Quando Alain Prost e Ayrton Senna decidiram o campeonato de F1 batendo seus carros

Leonardo Contesini 15 setembro, 2014 105
Quando Alain Prost e Ayrton Senna decidiram o campeonato de F1 batendo seus carros

A corrida inaugural da Formula-E foi um marco na história do automobilismo e pode significar o início de uma nova era no esporte motorizado. Afinal, são os carros elétricos tão prenunciados como o futuro do automóvel acelerando ao máximo em pistas de todo o mundo nas mãos de pilotos de ponta.

Agora, se você é fã de Fórmula 1, deve ter visto uma certa coincidência ao final da corrida. O francês Nicolas Prost, filho de Alain Prost, liderava a prova quando o alemão Nick Heidfeld tentou utrapassá-lo por dentro na última curva. Prost aparentemente não percebeu a manobra de Heidfeld e fechou a passagem mantendo seu traçado da curva. Repare que Nicolas olha para o retrovisor direito e vê o alemão atrás de seu carro, mas prossegue com a trajetória pois talvez não tenha escutado a aproximação do rival (até por que não há muito para escutar).

Obviamente a batida não foi proposital — Nicolas e Nick são amigos e parceiros na equipe Rebellion do WEC e, sinceramente, é difícil acreditar que alguém seja capaz de trocar um segundo lugar por um DNF (did not finish) só para defender sua posição. Ainda mais sendo filho do “professor”.

E então chegamos a tal coincidência mencionada anteriormente: o acidente de Nicolas Prost foi muito semelhante aos acidentes que envolveram seu pai, Alain Prost, e Ayrton Senna nas decisões de título de 1989 e 1990. É deles que iremos falar neste post.

 

The treta has been planted

Quando a F1 chegou ao Japão em 1989, Alain Prost liderava o campeonato daquele ano com 16 pontos de vantagem em relação  a Senna, o segundo colocado. Para ter chances de conquistar o bi-campeonato, Senna precisava vencer a prova japonesa e também a prova seguinte, na Austrália. A relação entre os dois já estava abalada desde o GP de San Marino, no começo da temporada, quando Senna ignorou um acordo firmado com Prost no qual o piloto que chegasse na frente à primeira curva, manteria a posição.

Na corrida japonesa o brasileiro fez a lição de casa e conquistou a pole position com 1,7 segundo de vantagem sobre Prost, que ficou com o segundo lugar no grid.

image-3-for-artyon-senna-gallery-17509798

Na largada, contudo, Prost arrancou melhor e assumiu a liderança, deixando Senna em segundo. O francês abriu vantagem até a volta 20. Na volta seguinte o francês fez a segunda parada nos boxes para trocar pneus. Senna parou duas voltas depois, mas sua troca de pneus demorou dois segundos a mais que a de Prost. Senna então começa a imprimir um ritmo cada vez mais forte para alcançar Prost. Na volta 40 ele chegou e na 46ª volta a diferença entre os dois era de apenas meio segundo.

Precisando vencer, Senna prepara o ataque a Prost na volta 47. Ele tenta a ultrapassagem pelo lado de dentro da primeira perna da chicane. Prost por sua vez se defendeu antecipando a entrada da curva e ambos se tocaram indo parar na área de escape. Com os carros encaixados, Alain Prost abandonou a corrida ali mesmo, mas Senna está determinado a vencer e por isso pediu ajuda aos fiscais de pista para voltar à corrida, fazendo seu carro pegar no tranco e voltando à pista depois de atravessar a área e escape.

No enrosco o bico do McLaren de Senna foi danificado, obrigando Senna a voltar aos boxes para trocar a peça. Enquanto isso Alessandro Nannini da Benetton assume a liderança. Duas voltas depois, Senna está colado em Nannini e faz a ultrapassagem sobre o líder no mesmo lugar onde tentou ultrapassar Alain Prost. Senna completa a manobra e corre para a vitória do GP.

