A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #417

Project Cars #417: a conclusão (por enquanto) do meu Citroën ZX de rua e pista

Por André Lenz, Project Cars #417

E aí! Voltamos e agora com uma luz no final do túnel. Sim, às vezes entramos em algum projeto calculando talvez um tempo para terminarmos, mas a gente vai deparando com tanta coisa no caminho, problemas que aparecem etc, que a coisas acabam demorando um pouco mais do que a gente previu. A boa notícia é que acredito que este é meu penúltimo post aqui no FlatOut, visto que o Dimitri está bem encaminhado devido a alguns acontecimentos que vou relatar aqui no post. Então senta que lá vem textão.

Primeiro vamos numa rapidinha: o Citroën Xantia estava gozando de boa saúde. As únicas manutenções que tive que fazer foram a troca do escape por R$ 800,00 e o conserto do ar condicionado por R$ 550,00, fora isso o carro estava andando legal e minha esposa estava usando ele no dia-a-dia até chegar o carro que havíamos comprado pra ela.

Logo depois eu estava usando ele nos finais de semana. Neste período todo, o mesmo Jefferson que havia me vendido as lanternas e rodas do Xantia V6 encontrou um Xantia Turbo original no leilão e arrematou sabendo que eu ia querer (obrigado, Jeff!). Então comprei a sucata inteira para fazer várias mudanças no carro. Não vou me alongar muito, vou deixar um vídeo aqui contando um resumo sobre essa sucata e se quiser pode acompanhar o canal que vou postando a evolução do Xantia por lá. 

No momento o carro está com rodas do Turbo, tampa traseira do Turbo, mas está parado na oficina devido a um vazamento em uma das mangueiras da suspensão hidráulica. Como decidi priorizar o Dimitri, o Xantia ainda está parado, mas logo logo vai voltar a rodar. Aqui umas fotinhos dele com a roda do Turbo:

Voltando para o que interessa, no carro preto tivemos um pequeno progresso, o carro finalmente funcionou, a primeira zica de todas foi que o motor estava no lugar, o chicote novo conectado e o carro não ligava de jeito nenhum.

Troca módulo aqui, tenta senha ali e nada, o carro não ligava. Então o Denner, agora meu sócio, começou a buscar o problema e encontrou algumas conexões erradas e a falta de um resistor que vai lá na caixa de fusíveis dianteira.

Nesta parte destaco o bom de termos um carro para comparar. Vimos no chicote do Dimitri que tinha o resistor, e no preto não tinha, então foi só pegar o resistor da sucata e o carro ligou.

Carro ligando, agora eu queria que funcionasse a senha, pois o carro estava ligando sem precisar digitar nada. No prata está desativado, e não quero deixar ativada, pois é carro de pista, mas o preto é todo original, então a senha tem que funcionar.

Pra quem não sabe, Citroën ZX, Peugeot 306 S16, Citroën Xantia, Citroën XM etc, esses carros todos possuíam um módulo com senha que só liberava o funcionamento do carro mediante a senha de quatro dígitos. Muitos desses carros foram abandonados porque as vezes o módulo dava algum problema na senha e o carro não ligava. Vinte anos atrás ninguém sabia mexer direito com isso. Lembro que aqui em Joinville uma vez vi um Citroën XM em uma mecânica que estava bacana o carro e o cara tinha pago R$ 4.000 porque o dono não conseguia ligar o carro.

Pois então, voltando: o preto teria que funcionar com a senha. O Denner então se debruçou no chicote e conseguiu resolver o problema da senha, está funcionando corretamente, já consegui até mudar ela seguindo as instruções do manual. Não vou ter como falar para vocês o que ele fez, porque ele disse que é segredo…

Carro funcionando agora precisávamos resolver o problema das ACAV, que não estavam funcionando. Se você já esqueceu o que é ACAV dá uma corrida no último post do PC que tem um vídeo lá explicando para que serve.

Testamos a do carro que aparentemente estava bonita, mas que decepção, estava quebrada. Fui procurar no meu estoque de peças, e havia uma que estava funcionando, mas estava com conector destruído, e não seria aceitável para os meus padrões. Daí pensei: e agora? Ferrou!

