FlatOut!
Image default
Project Cars Project Cars #506

Project Cars #506: a instalação do kit AMG no meu Mercedes C280 W202

Por Waldyr Filho, Project Cars #506

Fala, pessoal! Tudo bom? Vamos para a segunda parte da restauração da minha Mercedes C280 Sport AMG, vulgo Melancia. Depois de um roteiro digno de uma novela mexicana estrelado pelo meu carro e o funileiro maligno era hora de darmos continuidade no projeto passando agora para a fase de revisão mecânica. 

O mecânico que cuida de meus carros fica próximo à firma do meu pai na Vila Carrão, então deixei o carro com meu pai em uma quarta-feira à noite com para que ele o levasse à oficina. Logo pela manhã quando cheguei ao trabalho recebi uma foto do meu pai ao lado do carro todo animado, afinal o projeto começava a tomar forma, mas ainda havia muita coisa a ser feita antes de estar apta a voltar às ruas.

Basicamente fizemos uma revisão completa no carro, onde realizamos a substituição de todos os fluidos, filtros, velas e alguns reparos nos dutos que compõem o sistema de vácuo. A título de curiosidade neste carro, uma série de sistemas são acionados por meio de vácuo como por exemplo: Abertura e fechamento das portas e regulagem de altura dos faróis. 

Durante esta revisão todos os fluidos utilizados são da marca Pentosin sendo eles:

– Fluido de freio: Pentosin DOT 5.1
– Fluido de arrefecimento: Pentosin Super
– Óleo: Pentosin Semi sintético 10w40

Os filtros utilizados são da Mahle e Hengst já as velas são Bosch.

Mesmo após realizarmos esta revisão haviam cilindros falhando, nosso maior medo era de que o chicote (que já havia sido substituído pelo meu pai) pudesse ter sido danificado pelos ratos que já haviam feito estrago no sistema de vácuo. Só havia uma coisa a ser feita: levar o carro para o eletricista.

Issao, o eletricista, também trabalha na Vila Carrão e é um cara muito gente boa. Quietão, mas nota 10! Levamos o carro e junto com ele mais uma série de coisas a serem instaladas, entre elas o quadro de instrumentos, o volante da C36 e os faróis de neblina. O carro ficou algumas horas com o eletricista e rapidamente tínhamos o diagnóstico, felizmente era só uma bobina que havia parado de funcionar. Feita a substituição, o motor voltou ao normal.

Como originalmente meu carro não possuía faróis de neblina foi necessário mais alguns dias para que fosse feita a instalação correta com acionamento na chave original e de forma independente. Ficou tudo perfeito e depois de uns 20 dias o carro estava de volta, abaixo algumas fotos de quando fui “visitá-lo”.

Faltava ainda fazer a instalação do escapamento completo da C36 AMG, portanto, foi necessário fazer mais uma visita ao mecânico. Esse é o Denilson, meu mecânico, “roubando” a Mercedes para colocar o escape.

No fim de semana seguinte, fui até a firma do meu pai onde o carro estava guardado para um programa tipicamente tradicional, a lavagem de carro de pai e filho. Vai por mim: a primeira lavada depois de tanta coisa a gente nunca esquece.

Por fim levamos o carro na “Cassandoca Alinhamentos Técnicos” uma oficina bem tradicional da Mooca. Fui muito bem atendido e o carro ficou perfeito!

Finalmente o carro estava pronto para voltar para casa, e eu estava muito, mas muito feliz! Meu pai me ligou e fui à noite com a minha noiva buscá-lo.

No dia seguinte fui com o carro para o trabalho pela primeira vez!

O forro do teto do carro estava caindo, o que é algo muito comum nos carros alemães dos anos 90, a Mercedes nessa época utilizava um tipo de tecido plástico cinza com bordas pretas e não se encontra isso em lugar nenhum e todos os carros que eu vi que haviam tentado refazer na cor original ficavam um horror. Então pesquisei algumas opções de cores e padrões de tecido e me decidi por um tecido preto bem quadriculado como é utilizado nas Mercedes AMG mais modernas. O serviço foi feito na Domini Couros e ficou top!

Como havia dito no primeiro texto o funileiro perdeu muitas peças do carro, entre elas as travas dos para-choques. Pesquisei bastante e acabei comprando as travas mais caras da minha vida. Na concessionária cada trava custava R$ 40, com meu fornecedor de peças consegui a R$ 20 cada em uma concessionária do Paraguai. No total precisei de 16 unidades.

Meu amigo Sergio Trivellato havia ido para a Alemanha e me enviou fotos do C36 AMG que está exposto no museu da Mercedes. Após ver o carro percebi que precisava comprar mais algumas coisas, um spoiler e a grade dianteira com mais frisos.