Contudo, antes do pódio Senna é chamado para esclarecer o acidente com Prost e depois de uma longa reunião com os comissários da FIA, o brasileiro foi desclassificado da prova por ter usado a área de escape e recebido ajuda dos fiscais de pista. Ele também foi acusado de direção perigosa, e acabou punido com seis meses de suspensão e uma multa de US$ 100.000.

Sobre o acidente, Prost limita-se a dizer que não abriu passagem para Senna, o que significa que aquela curva era sua, e que o culpado pelo acidente foi o brasileiro. Prost sempre foi conhecido por sua pilotagem limpa e cerebral, e nunca como um piloto agressivo nas disputas de posição.

89jap72

Ron Dennis, da McLaren, por sua vez, comprou a briga de Senna, colocando-se indiretamente contra o francês — algo inédito na história da Fórmula 1, segundo Prost: “Este é a primeira vez que eu vejo uma equipe posicionar-se contra seu próprio piloto”, disse o francês que no ano seguinte assinou contrato com a Ferrari. A defesa de Dennis é que a área de escape serve como uma passagem, e que nunca um piloto fora punido por usá-la para voltar à pista, o que tornaria a decisão completamente arbitrária contra Senna.

Com a punição de Senna, Prost conquista o título  — seu terceiro título da carreira e o último pela McLaren.

Prost_WC_1989

 

A vingança

No ano seguinte, 1990, a Fórmula 1 voltou ao Japão com uma situação semelhante, porém inversa: Senna tinha a vantagem de pontos e Prost precisava vencer a corrida para ter chances de ser campeão. Pelo terceiro ano consecutivo a decisão do campeonato estava nas mãos de Senna e Prost, e pela terceira vez, a decisão seria em Suzuka.

senna-prost-1990-suzuka--1

Senna, como já havia virado tradição, conseguiu a pole position — a 51ª de sua carreira. Acontece que em Suzuka, desde 1987, o piloto da pole position largava no lado direito da pista — fora da linha ideal. O próprio Senna havia largado nesta posição em 1988 e em 1989. Nas duas ocasiões ele largou mal — em 1988 ele caiu para 14º e em 1989 perdeu a ponta para Prost e mais tarde se envolveu no acidente que definiu o título.

Na corrida de 1990 antes mesmo dos treinos de classificação começarem, Senna tentou convencer os fiscais de prova a inverter as posições de largada do grid. A solicitação parecia ter sido atendida, mas quando conquistou a pole, ele soube que as posições originais haviam sido mantidas. Senna largaria no lado sujo novamente e estava convicto de que aquela decisão contrária a ele tinha a mão de Balestre.

Logo depois, no briefing dos pilotos antes da corrida, ficou acertado de que eles não seriam desclassificados por usar a área de escape na chicane, como acontecera no ano anterior com Senna. Ele obviamente ficou enfurecido com a situação e deixou o local.

Na largada, Prost saltou à frente de Senna e tomou a liderança. O brasileiro manteve-se logo atrás do francês. A liderança não duraria muito. Na curva 1, Prost foi para o meio da pista e depois voltou para a esquerda, enquanto Senna se meteu no espaço que havia sido aberto pelo francês. Prost aliviou o acelerador e iniciou a manobra para contornar a curva. Nesse momento Senna, que estava a cerca de 210 km/h, atingiu a roda traseira da Ferrari de Prost e os dois foram direto para a caixa de brita.

Quando a poeira baixou, cada um saiu de seu carro e ambos voltaram aos pits caminhando por caminhos diferentes. Senna apenas perguntou se a corrida seria interrompida. Com a negativa, Senna tornou-se campeão mundial de 1990.

A corrida ainda marcou um momento histórico para os torcedores brasileiros: ela foi a última dobradinha brasileira na Fórmula 1. Os pilotos da Benetton Nelson Piquet e Roberto Moreno — amigos desde a adolescência em Brasília (DF) — conquistaram o primeiro e o segundo lugar respectivamente.

