FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #349

Project Cars #349: o 1.4 turbo já está no cofre do Fiat Cinquecento

E aí pessoal, lembram de mim?! Ou melhor, lembram do meu projeto? Como todos já sabem, um projeto nunca fica pronto no tempo que esperamos. Os inúmeros contratempos como peças erradas, mão de obra, e falta de dinheiro ajudam e ferrar ainda mais com quem está começando.

Este problema se agrava quando se está fazendo algo que ainda não foi feito (no Brasil) e não se tem parâmetros. Viro pra direita ou pra esquerda? Cada opção é um caminho sem volta e temos que estar preparados pra atolar de vez em quando.

frente

Na fila do hospital para seu transplante de coração

Sobre o motor do T-jet, no último post eu questionei “será que entra no cofre?”. A resposta é SIM! O Teco Caliendo teve um trabalho filho da P&*# para retirar aquele motorzinho de enceradeira, e colocar o 1.4T.

motordepoismotordepois

As longarinas tiveram que ser retrabalhadas para usarmos o suporte original do motor. Também foram feitos suportes extras sob medida com pintura eletrostática.

longarina1 longarina2

O cofre teve que ser cortado, adaptado, martelado, soldado. Agora a bateria vai para o porta-malas pois não há mais espaço pra ela. O motor ficou baixinho, bem próximo ao solo. No momento o carro está rebaixado e com um peso extra de motor, o que piora a situação.

Peças2

A suspensão ainda será acertada pra tudo ficar no jeito. Penso em algo sem muito conforto porque este carro é para maldade. Outra coisa que está acontecendo é que ao virar o volante para a direita, o pneu pega no motor. Me vi obrigado a colocar espaçadores e dependendo de como ficar, fender flares. Estava tentando evitar os flares de qualquer maneira para não descaracterizar muito o carro, mas não sei se vai ter jeito.

baixinho roda pegando

Sabe aqueles projetos que você vê outras pessoas fazerem na garagem de casa, que ficam prontos super rápido e você pensa: “Pô, parece ser tão fácil! Vou fazer igual”. Então, foi o meu pensamento também. E estou aqui pra dizer que  o buraco é bem mais embaixo. Tipo, desce até o vigésimo subsolo, é lá que o buraco está.

Após o motor ser instalado no lugar, o Teco partiu pras pontas de eixo. Tivemos problemas. Primeiro foram compradas as originais. Quando chegaram eram do modelo errado (aquelas coisas que a gente só descobre na hora de instalar). E lá vamos nós, fazer pontas sob medida. Chegaram as pontas novas, vamos instalar!? Não, pois o lado esquerdo veio com a medida errada. Entre indas e vindas, as pontas de eixo ficaram prontas e foram ligadas ao conjunto que faz girar a bela rodinha replicada do Alfa Romeo 145.

rodinha

Próximo passo: colocar os ups que eu comprei pro motor, que foram indicados pelos brothers do grupo TJET Motorsports. Aquele coletor da Beep Turbo, que eu comprei felizão, não coube. As saídas ficaram muito apertadas pra entrar qualquer coisa que não fosse um fio de cabelo. Fiquei pensando o que eu ia fazer além de chorar. Preciso de um coletor novo.

A solução veio por indicação do Teco. Dudu escapamentos especiais. Eles toparam participar desta enrascada e mandei o carro pra lá. Conversa vai, conversa vem decidi fazer um escape full inox e coletor com banho de cerâmica. Está com um único abafador no final, com ponteira dupla.  A parte quente da turbina também recebeu tratamento. Fiquei pobre? Sim, mas num projeto desses, tão único, seria um desperdício fazer algo que ficasse enferrujado em dois anos, e com o carinho que eu tenho com este carrinho, creio que irei casar com ele.

Escape Traseira

A checklist do projeto não é muito animadora. Das mil coisas que eu tenho que fazer no carro, apenas duas foram feitas. Não vou falar muito aqui pra não deixar o post muito triste, mas aí abaixo vai o checklist pra vocês terem noção.

O que foi feito: adaptação do Motor, turbo novo instalado, coletor e escape full inox.

O que precisa ser feito (senta que lá vem história): instalar radiador e intercooler, fazer a parte elétrica e instalar a FT400, conectar a alavanca com o câmbio, fazer suspensão completa, dimensionar freios, fazer o painel funcionar ou comprar um de T-Jet e adaptar, colocar um banco concha e quem sabe um roll cage. Quando tudo estiver pronto, fazer o acerto no carro. Aí sim ir pra pintura.

Tem trabalho pra dedéu. Mas eu não vou desistir.

Queria agradecer às mensagens positivas que recebi no primeiro post. Apesar de ser um carro da Fiat, dá pra ver que os Apzeiros, Fusqueiros, V8teiros e toda a turma se une sempre que vê uma tranqueira que pode pegar fogo a qualquer momento.

Se você curte o meu projeto e também o FlatOut, compre as camisetas e adesivos e divulguem os posts aos amigos. Ajudem a manter o site no ar para que eu possa contar pra vocês como está ficando. Se você não aguenta esperar tanto tempo, é só me seguir no instagram no perfil @loobas, que lá eu sempre coloco quando tem novidade! Abraços a toda a comunidade e principalmente ao FlatOut pelo conteúdo ímpar!

Por Luis Fernando Cardoso, Project Cars #349

0pcdisclaimer2

Matérias relacionadas

Preparando uma Mitsubishi L200 off-road: a história do Project Cars #377

Leonardo Contesini

Ford Fiesta Duratec (swap) de Tomás Andrade: a história do Project Cars #41

Juliano Barata

Volkswagen SP2 1974: as voltas e reviravoltas da lanternagem do Project Cars #403

Leonardo Contesini