A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #355

Project Cars #355: o Peugeot 206 “WRC” ganha forma e mais potência

Olá, Petrolheads, Gearheads e Pilotos de teclado, sejam muito bem-vindos ao 3° post do PC #355. Primeiramente, desculpe-me a coincidência de escrever um post a por ano, mas as novidades ocorreram apenas agora no primeiro semestre de 2018. Bora lá, vamos ao que interessa!

Ao longo dos dias entre segundo e o terceiro post, o carro ficou parado no preparador do dia 25/04/2017 até 12/01/2018 para:

– Trocar os bicos de 150 lbs para os bicos de 80 lbs;

– Retirada do ar-condicionado;

– Soldar os suportes de fixação do cinto 4 pontas;

– Trocar a wastgate;

– Acerto Fino.

Pois é, muito tempo para pouca coisa e o ar-condicionado não foi retirado.

Os bicos estavam superdimensionados e estavam lavando os cilindros na menor configuração e o ar-condicionado eu vou retirar devido ao carro ser controlado apenas pela Fueltech, além de fazer uma dieta marota com as peças do externas e internas (tabelier, console, atuadores, ventilador, compressor). O carro ficará apenas com a DH para um maior conforto.

A wastgate estava travada aberta (motivo da quebra do motor com o antigo dono quando veio 3,75bar (treskilimei!). Troquei e a pressão ficou com pico de 0,54 bar.

O acerto fino não foi feito devido à falta de tempo do preparador em ir à Hard Garage acertar no dinamômetro (piada, né?). O carro ainda está com a mapa inicial da Fueltech que não tem compensação da DH e do eletroventilador, então, em uma baliza ou quando o carro chega aos 92 graus, ele desliga, e, até hoje, só mantem a lenta acima dos 70 graus. 

Após esse tempo, eu troquei as bandejas e velas na oficina PSArts e comecei a utilizar o carro para ir trabalhar. Mesmo sem acerto, eu andava cerca de 30Km por dia, com transito, para ver o comportamento do carro visto que havia rendido 239,9cv com 0,84 sem acerto. Tinha que curtir o carro, afinal, ele estava comigo há 4 anos e a maior parte do tempo passou na garagem ou em oficinas. Aproveitava o carro ao máximo e, realmente, eu conseguia sentir o que o carro podia proporcionar com aquela configuração. Quando eu saia mais tarde do serviço, pegava a marginal pinheiros sentido castelo e me divertia.

Andei dois meses com carro esteticamente original e, entre uma esticada e outra na marginal, voltei a ideia de caracteriza-lo no estilo WRC e interior aliviado.

1 2 3

 

Legenda: Belo contraste!

Para iniciar o projeto WRC, peguei 4 metros de Goldmax Vermelho Imperial da Imprimax, adesivos das marcas e a miniatura 1/32 do 206 WRC. 

10.5

Miniatura 206 WRC Monte Carlo 2002 – AutoArt

O primeiro passo foi colocar o aerofólio que veio da Argentina na bagagem do gerente de um brother de São José dos Campos.

10 12

Andando assim, chamava atenção de todos na rua. Até que um dia, enquanto eu comprava uma pizza, fui flagrado no estacionamento e a foto do carro foi parar na página “Carro de baiano”. 

13

O ralador de queijo!

Realmente, sem os adesivos e apenas com o aerofólio, o carro estava sem contexto e xunning. Admito!

Logo tratei de começar a colar os adesivos para não correr o risco de aparecer novamente na timeline alheia.

O carro foi ganhando um enredo e ficando bacana. Já não era mais xunning, na minha opinião.

18 19

Letras brancas no pneu

20

Fiz um “esconde-placa” maneiro!

Nesse intervalo, chegou uma miniatura 1:64 Majorette.