Zgn84gd

  • Leonardo Mendes

    Japão 1990
    Vergonha alheia define.

    • Braulio Pinto

      Aí, tipo. No Japão foi uma vergonha vergonhosa, saca. Bate numa Deusa de propósito num tem perdão, saca. Na boa, valeu.

    • Lucas dos Santos

      Em uma antiga coluna do GPTotal (http://www.gptotal.com.br/2005/Convidados/Ernesto/20051020.asp), o colunista Ernesto Rodrigues (autor do livro “Ayrton, o herói revelado”) cita uma entrevista em que o Senna fala sobre o “acidente” de 1990:

      […] E chegou o momento em que Senna, por conta própria, disse que o que aconteceu em Suzuka, em 1990, na batida com Prost logo depois da largada, foi a forma que ele encontrou de provar que o que fizeram em 89 tinha sido uma “má decisão”: “Balestre deu ordem para não mudar a posição do pole. Aí eu disse: ok, a gente tenta trabalhar, tenta trabalhar limpo e fazer o trabalho direito e acaba se fodendo por causa de pessoas estúpidas. E eu disse pra mim mesmo: tudo bem, amanhã eu vou mostrar toda a verdade. Se na largada, por eu estar do lado errado, o Prost pular na frente e conseguir me tirar a posição, na primeira curva eu vou pra briga. E é melhor que ele não vire, porque não vai conseguir. E a coisa simplesmente aconteceu”.

      Se é verdade, eu não sei.

  • Barba

    Prost sensacional,
    Sacaram o trocadilho ? Post sensacional ^^

  • Braulio Pinto

    Aí, tipo. Na boa, saca. Num é porque so brasuca que vo fica babando ovo e tal nos brasucas, saca. Mas o Senna nos 2 “acidentes” foi o culpado. Só num ve quem é viúva alegre, saca. Vo ponha um vídeo curtinho do primeiro “acidente”. Reparem que aos 6 segundos do vídeo o carro do Senna num tava nem lado-a-lado do carro do Professor, saca. Tava atrás ainda. Então o Senna que deveria ter segurado e tentado ultrapassar na próxima volta. Tipo. Se ele tivesse já na frente e tal do Professor, blz. Mas não. Tava atrás ainda e queria que o ??? Que o Professor parasse o carro pra ele passa ??? Senna ridículo demais, saca. E a decisão do Balestre foi correta de desclassifica o Senna. Pois Senna jogo sujo, saca. Até hoje eu aplaudo a decisão do Balestre. Professor mereceu o título de 1989. Agora em 1990 Senna que já tinha jogado sujo em 1989, se rebaixo até o limbo mais limboso, saca. Jogo a porcaria do McLanche pra cima da Deusa !!!!! PRA CIMA DA DEUSA, POR.RA !!!!! Esse deve ta sofrendo nas mãos do Deus Enzo lá no Céu Vermelho, saca. Na boa, valeu. https://www.youtube.com/watch?v=AcIktUlUMqQ http://numseiquela.zip.net/images/Balestre.jpg http://f1.imgci.com/PICTURES/CMS/9900/9929.jpg

    • Marcos URS4

      Minha nossa, quanta besteira de uma pessoa só.. No segundo acidente até concordo com você mas no primeiro, tenha dó né….

    • lightness RS

      Se ele tivesse pilotado uma Ferrari seria o seu deus né Braulio Pinto Rêgo ? hahahhahhahhh

      • Hawkalpin

        Se ele não tivesse morrido em 94, talvez ele teria pilotado uma em 95. Já havia conversas entre ele e o Montezemolo.

