A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture FlatOut Revival

Quando a Rainha Elizabeth II mostrou a um rei machista que mulheres mandam bem ao volante

Eu não tinha nem cinco anos completos quando minha mãe me colocou no banco do passageiro do nosso Escort 88 novinho com minha avó e minha irmã ainda bebê no banco traseiro para visitar minha tia no Rio de Janeiro. Era uma viagem curta, não chegava aos 200 km, mas era na Dutra, que não era uma rodovia muito segura na época. Além disso era uma moça de 30 anos com duas crianças  e uma senhora de quase 60 anos no banco traseiro entrando em uma cidade com a qual ela não era assim tão familiarizada. Não era algo extraordinário, mas também nunca foi um problema para ela. Minha mãe aprendeu a dirigir nova. Meu avô não era o típico pai de menina: "Quer dirigir? Então vai ter que trocar o pneu do carro sem minha ajuda". E foi assim que começou a relação de minha mãe com os carros: trocando o pneu de um Opala 1970 3800 com câmbio na coluna. Meus pais quase sempre tiveram somente um carro. Não precisavam de dois: minha mãe deixava meu pai no trabalho e ficava com o carro o dia todo.

Matérias relacionadas

Laços de família: quem é de quem no mundo automotivo?

Leonardo Contesini

A incrível arte de trocar um câmbio em menos de cinco minutos

Leonardo Contesini

Projetores de LED Fantasma OWL: porque rodas coloridas são fáceis e baratas demais

Dalmo Hernandes