A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Pergunta do dia

Quais são os conta-giros mais estilosos e icônicos já feitos?

Meu carro não tem conta-giros – para o uso cotidiano de alguém que trabalha em home office e só usa o carro aos fins de semana, o painel simples do Mille Economy, com um econômetro, dá conta de segurar o pé direito. Se eu quero esticar, já conheço o ronco do carro o bastante para saber a hora certa de subir uma marcha.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em oficinas ou lojas parceiras.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

Se eu queria que ele tivesse um conta-giros? Pode apostar. Se a manifestação auditiva das rotações subindo é o ronco do motor, cada vez mais alto e agudo, o feedback visual é dado pelo conta-giros. Ele pode não ser absolutamente essencial para dirigir um carro no cotidiano, mas ele te ajuda a visualizar a comunicação entre o seu pé direito e o motor. E, se souber o que fazer com a informação que o conta-giros te dá, você pode dirigir melhor – seja na rua, na estrada ou, principalmente, na pista. Dá até para saber a velocidade do carro usando apenas o conta-giros e alguns cálculos, conforme ensinamos aqui.

Na pista, o conta-giros te ajuda a colocar-se na faixa de rotações ideal para trecho do circuito, sendo este um dado mais importante no momento do que a velocidade do carro. Seja em um carro de competição, seja com seu daily em um track day.

Tudo isto faz com que o conta-giros seja tratado de forma especial por muitas fabricantes. Algumas fazem dele um elemento central no quadro de instrumentos, a ponto de tornar-se uma marca registrada do interior e deixando claras as intenções do carro. Outras aproveitam para colocar uma dose de personalidade no instrumento, criando uma característica distinta, uma assinatura, ou uma identidade visual marcante –  o conta-giros torna-se um elemento de design. E há, claro, a beleza da função, um projeto tão bem executado e correto que vira ícone de forma natural, sem esforço.

Qual é o seu conta-giros favorito? É o que queremos que vocês nos contem nos comentários. Nós também temos três sugestões – cada uma delas com as características descritas no parágrafo acima.

O primeiro deles é este aqui, adorado pelos fãs de muscle cars:

Quem entende dos icônicos esportivos americanos dos anos 60 e 70 sabe exatamente qual foi o carro que introduziu o conta-giros no capô: o Pontiac GTO de 1967. Ele tinha um conta-giros no painel, como de costume, mas também oferecia como opcional um conta-giros redundante no capô, à frente do motorista. Segundo a fabricante, era uma forma de ajudar o motorista a saber a quantas girava o motor sem tirar os olhos da estrada à sua frente.

De alguma forma, o conta-giros no capô até podia mesmo ajudar o condutor a concentrar-se no caminho à frente sem desviar o olhar. O que também acabava sendo útil para saber a hora de trocar as marchas em arrancadas ou pegas de semáforo – afinal, estamos falando de um muscle car com um V8 de 400 pol³ (6,6 litros) com carburador Rochester Quadrajet e 365 cv a 5.100 rpm, além de 60,1 kgfm de torque a 3.600 rpm. É claro que rolaram pegas de semáforo.

O conta-giros no capô era retro-iluminado e protegido por uma cobertura na cor do carro, montado diretamente no capô. Embora o senso comum questionasse a real necessidade de um relógio extra, exposto aos elementos e a mãos alheias, o opcional mostrou-se bem popular e foi oferecido para o GTO até 1970, sendo praticamente obrigatório no emblemático GTO “The Judge”.

O sucesso do hood tach fez com que outras marcas do grupo, como a Oldsmobile, adotassem o equipamento opcional. Rivais também o fizeram – como a AMC, fabricante que desafiou as gigantes de Detroit com seus carros baratos e de visual inventivo. O conta-giros abaixo fica no capô do AMC Rebel 1970.

And now for something completely different. Se e gostamos do charme old school do conta-giros de capô, também apreciamos algo mais tecnológico e racer – como o conta-giros do McLaren 720S.

O supercarro com motor V8 4.0 biturbo de 720 cv não possui um painel digital simples: ele é uma peça dupla, giratória. Na maioria dos modos de condução, o painel do McLaren 720S traz um conta-giros em barra no topo e as demais informações abaixo dele – velocidade, temperatura, hodômetro, marcador de combustível, consumo instantâneo, cronômetro e outros dados configuráveis.

No entanto, ao colocar o carro no modo Track, o quadro de instrumentos gira e passa a usar uma tela muito menor, apenas com as informações essenciais: velocímetro digital e um conta-giros horizontal em destaque, além de uma shift light.

Agora, há conta-giros que são bacanas por serem tradicionais e funcionais. É o caso do conta-giros do Porsche 911 – em todas as suas gerações e versões.

Desde 1963 o conta-giros do Porsche 911 é a peça central de um conjunto de cinco mostradores. Ele é maior e fica em destaque, no centro, com números grandes e muito claros, fáceis de enxergar. O velocímetro fica do lado direito, e os demais instrumentos variam de acordo com o ano de fabricação e a versão.

O atual 911, geração 992, adotou pela primeira vez um cluster de instrumentos digital. Mas não totalmente: há quatro mostradores circulares digitais, dois de cada lado, e um orgulhoso conta-giros analógico no centro. Embora também tenha sua tela digital no miolo, o conta-giros em si ainda usa números em uma fonte simples, sem decoração exagerada, e um ponteiro físico. Isto não deve – e nem pode – mudar tão cedo.

Estes foram apenas três exemplos de conta-giros estilosos e icônicos que reunimos para ilustrar a questão – há muitos outros mais. Assim, queremos saber: qual é o seu favorito (ou quais!), e por quê? Manifeste-se nos comentários!

Matérias relacionadas

Qual é o melhor esportivo com menos de 150 cv já produzido?

Dalmo Hernandes

Quais são as soluções de engenharia mais estranhas já usadas nos carros?

Dalmo Hernandes

Quais foram as chegadas mais disputadas da história do automobilismo?

Dalmo Hernandes