    • Alexandre

      Quanto mimimi pqp, sua opinião é muito tendenciosa, saca? HUAHUAHUAHUAHUA

    • Leonardo Fournier

      Piquet mitou na última foto…rs

      • Fernando Biazon

        Só se ele tiver 3 braços…

        • Braulio Pinto

          Piquet Tripé, saca. rsrsrsrs

    • Doge

      Não tem problema, o troco veio no ano seguinte e o Comendador ficou com cara de bosta.

      • Pedro Gomes

        Talvez ele até tenha sido culpado. Mas o que fizeram em 1989 (e 1990 também) com ele é muita sacanagem.

      • Alex Dos Santos

        Com certeza!

        Deu o troco na mesma moeda. E a cara dele com vontade de rir na entrevista diz tudo, aliviado!

    • Tiago Oliveira

      “Aí, tipo, saca ?????exclamação????”, aprende a escrever antes de falar tanta abobrinha. Procura no YouTube o acidente de 89 em Suzuka, e compare o momento em que o Prost vira o volante na chicane na volta do acidente e na volta anterior. Ele antecipa a entrada na curva, batendo de propósito.

      Agora, veja o acidente da Formula E. O Prost vira o volante pra esquerda como se fosse entrar na curva, mas sem abrir pra fazer a tangência e 2 segundos antes de como fez em todas as outras voltas. Foi só “acidente”?

      Sobre 1990, Senna fez o certo? Não, mas acho que não fui o único que comemorou e gritou “Chupa, Prost!” quando vi.

      • Alex Dos Santos

        Em 89, o Senna teria feito a mesma coisa.

        Jogando com o “Regulamento” em baixo do Volante fica mais fácil.

      • André

        da pra ver que o Prost virou MUITO antes da entrada da chicane justamente pra prejudicar senna.

    • ituano_voador

      Em 1989 Senna forçou uma situação que resultou em um incidente de corrida – tanto é verdade que não aconteceu absolutamente nada com os dois McLarens, fora o spoiler dianteiro do carro de Senna. Senna se valia muito desse expediente, de forçar uma situação em que o adversário só tinha duas opções: ou cedia ou batia. Em 89, Prost não cedeu, o que é compreensível quando se vê que disputava o título. O grande problema foi o corte da chicane na hora de voltar à pista, e quem assistir à corrida (tem ela inteira no youtube) vai poder ver que até o Galvão Bueno, na hora do acontecido, disse que aquela manobra que Senna fez para voltar à pista poderia causar problemas, o que acabou ocorrendo.
      Já sobre 1990 não há muito o que falar.

      • Alex Dos Santos

        Acho que usaram a “desculpa” errada…

        Podiam ter dito que o Senna recebeu ajuda dos fiscais de pista “empurrando” o carro, até ai eu concordo.

        Agora a área de escape foi mto cara de pau, até o Ron Dennis ficou puto da vida. Tremenda politicagem.

        O Senna na situação do Prost teria feito o mesmo, só acho que teria ficado no carro, e só saído se o outro tivesse saído, o Prost foi “burro” nisso, ele já saiu “Like a boss”, mas qdo viu o Senna voltando, pensou “FODEU!”.

    • João Pedro C Tavares

      você só fala besteira né? ou quer ser do contra? antes veio reclamar q a galera aqui gosta de carro potente, mais divertido de dirigir, falando que a spin é melhor que 850r e a rs2, agora isso. E vai fazer umas aulinhas de português, saca?

      • Braulio Pinto

        Aí truta, tipo. Sr.Braulio aqui tem opinião própria, saca. Num vo cas manada, saca. Senna em 1989 forço uma ultrapassagem impossível, saca. O que ele queria era joga o Professor pra fora da pista e fica na boa e tal, saca. O Professor não cedeu e lasco cos 2. Mas quem fez mer.da ali ??? Senna. Mesmo se Senna num tivesse cortado parte da pista na sua volta, ele seria desclassificado, saca. Pois jogo sujo com o Professor. É só ve o vídeo que ponhei, saca. Onde Senna iria passa ali com metade do carro atrás do carro do Professor ??? E ainda tem viúva que culpa o Professor pela batida. rsrsrsrsrssrs Na boa, valeu. PS1.: curto LaSpin sim com seus 710 litros de porta-malas e estilo único. PS2.: Volvo 850 é horrível, puro rabecão, saca. PS3.: Audi RS2 pra mim tem visual de Parati manolada, saca. PS4.: acho que vo cata o XOne, saca.

