A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #327

Project Cars #327: a história do meu Voyage Trend 2009

Olá. Sou Rafael Brusque Toporowicz, dono do Voyage 1.0 que recebeu muitos votos nos comentários do post de inscrição. Obrigado por cada voto. Tenho 27 anos, sou casado, dono do Blog do Caminhoneiro, e meu mundo gira há vários anos em torno dos pesadões do transporte. Há cerca de um ano comprei o Voyage como carro de uso diário.

Mas para iniciar minha história, vou voltar um pouquinho, explicando o porquê da compra do Voyage. No início da década passada, meu pai comprou um Ford Del Rey 84 Série Ouro, que meu tio havia comprado de um senhor. Este senhor era o único dono até então, e quando meu pai pegou aquela barca, ele estava muito conservado, ótimo de tudo, e era um carro muito completo e confortável. Fizemos algumas boas viagens nele, e, além disso, foi o primeiro carro que eu dirigi em uma estrada, com meu pai do lado. Eu tinha 16 anos e aquela experiência foi muito boa e marcante.

del rey ouro

Quando meu pai se desfez do carro em 2004, eu fiz uma marcação permanente na memória que um dia aquele carro seria meu. Em 2012 o dono atual bateu o carro na traseira de uma carreta, bem na minha frente. Deu perda total no carro e meu sonho morreu.

Em 2014 resolvi que depois de casado a mais de um ano, precisaria de um carro. Eis que o primeiro carro que apareceu, com muitos elogios de quem o conhecia, era um Del Rey 1990, modelo GLX com motor AP. De conforto só tinha direção hidráulica e travas elétricas, mas pelo que me falaram, estava perfeito. Depois de pegar o carro e começar a usar, sonhando em restaurá-lo aos padrões de fábrica, começaram as dezenas e dezenas de problemas.

 

Durante todo o ano de 2014 aquele carro me consumiu todas as energias e esvaziou meus bolsos. Tudo o que eu ganhava eu gastei nele e não chegava. O carro queria mais, e continuou me deixando cada vez mais estressado. Em novembro daquele ano ele começou a me deixar na estrada. O pior é que o problema era misterioso e começava e terminava em diferentes situações, sem padrão. Até que no Natal de 2014 ele me deixou na rua novamente. Resolvi naquele dia procurar um carro novo.

viagem ao rio grande do sul - logo após pegar o carro - estrada no parque nacional de aparados da serra

Foi então que em janeiro de 2015 apareceu esse Voyage. Carro muito completo, de única dona (o que nem sempre é bom sinal), e só rodava na minha cidade. Aparentemente tudo perfeito, a não ser por duas pequenas batidas, uma no para-choque traseiro e outra na caixa de ar direita.

Como os defeitos eram pequenos, e depois de rodar o carro e analisar bem, pois já estava esperto por causa do Del Rey, decidi compra-lo. E realmente o carro estava bom. Com a quilometragem baixa, apenas 33.000 km para um carro 2009 comprado em 2015, até os pneus eram originais de fábrica. Velas de ignição também.

voyage trend 1 (6)

Depois de comprar, foi só rodar, e rodar muito. Uma das primeiras coisas depois de uma boa revisão foi uma volta até Gramado/RS, com mais de 1.600 km rodados em cinco dias. Ali deu para ver que o carro era bom mesmo.

Depois que voltei da viagem, decidi procurar mais sobre o carro e logo encontrei o fórum do Gol G5 e G6, que traz muitas informações para quem tem carros desses modelos.

voyage trend 1 (4)

Li tudo o que pude, e logo tive vontade de mexer no carro. Como o orçamento está sempre curto, as primeiras coisas feitas foram a troca de detalhes que me incomodavam, como a antena do rádio, muito gasta, borrachas de porta que estavam ruins, e outros pequenos detalhes de manutenção mesmo.

Mas ali faltava algo. Por mais que o carro tenha o pacote Trend, que é dos mais completos, ainda me incomodava a sinfonia interna, com muitos pontos de barulhos chatos e constantes, além da falta de alguns detalhes que, em minha opinião, trazem muito charme ao carro.

O primeiro item que modifiquei foi a instalação de piscas no retrovisor. Acho que esse item, além de trazer mais segurança, deixa o carro como uma cara mais requintada. Por isso, depois de ver que era fácil de fazer, meti a cara e a serra no retrovisor e não é que ficou bom. Funciona perfeitamente. Essa troca se faz apenas da peça pintada do retrovisor com a passagem do fio para dentro do carro, que é o que dá mais trabalho.

Depois que fiz essa pequena modificação, perdi o controle. Queria fazer algo todo mês, até que a falta de verba chegou com força e tive que reduzir os gastos um pouco. Mas a meta de projeto ainda tá em pé, e o Trend vai receber todos os opcionais do Comfort, que é o mais completo, tirando o câmbio automático.

20150501_133640

O segundo item foi funcional. A Volks instala nos Gol e Voyage mais simples, com chave simples, um botão no painel para abertura do porta-malas. Nos carros que tem chave canivete isso não existe, e para abrir a mala, tem que tirar a chave do contato. Por isso, vi o que era necessário para fazer essa instalação, mesmo sem nunca ter mexido tão profundamente na elétrica do carro, e mesmo sem entender o funcionamento de relês consegui colocar para funcionar.

20150501_133626

Deu um dia inteiro de serviço, mas no final era mais simples do que parecia. Agora abre na chave, no botão da chave e também no botão do painel. Excelente, muito prático, além de ter o painel completo, com todos os botões.

Isso me deu animo para as próximas modificações, que conto no próximo post. Até lá!

Por Rafael Brusque Toporowicz, Project Cars #327

0pcdisclaimer2

Matérias relacionadas

Project Cars #269: a história do meu Volkswagen TL 1972

Leonardo Contesini

Project Cars #343: a pintura e a instalação do motor 2.0 no Chevette 1979

Leonardo Contesini

Project Cars #383: finalizando a montagem do meu VW Gol GL aspirado

Leonardo Contesini