Como vou encontrar essa peça funcionando? Esta é uma daquelas peças raras que ninguém encontra. Fui então dar mais uma fuçada nas minhas coisas, e imaginem a minha felicidade ao encontrar uma peça em ótimo estado e funcionando. Depois lembrei, veio em um lote de miudezas que comprei de um cara lá do RS via OLX. Às vezes essa minha mania de acumulador serve pra alguma coisa.

Essa solenoide controla o vácuo de abertura das válvulas ACAV, fazendo o correto funcionamento do coletor de admissão variável. Vou dizer que andei com o carro com elas desligadas e depois com elas ligadas, e realmente existe uma diferença. O carro sobe o giro de forma mais linear, constante, diferente de quando elas estão desligadas e o carro fica meio morto de 3.000 a 4.500 RPM, dando aquela acordada depois.

Lembram do ZX cinza que vendi para Curitiba? O novo dono dele acabou ligando as ACAVS com uma solenoide de outro carro que ele adaptou, e o carro melhorou absurdamente também segundo relatos dele. Ou seja, os engenheiros da Citroen realmente sabiam o que estavam fazendo. Hoje muita gente sofre com essas ACAVS quebradas, muitos carros não experimentam esse fôlego (Citroën ZX Coupê e Peugeot 306 S16), mas se você tem um deles, procure consertar, compre uma solenoide que possua a mesma resistência, conserte a ACAV e pronto. Descubra um carro que você nunca viu.

Muita gente acaba optando pelo coletor do Dakar/VTS para eliminar as ACAVs e dar outro folêgo para o carro, como eu fiz com o Dimitri. Realmente o carro melhora, fica mais forte, mas mesmo assim acaba ficando um gap nas rotações médias, bem menor do que sem as ACAV, mas ainda fica. Vimos isso na passagem do Dimitri pelo Dino.

Bom, para consertar as ACAVs, você deve abrir com cuidado a tampa superior e depois colar uma membrana nova, membros do nosso grupo disseram que a melhor substituta de membrana são aquelas luvas de limpeza amarela, sabe? Você dá uma esticada nela e deixa ela mais ou menos com a mesma espessura da que estava lá dentro. Para colar ela nas bordas o pessoal passa super bonder e depois joga bicarbonato de sódio por cima, fica duro como uma rocha. Depois fecha elas com a mesma cola, deixa secar e verifica se parou de passar o ar. Não tenho fotos do processo, pois o pessoal que fez não tirou, mas eu só sei que é assim…. huahauhauah. Eu não precisei arrumar nenhuma, porque com a minha personalidade acumuladora, eu comprei mais ou menos umas 10 ACAVs, e destas duas totalmente inteiras e funcionais estão no meu carro preto e sobrou também duas reservas com pequenas avarias que vou guardar, o restante coloquei a venda no mercado livre. Inclusive já vendi uma pra Curitiba, já salvei um S16….rs……, as outras que tenho a venda precisam de reparo na haste, mas a membrana está funcionando. Segue link do meu anuncio para você conhecer as ACAV.

Outra coisa que estou tentando fazer funcionar neste carro é a sirene do alarme, não existe nenhum ZX no mundo que esta sirene esteja funcionando, simplesmente porque dentro dela existe uma pilha recarregável que depois de quase 30 anos não funciona mais. Ela tem um miolo da chave exclusivo para ligar e desligar ela, desmontei uma, ela é toda selada e não tem como arrumar por ali, vou ver o que faço ainda.

Vocês podem acompanhar mais detalhes do carro neste vídeo de mais um capítulo da saga no meu canal:

Outra coisa bem bacana é que os bancos de couro ficaram prontos, baita felicidade. Pedi para o tapeceiro fazer no padrão original com couro de búfalo. Demorou quase um ano e meio para ele preparar os meus bancos, mas ficaram muito legais.

Enfim, no carro preto é basicamente isso, estou usando ele eventualmente, mas está bem espartano, sem os bancos traseiros, sem banco do carona, painel desmontado, mas este carro é um carro para ser feito com calma. Uma curiosidade sobre este carro é que ele nunca tomou nenhuma multa. Tem o histórico limpinho, é uma informação inútil, mas eu achei legal:

Tem muita coisa ainda pra resolver nele, até estava empolgado para terminar ele logo, mas deixei ele por último, atrás mesmo do Xantia, visto a lista de coisas para colocar no lugar. Então espero no próximo post ou ter terminado ele, ou estar bastante adiantado para trazer novidades a vocês.