        • Alvaretts

          PS4 auehuaehuaehuaheuheauheauhea!!!!

          Acho que ele troll, galera, levem a sério não, saca!

          • Alex Dos Santos

            Eu dou mto risada! haahahahahaha!!!

            É demais…

            Senna viu a DEUSA, e CRÉÉÉU!!!!

          • André

            kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    • Henrique Ferreira Lima

      Eu vou concordar que o Senna foi culpado nos dois acidentes, mas vou discordar da punição e da atitude do Professor. Com todo o respeito, se o cara que é considerado pelas suas corridas cirúrgicas dá uma dessas em 89, pelo menos tinha que perder o diploma. O Senna levou a culpa pq enfiou o carro onde tinha espaço pra uma Vespa, e o Prost tem parte de culpa pq poderia dar uma segurada na curva e tentar pegar o vácuo na reta, e por se aproveitar que o Balestre tbm é francês e os dois ficarem de mimimi e punir o Cara. Área de escape é pra escapar pô. Se o Cara tava preso ali, não tem como ligar o pisca-alerta e ouvir os pipipipipipipi do sensor, se joga a primeira e vamo embora! E em 90, certeza que ali foi vingança, pois o Senna falou que não iria tirar o carro e não tirou.

    • Neto Sai

      Senna nunca foi santo, muito menos um Deus. Piquet e Fittipaldi foram tão bons quanto ele ou até melhores… O problema é que Senna morreu no auge, tinha o puxa saquismo da Globo e o brasileiro bobão e alienado coloca o cara no topo do mundo como a melhor pessoa (e piloto) que ja existiu. Besteira! Foi um bom piloto? Não, foi excelente, um dos melhores!! Mas tbm foi humano e diga-se de passagem um belo playboy arrogante e mimado. Resumindo, mito ele foi e sempre será, mas mitos tambem sabem ser fdp e como disse o Sr. Bernie, “…pra ser campeão da F1 tem que ser canalha…”.

  • Gilberto Batista de Sousa

    Antes as corridas da F1 não tinham uma coisa que tem hoje. O politicamente correto. Os manos queriam ser campeões.. Hoje isso não pode, este outro tambem não pode, até acelerar muito não pode, por que o combustível não é suficiente para terminar a prova… a F1 perdeu demais.

    • André

      hoje em dia os cara se tocam em uma curva,não quebra nada,ninguem é prejudicado,ai um dos pilotos toma punição.

  • Marcos URS4

    Carro eletrico… pfff

  • Welington Leal

    Senna só ficou naquela desvantagem em 89 ao bater com Mansell , já desclassificado, no GP de Portugal.

  • Lucas Ap

    Depois disso só da pra concluir que o sobrenome Prost já deixa o piloto meio babaca? hahaha

  • Riashe

    Boa Noite saindo do assunto.

    O video já diz tudo.

    http://www.youtube.com/watch?v=Wi32Ktzxr4Q

    • Pedro Rafael

      O mais daora é o tiozão ali no fundo bem de boa só assistindo ahuahuahuahau

      • Riashe

        O que eu achei pior foi jogarem água,nos bancos,etc sendo que o fogo estava no motor.

        • AHSOliveira

          Tem sentido, para tardar as chamas caso se espalhasse, Mas e o extintor do carro?! Mesmo que não desse para extinguir o incêndio os resquícios do pó são tardantes.

    • Pé de Pano

      Deu pena.

