A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Carros Antigos

Quando a Alfa Romeo fabricou um carro francês

A Alfa Romeo é mesmo uma fabricante de diversas faces – e todas elas verdadeiramente entusiastas… ou quase. Isto porque, na década de 1960, a Alfa Romeo decidiu recorrer aos franceses da Renault para oferecer um carro popular na Itália. E eles optaram por vender o pequeno Dauphine – sim, o carro que tinha fama de “desmanchar sem bater”, com a marca Alfa Romeo. E como você notou, ele não tinha um coeur sportif.

Ainda não é assinante do FlatOut? Considere fazê-lo: além de nos ajudar a manter o site e o nosso canal funcionando, você terá acesso a uma série de matérias exclusivas para assinantes – como conteúdos técnicoshistórias de carros e pilotosavaliações e muito mais!

 

FLATOUTER

Plano de assinatura com todos os benefícios: acesso livre a todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site, download de materiais exclusivos, participação em sorteios e no grupo secreto no Facebook (fique próximo de nossa equipe!), além de veiculação de até 7 carros no FlatOuters e até 3 anúncios no site GT40, bem como descontos em nossa loja, oficinas e lojas parceiras*!

R$20,00 / mês

*Benefícios sujeitos ao único e exclusivo critério do FlatOut, bem como a eventual disponibilidade do parceiro. Todo e qualquer benefício poderá ser alterado ou extinto, sem que seja necessário qualquer aviso prévio.

CLÁSSICO

Plano de assinatura na medida para quem quer acessar livremente todas as edições da revista digital do FlatOut e demais matérias do site1, além de veiculação de até 3 carros no FlatOuters e um anúncio no site GT402.

De R$14,90

por R$9,90 / mês

1Não há convite para participar do grupo secreto do FlatOut nem há descontos em nossa loja ou em parceiros.
2A quantidade de carros veiculados poderá ser alterada a qualquer momento pelo FlatOut, ao seu único e exclusivo critério.

O acordo foi firmado em 1958. Até então, o carro mais barato da Alfa Romeo era o charmoso Giulietta, vendido em diversas opções de carroceria e sempre com o motor Twin Cam de 1,3 litro, cuja potência variava de acordo com a taxa de compressão e os carburadores escolhidos. O modelo mais em conta era a Giulietta Berlina, com carroceria de quatro portas, carburador de corpo simples, taxa de compressão de 7,5:1 e 53 cv. Era possível, porém, comprar uma Giulietta cupê fastback, a Sprint Veloce Speciale, que usava dois carburadores de corpo duplo e, com taxa de compressão de 9,7:1, chegava aos 100 cv.

A Giulietta Speciale era, em essência, a prova de que mesmo o mais barato dos Alfa era ainda sofisticado demais para ser um carro de entrada. A Alfa Romeo precisava de um automóvel simples de verdade para ocupar esse segmento. E, na década de 1960, dificilmente podia-se ser mais simples que o Renault Dauphine sem apelar para o VW Fusca ou o Citroën 2CV, por exemplo.

Talvez você esteja se perguntando por que a Alfa Romeo não recorreu aos conterrâneos da Fiat para um badge engineering com o Fiat 500, que havia sido lançado pouco tempo antes, em 1957. Isto talvez se deva a duas coisas: primeiro, a Fiat e a Alfa Romeo ainda não eram tão ligadas àquela altura. Segundo, a Alfa Romeo estava interessada em explorar o mercado francês, e um acordo com a Renault parecia a solução perfeita.

A Alfa Romeo entraria com a fabricação e comercialização do Dauphine na Itália, com peças enviadas da França para a fábrica em Milão, e a Renault ficaria encarregada de vender os Alfa Romeo na França. Todo mundo saía ganhando.

A fabricação do Dauphine Alfa Romeo começou em junho de 1959, em uma linha de montagem dedicada na fábrica de Milão, inaugurada pelo próprio presidente da Renault na época, Pierre Dreyfus. A única diferença visível entre um exemplar Alfa Romeo e um Renault eram os emblemas, mas também havia um sistema elétrico de 12 volts fornecido pela Magneti-Marelli – o Dauphine francês tinha elétrica de 6 volts.

O carro evoluiu de forma muito semelhante ao que ocorreu no Brasil – primeiro, o carro era equipado com um motor Ventoux de 845 cm³ e 26 cv líquidos (ou 31 cv brutos), adotando já em 1960 uma versão mais potente do mesmo motor, com comando de válvulas mais bravo, maior taxa de compressão e escape menos restritivo – chegando assim aos 32 cv (ou 40 cv brutos). O motor mais forte era acompanhado de uma nova caixa de quatro marchas, pois antes eram três – uma forma de explorar melhor o rendimento do motor.

Ainda em 1960, no mês de outubro, foi lançada a versão Ondine Alfa Romeo, que tinha a mesma mecânica, porém acabamento mais luxuoso – até onde era possível para um carro de entrada. Na prática, isto resumia-se a tecido cotelê nos bancos e portas e detalhes no volante que combinavam com o revestimento.

O Dauphine Alfa Romeo fez relativo sucesso na Itália – só no ano de estreia foram vendidos 6.452 exemplares, número que saltou para 20.047 carros no ano seguinte. A partir daí, porém, as vendas começaram a diminuir novamente – 19.297 carros em 1962, 6.347 carros em 1963, 6.447 carros em 1964 (ano em que foram adotados freios a disco) e 3.120 carros em 1965. No último ano de produção do Dauphine italiano, apenas 345 unidades foram vendidas.

No total, 73.841 unidades do Dauphine Alfa Romeo (contando a versão Ondine) foram vendidas, desempenho semelhante ao que ocorreu no Brasil, onde 74.627 exemplares foram emplacados entre 1959 e 1967.

Depois do Dauphine, a Alfa Romeo decidiu concentrar-se em sua linha intermediária, composta pela família Giulia – mesmo o Giulietta foi descontinuado. A Alfa só tornou a ter um carro popular em 1971, quando foi lançado o primeiro Alfasud, que desta vez era um projeto da própria Alfa Romeo, e bem mais moderno: um hatchback com motor e tração na dianteira, primeiro modelo da marca com esta configuração mecânica.

O Alfasud veio a ser um dos automóveis mais bem sucedidos da Alfa Romeo, com mais de 890.000 unidades vendidas entre 1971 e 1983.

Matérias relacionadas

Do Iso Grifo Competizione ao Porsche 356 mais antigo do mundo: a coleção mais incrível que você não conhecia

Dalmo Hernandes

Uma viagem de oito cilindros: de Brasília a Florianópolis com um Dodge Dart 1973 – Parte Final

Leonardo Contesini

O verdadeiro Ford Falcon “Interceptor” de Mad Max está à venda

Dalmo Hernandes
error: Direitos autorais reservados