Edição diária: 16/06/2019
FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #502

Project Cars #502: os primeiros testes e acertos do novo Puma P052

Fala, galera! Eu e toda equipe Puma ficamos extremamente contentes com a recepção de vocês, e conforme falei, no post hoje é dia de falar sobre os primeiros testes.

Tiramos o para-brisa Barchetta e colocamos o arco do para-brisa, e como sempre faço testes de capacete em pista particular, não seria necessário colocar o para-brisa muito menos acabamentos, pois faríamos um shakedown para ver se estava tudo em ordem.

IMG-20180625-WA0141

Costa e Tadeu testando a posição do arco do para-brisa

IMG-20180626-WA0018

Reparem na ‘tecnologia’ usada pra manter o arco na posição

Achávamos que não haveria problemas andar sem vidro, mas ao andar com o carro de tanque cheio e ao fazer curvas, vazava um pouco de combustível pelo bocal, e o resultado foi meu macacão inundado de gasolina e a viseira do capacete toda suja de combustível. Mas isso faz parte — lembrem-se que era o shakedown e nesse dia que descobriríamos tudo.

O vídeo abaixo estou sem macacão pelo motivo que descrevi acima; me verão também  forçando o carro um pouco mais para escapar de traseira e buscar o limite do carro.

Perceberam que dou muitas voltas no volante ao virar? Pois é, foi aí que descobrimos que a caixa de direção mecânica de Palio não nos serviria.

Aqui uma imagem da pista no primeiro final de semana de testes

As primeiras impressões: todo tração-traseira obviamente tende a sair de traseira e como esse carro estava com cargas de molas e amortecedores iguais frente/atrás, alinhamento conservador, foi possível sentir ele sair muito de frente em curvas de baixa e se comportar de forma neutra no meio das curvas de alta com tendência a sair de traseira no final das curvas, tanto de baixa (devido à tração) como em alta (traseira mais solta).

Decidimos usar molas dianteiras mais macias, o que deixou a frente mais pregada permitindo frear mais tarde e carregar mais velocidade nas curvas tanto de baixa quanto de alta. O segundo passo foi andar com mais pressão nos pneus dianteiros para escorregar levemente e baixar bruscamente a calibragem dos pneus traseiros. O resultado foi um carro menos arisco e mais previsível.

Porém a traseira continuava escorregando nas saídas de curvas de alta e então optamos por utilizar um aerofólio traseiro. Foi o suficiente pra deixar a traseira mais no chão, sem “pregar”!

Fizemos também um remap da injeção original, já que havíamos colocado um escape mais aberto com um coletor 4×1. E não é que o carro ficou mais espertinho?

Vejam por esse vídeo como ficou legal após o remap (vídeo feito pelo celular da minha namorada, que me pediu pra dar uma volta e sentir o carro):

Eu falando dessa forma parece fácil né? Mas não é!  Até achar o ponto certo de tudo leva algumas dezenas de quilômetros — ainda mais sem telemetria, sem ajuda de softwares, fazendo tudo à moda antiga.

Após esses ajustes aproveitamos uma oportunidade em um torneiro de regularidade (forma mais barata de testar o carro em Interlagos) para ver como ele se comportaria.

Costa com o Reginaldo Galafazzi

Na pista da Dimep o carro estava fantástico, porém no vídeo é visível que a performance estava bem abaixo do esperado e só fomos descobrir o motivo quando um dos dutos de água escapou. Conclusão: o carro estava esquentando devido ao vazamento e a injeção original cumpriu com sua função de proteger o motor.

Um fato engraçado: reparem que aos 5:30 do vídeo eles atropelam um formigueiro ao sair da pista, e aos 6 min o Reginaldo está se batendo pois as formigas estavam picando ele!

Chegou minha vez e logo que entrei na pista percebi que o carro continuava não aceitando muitos Giros e vim ‘tocando’ como ele me permitia. Nos 5 Min do vídeo verão respingando água na lente da câmera e imediatamente eu desligo o carro e levo até a área de scap. Acabara aí nosso dia de pista que já foi pouco e ainda por cima frustrante.

Mas isso faz parte do automobilismo em geral, temos mais frustrações que alegrias, por isso quando vencemos a alegria é muito grande e compensa todo sufoco que passamos. Na próxima falarei sobre novos testes e darei continuidade a evolução.

Grande abraço e até a próxima.

Por Gabriel Maia, Project Cars #502

0pcdisclaimer2

Matérias relacionadas

Fiat Marea Turbo: a retífica do motor Fivetech e as novas rodas do Project Cars #347

Leonardo Contesini

Project Cars #337: comprando a Honda CB500 que se tornará uma Café Racer

Leonardo Contesini

Dodge Charger R/T 1975: as dificuldades de se fazer uma restauração bem feita

Leonardo Contesini