FlatOut!
Image default
Car Culture Projetos Gringos

Quadros renascentistas recriados em uma oficina mecânica são nosso tipo de arte

Um dos nossos tipos de arte, na verdade. Também adoramos réplicas extremamente detalhadas de motores e pôsteres de corrida, por exemplo. Só que a gente nunca teria imaginado que usar uma oficina mecânica como cenário para recriar algumas das mais famosas pinturas da Renascença.

Para quem não lembra, a Renascença (ou Renascimento) foi um período entre o fim do século XIV e o início do século XVII que trouxe diversas mudanças na política e na cultura do Velho Mundo. Ainda que a exata duração da Renascença ainda seja motivo de debate entre os estudiosos, todos aceitam que o período trouxe grandes transformações no modo de vida dos europeus.

renaissance

Além de romper com o sistema político feudal e com as estruturas medievais, a Renascença também trouxe novas visões sobre ciência, religião, filosofia e arte. As pessoas começaram a procurar explicações científicas e racionais para acontecimentos históricos e fenômenos naturais antes atribuídos unicamente à vontade divina; a tentar colocar o ser humano no centro de questões filosóficas e a aperfeiçoar técnicas artísticas com mais atenção aos detalhes, ao realismo e à perspectiva.

Sistina-interno mona_lisa 1280px-Sandro_Botticelli_-_La_nascita_di_Venere_-_Google_Art_Project_-_edited

Algumas das pinturas mais famosas de todos os tempos são da Renascença: a “Mona Lisa” (ou La Gioconda) e “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci; “O Nascimento de Vênus”, de Botticelli e os afrescos da Capela Sistina, de Michelangelo, são só alguns exemplos. Todos eles demonstram que a representação foto-realista, os efeitos de luz e sombra e a perspectiva começaram a ter muito mais importância na pintura.

Não é à toa que milhares de recriações e reproduções de pinturas renascentistas já foram feitas. E por que estamos falando disso tudo aqui no FlatOut?

Por causa do trabalho de Freddy Fabris, fotógrafo nascido em Nova York e criado em Buenos Aires, na Argentina. Ele trabalha com retratos e imagens conceituais há mais de 20 anos, e sua mais recente série de fotografias, Renaissance, consiste em releituras de pinturas renascentistas. O que as torna apropriadas para aparecer por aqui é o cenário escolhido: uma oficina mecânica.

De acordo com o Huffington Post, Fabris sempre quis homenagear as pinturas renascentistas, mas apenas recriá-los como fotografias não seria suficiente. Como ele próprio escreveu no Huffington Post:

Eu queria respeitar a estética das pinturas, mas precisava dar um jeito de adicionar uma pegada conceitual que adicionasse uma nova “camada” às obras originais. Tirá-las de seu contexto original, mas ainda assim manter sua essência. Por acaso acabei encontrando uma oficina antiga no centro-oeste dos EUA, e isto foi o que deu início à série. O lugar implorava para ter algo fotografado ali, e lentamente as ideias começaram a assumir seus lugares.

Fica fácil entender o que ele diz quando observamos as fotografias. Fabris escolheu três pinturas renascentistas emblemáticas: “A Criação de Adão”, de Michelangelo; “A Lição de Anatomia do Doutor Tulp”, de Rembrandt; e o já citado “A Última Ceia”, de Da Vinci. A composição básica das cenas é fiel, mas os elementos mudam.

renascimento-3 Creación_de_Adán_(Miguel_Ángel)

Na “Criação de Adão”, em vez de Deus criando o primeiro homem a pisar na terra, temos um mecânico experiente passando uma chave para um cara mais jovem. O simbolismo é forte, aqui: é como se a chave não fosse a única coisa que estivesse trocando de mãos, mas também o conhecimento de anos lidando com carros.

renascimento-5 Leonardo_da_Vinci_-_Last_Supper_(copy)_-_WGA12732

Já na “Última Ceia”, a mesa é definitivamente mais apertada e faltam três apóstolos, mas o resultado não deixa de ser bacana. Repare na roda atrás da cabeça do cara de cabelo comprido — detalhe bem sacado que funciona muito bem.

renascimento-4 0146jpg

Por fim, temos “Aula de Anatomia”, do holandês Rembrandt von Rijn. A pintura original representa uma aula de anatomia (sério) ministrada pelo Dr. Nicolaes Tulp, que explica a anotomia do braço a um grupo de colegas médicos. A história diz que a cena retratada aconteceu em 1632, época em que o conselho de cirurgiões de Amsterdã só permitia uma dissecação por ano e dizia que o corpo deveria ser de um criminoso executado. Na fotografia de Fabris, porém, o objeto de estudo são diversas peças de carro. Obviamente.

renascimento-6 renascimento-2 renascimento-1

A obra de Rembrandt também inspirou alguns retratos dos mecânicos. Eles reproduzem com muita fidelidade o estilo do pintor holandês, que explorava bastante o contraste entre modelos iluminados sobre um fundo escuro.

Você pode conferir mais sobre o trabalho de Freddy Fabris em seu site.

[ Dica do leitor Crazy_Finnish ]

 

Matérias relacionadas

Isto é um Toyota GT86 com o V8 da Ferrari 458 Italia – e vai ser um carro de drift!

Dalmo Hernandes

Estes são os carros que mais envergonharam nossos leitores

Dalmo Hernandes

2.000 cv, 0 a 300 km/h em sete segundos: a fúria do Nissan GT-R Alpha Omega

Dalmo Hernandes