A grade foi simples de encontrar com meu fornecedor de peças, Valdinei Nelvo.

Já o spoiler era mais complicado, pois não existia no Brasil e eu queria uma peça original — o que também não facilitava as coisas uma vez que esta peça já era um opcional para o C36. Eu tenho um segundo emprego que mais parece um hobby, eu trabalho com uma empresa russa que produz kits de carroceria para Mercedes e BMW, a PRTuning. Um belo dia Karim, o russo, me mandou uma mensagem e algumas fotos perguntando se eu queria o spoiler que ele havia encontrado.

Logicamente eu disse que sim e já esperava pela facada no preço, mas eu estava com sorte. Por conta de uma venda que eu havia realizado, ganhei de presente e paguei somente o frete.

Se você já importou qualquer coisa que seja, sabe que os Correios são péssimos no que se trata de encomendas internacionais. Para não perder o costume nessa ocasião eles se superaram e enviaram meu spoiler de volta para a Rússia. Tive que pagar o frete mais uma vez. Bem na época a grana estava curta e não dava para priorizar a estética do carro assim como a instalação do spoiler, então acabei deixando-o guardado por alguns meses.

Um dia, saindo do trabalho, fui à casa do Sergio que me ajudou a montar a nova grade, assim como colocar as travas dos para-choques e alinhá-los.

Tudo estava indo muito bem, até que em uma sexta-feira a noite no viaduto Pacheco Chaves o carro morreu sem mais nem menos. Tentei dar a partida sem sucesso, olhei o fusível da bomba de combustível e estava funcionando. A bomba havia estragado.

Fica o aviso para aqueles que forem comprar uma Mercedes dos anos 1980 ou 1990: se o carro ficou parado, a bomba de combustível VAI quebrar e te deixar na mão quando você menos esperar. Eu tive sorte de ser perto de casa, em todo caso sempre revise essa peça para evitar um transtorno maior.

Existem diversas bombas que “servem” para o carro, mas de fabricação chinesa um tanto quanto duvidosa. Enquanto uma bomba original da Bosch custava R$ 1.700, uma bomba chinesa custava R$ 400. Bem eu não quis arriscar e acabei importando uma pela Amazon e em três dias a bomba estava nas minhas mãos.

O carro voltou ao mecânico onde verificamos que algumas peças estavam muito ruins — amortecedores dianteiros e traseiros, duas mangueiras de combustível, rolamento do cubo de roda e o cubo. Essa conta saiu cara: R$ 3.000 de amortecedores (Bilstein), R$ 800 entre cubo e rolamento, R$ 600 de mangueiras, R$ 1.700 reais da bomba de combustível e mais um tanto da mão-de-obra.

Aparentemente o carro estava com a mecânica em dia. Hora de dar um trato no interior, que eu já havia limpado minimamente umas seis vezes, mas ainda sentia muito cheiro de pó e era quase impossível andar com os vidros fechados por conta disso. Foi aí que busquei ajuda profissional e descobri que um amigo de infância da minha noiva trabalhava com estética automotiva. Fui até a Garagem 276 na Vila Ema, ondei deixei a Meca sob os cuidados do Diego Fabretti para uma higienização interna. O carro voltou perfeito depois de uma semana de muito trabalho para limpar todos os cantos possíveis e imagináveis de um interior que havia acumulado anos de anos de poeira mofo e sabe-se lá mais o quê.

Um mês depois fiz a primeira viagem com a Melancia, fomos a Monte Verde!

Foram mais de 300 km de estrada que serviram como prova de fogo, finalmente a mecânica estava confiável! Nesse meio tempo participamos de alguns eventos de carros. Encontro mensal do Clube Mercedes no New Dog:

Encontro de carros antigos organizado pela Universo Marx, onde o Shark do Sergio foi premiado!

Fomos capa do post de quinta-feira do Overlap a convite do Felipe Dastre:

Bom pessoal, este foi o segundo capítulo! Espero que tenham gostado. Em breve conto a vocês como essa restauração termina. Feliz ano novo para todos vocês e que este ano de 2019 possibilite a todos os gearheads de plantão a realizarem seus sonhos! Um abraço e até o próximo capítulo.

Matérias relacionadas

Palio de rali: a suspensão e os equipamentos de navegação do Project Cars #217

Leonardo Contesini

Project Cars: confira os novos participantes eleitos por vocês na última chamada de 2015!

Juliano Barata

Project Cars #80: a despedida do meu Subaru Impreza GL AWD

Leonardo Contesini