desse ano tive que passar umas semanas em Maceió/AL para me recuperar de um problema que me afetou bastante emocionalmente, e durante esse tempo minha namorada me apoiou bastante. Ela sempre soube do meu sonho de ter um Escort e foi ela quem deu o primeiro passo! Ela me incentivou a procurar o carro, falou com minha mãe sobre o assunto (que me ajudou com uma parte do pagamento), e acompanhou todo o processo de aquisição do meu sonho. E é por conta dela que hoje eu estou com um Escort L 1989 sendo construído na garagem da minha casa para se tornar um carro de corridas longas e trackdays, além disso, ainda esta me ajudando com algumas peças quando pode, dia dos namorados eu ganhei os faróis de milha.

FlatOut 2015-07-26 às 12.48.33

Apenas alguns detalhes serão diferentes quando comparado ao meu “XR3 dos sonhos”, o carro não é um XR3, e sim um L, o que não vai fazer diferença nenhuma no final das contas. E em vez do Duratec 2.5, o bolso falou mais alto e escolheu o AP! Vai ser um AP 2.0 curso longo (bloco alto), pistões AFP 85mm e bielas 159mm stand aliviados e com pesos equalizados,virabrequim original e volante aliviados e balanceados, cabeçote FlyHeads fluxo cruzado, válvulas 41x35mm, tucho mecânico por cima, 14:1 de taxa, comando Samcams 320, ITBs, injeção programável e mais alguns detalhes. O projeto já esta em andamento e logo mais estará recebendo a rollcage.

FlatOut 2015-07-26 às 12.48.39

E assim terminou o Fiesta, pessoal. Agora estou desmontando as peças e tentando vendê-las para investir no Escort. Sou muito grato a ele, se não fosse ele eu não teria conhecido metade dos meus amigos atuais, não teria feito tantos contatos no meio automobilístico e não teria tido a chance de ter esse espaço aqui no FlatOut para falar sobre o carro. Gostaria de agradecer a todos que me apoiaram e acompanharam o Fiesta, me ajudaram com ideias e dicas. E fico feliz em ver que hoje maioria está acompanhando o Escort e continua me ajudando. O Fiesta foi um grande professor, espero aplicar tudo que aprendi e aprender muito mais com o novo projeto. Obrigado, Flatout, por me dar esse espaço, espero um dia poder botar o Escort aqui também.

Abraço a todos!

Por Luiz Leão, Project Cars #31

0pcdisclaimer2

 

Uma mensagem do FlatOut!

Luiz, uma pena que as circunstâncias exigiram que o Fiesta fosse desmontado, pois foi um projeto realmente diferenciado, feito com cuidado e que certamente conquistou muitos admiradores aqui no FlatOut! Como você falou, é muito bom que ele tenha servido de escola para algo ainda melhor e que será mais adequado para a sua necessidade. E já que você está com outro projeto, quem sabe o público não o eleja nesta próxima chamada…
Abraços e parabéns!

Matérias relacionadas

O BMW 850i de Marco Centa: oito projetos em um

Juliano Barata

As roubadas e os acertos da restauração do Opala SS de Charles Santos

Leonardo Contesini

Chevrolet Caravan 1977: relembre a história do Project Cars #155

Leonardo Contesini