Aqui umas fotos que tirei dos meus carros comparando eles com os carros atuais, chega a ser engraçado.

Agora sim beus abiguinhos, chegamos ao Dimitri e a sua evolução espantosa nesse período todo. “Mas porque evoluiu tanto?” — você deve estar se perguntando.

Acontece que a multinacional em que eu trabalhava infelizmente resolveu me trocar por um representante comercial. Merdas acontecem… e o que era para ser meu plano B, a oficina, se tornou meu plano A mais rápido do que eu queria. Então nesse meio tempo de atender os carros da oficina eu acabava mexendo nos meus carros, e principalmente no Dimitri. 

Então vamos para a listinha do que consegui fazer nesse meio tempo:

– Pintura nova para rodas (fiz em casa com massa plástica, lixa e spray automotivo para rodas)
– Acerto dos faróis e regulagem dos grampos de fixação (os faróis ficavam caindo o tempo todo)
– Conserto do eixo traseiro, estava quebrando o parafuso direto (foto abaixo)
– Conserto do volante (o braço de pisca não retornava , isso é um saco, passava uns 15 minutos com o pisca ligado sem saber)
– Troca das duas forrações de porta dianteiras por outras em melhor estado (uma estava descolando o curvim)
– Conserto dos pinos das travas ( isso é um saco nesses carros, nenhum funciona direito)
– Troca da boia de combustível por uma made in aliexpress
– Conserto coifa do câmbio ( estava sem trava, coloquei uma braçadeira de ferro e agora ela fica no lugar)
– Conserto luz de freio ( o pino do pedal estava quebrado, nessas horas agradeço muito ter desmontado as sucatas)
– Solda dos fios dos auto falantes ( tinham parado de funcionar, abri e soldei os plugs que ficavam soltando)
– Revestimento do volante em camurça by alixpress ( costurei em casa, super fácil)
– Troca do cabo da embreagem (ficou outro carro, incrível)
– Troca do cabo de freio de mão traseiro esquerdo (adaptei um cabo de xsara)
– Troca dos retentores do eixo (isso é uma desgraça nesses carros, difícil ter um sem vazar essa budega)
– E finalmente e mais trabalhoso de todos e divisor de águas neste casso, foi colocar o coletor de admissão dimensionado, esse merece um capítulo a parte.

Seguem algumas fotinhos do progresso:

Bom, merecem destaque aqui dois itens, o primeiro são as peças que encontro no aliexpress. Isso acontece porque o Citroën ZX foi vendido na China e Taiwan eu acho até 2015, ou seja: é fato que teria muita coisa a venda no aliexpress, e tem coisa pra baralho.

Tem peças de acabamento, tem luzes internas novas (com selo Citroën e tudo escrito em chinês), tem sensores de motor, lanternas e faróis, cabeçote e pasmem, até motor. Fico com aquela sensação de ter acertado em cheio nas minhas maconhas porque consigo peças novas por um preço bacana.

Luzes de teto desses carros geralmente é uma desgraça, quebram tudo porque o plástico resseca, não se acha mais aqui no Brasil, mas por R$ 70 você compra uma novinha em folha com o selo Citroën no aliexpress, isso é bom demais. Imagina se eu tivesse escolhido outras maconhas que deixaram de ser fabricadas a muito tempo, eu estava ferrado, então puxando sardinha pro meu lado, claro, se você quiser uma maconha a custo baixo, vai de Citroën ZX. Ainda tem muita peça por aí e peças novas também. Abaixo foto do último modelo de ZX fabricado.

Outro destaque fica para o coletor dimensionado, esse foi o divisor de águas nessa parte final do ZX, isso porque eu tinha comprado um coletor dimensionado cópia do Citroën BX, que é um coletor 8x2x1. (Se você se esqueceu dele assista o vídeo que vou colocar a seguir).