21

1:64 / 1:32 / 1:1

Troquei o óleo porque eu andei sete meses com o carro e nos meus cálculos “(jan a jul de 2018) (7 meses x 22 dias uteis = 154 dias x 30km por dia = 4.620 Km)” havia completado o ciclo. 

22 23

E finalmente com todos os adesivos colados:

24

Após concluir externamente a estética (falta o scoop do teto ainda) e atrair todos os tipos de olhares na rua (chama mais atenção do que carro de telemensagem), dediquei o tempo à parte mecânica e performance. 

Fiz um upgrade de freio. Optei pelo conjunto do Citroen C4 Grand Picasso de 302mm (Pinças, discos e pastilhas). Plug and Play no 206, coloquei um fluido Dot5.1 com uma boa sangria.

O carro ficou com a frenagem eficiente. A finalidade do carro é trackday e deixa-lo com uma configuração para atender os autódromos e kartódromos de SP. Talvez ocorra fadding em kartódromos, mas se ocorrer, partiremos para um Fluido Racing (Motul ou Pentosin), pastilha amarela EBC e discos frisados. 

Com o freio, suspensão e barra estabilizadora, o “chão” para despejar a potência desejada está quase pronto, necessitando um ponto de atenção para os pneus. Tem muitas opções de pneu 205/45R16 semi click (Advan Neova, GoodRide Sport RS) e outros de alta performance (Pilot, M3). Vou avaliar o comportamento do carro para analisar o melhor pneu para a nova configuração. As rodas dificilmente eu vou mexer pois é um modelo original e leve, mas a minha ideia é colocar as TBK da Rodera. Roda linda e casa muito bem com o projeto. Replica das rodas do Fiesta do Ken Block. Se eu optar pela troca das rodas, tenho que pensar em novos pneus aro 17” e isso pode levar um tempo. O foco será o coração e o cérebro do carro, motor e injeção.

Estava ensaiando levar o carro em algum preparador, quando em um dos grupos de whatsapp, resolvemos marcar um Dinoday na zona oeste de SP. Esse evento colocou uma data limite para eu procurar alguém para mexer no carro. Descartei “N” preparadores quando eles comentavam: “Esse carro com 300cv vai lixar lindo de 3ª”. Ouvi isso de três preparadores. Não é um pré-conceito, mas significa que não entenderam o objetivo do carro. Pode ser que o carro renda mais com 200cv do que com 300cv, mas preciso testar e não focar em burnout, ré e 2ª, destracionar etc. Em uma das minhas buscas, encontrei duas oficinas, a Supersonic do Kabelo e a Gui Preparações do Guilherme. Bati um papo com os dois, compraram a ideia e agora preciso decidir em qual oficina levar o carro, mas preciso decidir logo, pois o evento é em setembro.

Como gosto de um antes e depois, passei o carro no dinamômetro onde será feito o Dinoday para ter os parâmetros do carro com a configuração atual.

142,73 whp com 0,49 bar

35 37 36

Picos na FT350

Pelo gráfico, é nítido a falta de acerto. O carro tem uma curva de potência crescente, mantem e depois despenca antes de chegar nos 6800 RPM. Tudo entre 3100 e 4600 rpm. Pouco rendimento e não podemos colocar a culpa apenas no acerto. Revisarei tudo e todos os componentes. Desde vedação a saúde da turbina. Não deixarei passar nada. E, após o acerto fino e com 1,2 bar venha o esperado ou o mais próximo dos 300cv.

Como o carro está comigo, espero escrever o quarto post com novidades após o DinoDay. Até a próxima!

Por Leandro Ribeiro, Project Cars #355

0pcdisclaimer2

Matérias relacionadas

Caravan V8 Small Block Chevy: a última etapa da preparação e a conclusão do PC#262

Leonardo Contesini

Project Cars #376: a despedida de uma Chevrolet Caravan Diplomata 1988

Leonardo Contesini

Project Cars #269: a primeira partida do novo motor do Volkswagen TL

Leonardo Contesini