Primeiro que para retirar o coletor original tivemos que sacar todo o agregado fora do carro, baita trampo. Soltar caixa de direção, suspensão, é uma m3rda. Depois de soltar tudo fui ver que o ângulo que o cara deixou o coletor de BX tinha ficado uma m3rda também. Ele possivelmente fez o ângulo baseado ou em um 306, que possui o túnel um pouco maior na frente, ou em um ZX dos mais novos, 97 em diante que também possuem esse túnel mais largo na frente. O meu por ser um 94/95 tem o túnel apertado e a porcaria do coletor estava batendo. Dai tu pensa, vou reclamar? Já havia comprado o coletor havia mais de 1 ano, se fosse reclamar ainda teria que mandar o coletor pra Brasilia e depois voltar, carro pendurado no elevador, dai não né? Então vamos se ferrar novamente e gastar pra arrumar o coletor.

Fui em três casas de escapamento, ninguém fazia. Isso porque pegar oito tubos, esquentar todos e dobrar seria algo quase impossível. Daí me indicaram ir em latoeiros que poderiam ter soldas mais fortes para esquentar o coletor, dai o cara da lata me indicou um cara que trabalhava com solda, e daí o cara que trabalhava com solda disse que só empresas que mexem com caldeiras poderiam me ajudar, ou seja, perdi praticamente o dia inteiro indo atrás de alguém pra conseguir arrumar o coletor. Então topei com uma empresa aqui na cidade de caldeira, a JL, e o dono, o Amaral, foi super gente boa e topou o desafio.

Conversamos com o soldador dele e ele arrumou o ângulo do coletor por R$ 200. Tá, não foi muito barato, mas o que é um peido pra um coletor c4gado? Veja na foto que ele corrigiu o ângulo na base do coletor, aonde aparece as soldas novas.

Coletor corrigido foi só instalar ele no Dimitri, aproveitei um escape de 2,5 polegadas que comprei do Max, cliente da oficina e montei o bichinho. O escape do Xsara VTS possui as mesmas curvas do Citroen ZX, isso foi tema hoje em um grupo do whats, então vai na fé.

Tudo pronto, fui curtir o carrinho em dois hot laps, um do Track day In em Joinville e outro do Punta Tacco em Balneário Camboriú. No de Joinville pista seca milagrosamente fiquei em P2 no geral de 23 carros, já no do Punta, com pista absurdamente molhada fiquei em 15/32, mas dos seis primeiros colocados três eram clientes da nossa oficina. Baita satisfação em ver nossos parceiros andando na frente.

Seguem fotos de como o carro ficou esteticamente.

Aqui segue um resumo em vídeo dessa última etapa do carro.

Eu particularmente gostei muito do resultado estético desse carro, ficou bacana demais. Dar uma escurecida na roda quebrou aquele prata todo que o carro tinha, por enquanto não vou mexer em mais nada. O carro ficou tão bonito que virou garoto propaganda do meu site com este comercial onde a Zueira não tem limites. Citroën que não quebra há 10 anos e Stig LGBT anão. Assiste aí que a risada é garantida. Aproveita e dá uma conferida no site e na proposta dele, e se puder compartilhar agradeço.

Bom, antes de partir para questões financeiras vamos a lista do que falta para finalizar o Dimitri.

– Retirar vazamento da tampa de válvula (já foi tirado uma vez, mas voltou essa desgraça)
– Instalação do Unichip (ultima fase punk do projeto)
– Conserto teto solar 

Por isso que digo, o projeto está quase no final, espero daqui a dois meses estar completando o Dimitri e trazendo as atualizações a todos vocês do carro finalizado. Tentarei terminar o preto até lá e assim fechar o PC, caso eu veja que não vou conseguir terminar o preto em dois meses, eu faço um mini post só finalizando o prata e trazendo os resultados finais do dino com a instalação do Unichip.

Bom, partindo para questões mais de preparação, agora tenho dados mais concretos para passar a respeito de ganho de potência no ZX. Lembram que eu havia falado que na gringa essa configuração de motor XU10J4 com coletor de Dakar/VTS e com escape de BX ficava mais forte que o motor original do Dakar? Pois então, temos isso comprovado no Dino, Segue abaixo o vídeo do resultado, e não deixe de observar a curva de potência com aquele gap que falei em rotações médias que pretendo corrigir com o Unichip.

O motor original do Dakar/VTS tem 167cv, aqui o carro ficou com 176 cv, um pouco superior ao motor XU10J4RS (Dakar/VTS).  Lógico que o que o XU10j4RS é muito mais linear, aquele gap das acavs foi corrigido, o a subida de giro dele é muito mais suave, já o meu carro está legal, mas ainda dá pra corrigir, e esperamos que o Unichip cumpra bem a sua função.

O carro originalmente tem uma potência de 155 cv, agora estando com 176 cv são 21cv a mais. E qual foi o custo disso?  Bom, aqui ficou um pouco complicado dar os valores precisos que gastei porque uma parte do que foi responsável pelo aumento de potencia foi instalado antes de eu ser sócio e a outra parte depois de eu ser sócio da oficina. A segunda parte não teve custo, mas vou colocar valores aproximados.

– Coletor de admissão completo com sensores e tbi  R$ 815
– Coletor de escape dimensionado com a correção no ângulo R$ 1.200
– Unichip (ainda não instalado) R$ 295
– Mão de obra para instalação de tudo em torno de R$ 2.300

Temos então um total gasto de R$ 4.610 que resultou até o momento em 21 cv ganhos, ou um custo aproximado de 220 reais por cv. Ainda falta o Unichip, mas acredito mais na correção da curva de potência do que em um ganho de cv para o meu carro, vamos esperar o próximo capítulo.

Vale ressaltar aqui no caso, que não estou considerando os valores de retificar o motor etc, estou somente focando nos itens que fizeram o carro sair do original e ganhar potência. Agora só esperar finalizar, passar novamente no dino e ver o resultado final.

E por fim, mas não menos importante, a relação de tudo que gastei até agora com o Dimitri. Contabilizei tudo, desde a compra do carro, compra das sucatas etc — clique aqui para ver (é um pdf).

Nessa tabela não entra os valores gastos no carro preto, não entra a compra da sucata do Peugeot S16 e não entra a compra do último ZX vinho. Entra nessa lista o Dimitri, as duas sucatas de ZX 1.8 Furio e a sucata Vermelha de Coupê que eu comprei. Até agora eu gastei nessa brincadeira toda R$ 30.600, mas preciso também fazer algumas ressalvas como o fato de ter muitas peças sobressalentes guardadas que vão evitar que eu tenha um gasto maior no futuro e também por ter feito uma retífica completa no motor do Dimitri.

Precisamos contar ainda que muitas das peças que eu vendi das sucatas, vendi por um preço muito barato, de mãe mesmo, mas tive que fazer isso por conta do espaço precário para armazenamento aqui em casa que já estava deixando minha mulher doida. Agora com a oficina, eu tenho onde guardar as peças, e se me pedem alguma coisa pra comprar eu já não jogo o preço lá embaixo, como eu tenho onde armazenar se quer quer, se não quer eu guardo.

Esses tempos vendi duas pinças de freio para um cliente da oficina e me arrependi, sorte que encontrei outras duas depois. Agora preciso pensar bem no que vou vender. Se eu fosse contabilizar aqui nesta tabela o S16 e o carro vinho a conta iria para baixo mais ainda, isso porque o que eu vendi do S16 pagou o custo dele total e ainda me sobrou um motor inteiro em ótimo estado com cabeçote, boninas etc que estou guardando, além de um eixo traseiro e outras coisas que ainda estão guardadas.

Tentando sair um pouco dessa loucura toda que eu fiz em desmontar cinco carros e vender peça aqui e peça ali, o que posso resumir é que é possível montar um carro forte para Hot Lap e Track Day com 176 cv, freios maiores e suspensão preparada por algo em torno de R$ 20.000 a  R$ 23.000, tranquilamente. Se pegarmos só o valor do Dimitri com os ups realizados nele e mesmo o motor sendo retificado acredito que fique nessa faixa de 20.000 a 21.000, ou seja: é possível você se divertir com segurança e ter um carro bacana, inclusive que dá pra ser usado tranquilamente no dia-a-dia como eu estou usando. E só não se importar com os 5,5 km/l que ele roda.

Por enquanto é isso aí, pessoal. Até a próxima muito em breve.

Matérias relacionadas

Project Cars #09: um bom motivo para continuar a restauração do meu BMW 850i

Leonardo Contesini

Project Cars #257: a história do meu Fiat Palio 1.4 turbo

Leonardo Contesini

Peugeot 206 “WRC”: a transformação visual e o início da recriação

Leonardo Contesini