    • ovelho306

      pó químico mano… tem de ser pó químico!!

    • Alex Dos Santos

      Fiquei esperando a explosão.

  • Raynon Caliari

    Não é por que sou brasileiro que vou ficar do lado do Senna, mas PQP!

    Senna podia não ser o piloto mais incrível, mas a injustiça fez parte de toda sua trajetória na F1. Meu nojo por Prost e Balestre começou em Monaco, quando Prost pedia e Balestre atendeu: A corrida estava cancelada por causa da chuva, e Senna estava muito, mas muito mais rápido que Prost, mais uma volta e Senna passaria “Você Sabe Quem”. Covardia é o nome disso, desumanidade é o nome disso, corrupção é o nome disso.

    Esta é minha opinião, não venho aqui para impor uma Briga entre certos e errados.

    E OBS: Falta revisão nas matérias do Flatout em…

    • Bernardo Faria

      Salvo engano, o próprio Balestre admitiu ter favorecido Prost de propósito antes de morrer. Corrijam-me caso esteja errado, por favor.

      • Raynon Caliari

        Os dois são Franceses cara, não tinha jeito!
        Nos pits os dois ficavam se abraçando, conversando, etc.
        É como se Prost fosse um filho para Balestre, etc, etc.

        • ovelho306

          a posto que, durante as CONVERSAS e ABRAÇOS eles faziam biquinho! KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

      • André

        Sim,ele disse que favoreceu o prost por que ele era frances (assim como ele) e era tambem um grande amigo.

    • NightRider

      Sobre esse episódio de Mônaco tem coisas que são esquecidas em nome do “Deus” Senna:
      – Prost perdeu o campeonato por meio ponto para o Lauda, se a corrida tivesse ido ate o fim e ele terminasse em segundo ganharia 6 pontos contra o 4,5 do jeito que terminou. Ou seja, seria campeão
      – a Toleman falou que se a corrida continuasse o Senna não terminava pois ia quebrar a suspensão, culpa dos ataques as zebras.
      – Se Senna tirava mais de 1 segundo por volta de Prost, Bellof (que também morreu na pista de forma trágica) tirava mais de 1 segundo por volta de Senna.
      A corrida foi sacana mesmo mas se tivesse continuado seria pior para Senna.

      • Iuri Matias Mieras

        Exato, tem muitos fatos que muita gente omite sobre o GP de Monaco de 1984 por ser conveniente para a “lenda do Senna”… Senna dificilmente venceria aquela corrida e nem era o mais rápido na pista.

        Assim como ninguém lembra de comentar que em 1989, Senna quebrou o acordo de cavalheiros que ele mesmo tinha proposto a Prost, o que já demonstra que muito caráter ele também não tinha.

        Ou ainda que o primeiro título de Senna (1988) foi obtido no tapetão graças ao regulamento bizarro da época, que penalizou Prost por ser mais constante (Prost terminou o ano com mais pontos e pódios).

        Senna era um grande piloto, com certeza era mais rápido e arrojado que Prost… mas bem menos inteligente e bem menos constante.

        • Daniel Peixoto

          Sobre esse acordo de cavalheiros que o Senna quebrou o Prost deu uma entrevista contando toda a história.
          Segundo o Prost, o acordo era pra que na largada, quem fizesse a primeira curva, manteria a posição até o fim da volta.
          Na largada o Prost faz a curva na frente, logo atrás teve um acidente e houve re-largada.
          Na re-largada, o Prost faz a curva na frente, e na segunda curva o Senna joga o carro pra cima dele, passa e vence a corrida.

          Depois da corrida ele vai tirar satisfação com o Senna e o Senna fala assim pra ele:
          _ O combinado era na largada, sobre a re-largada não combinamos nada.

          huahauhauahauahuhauhhauauha

          O Prost ficou furioso, mas na entrevista ele deixa claro que o Senna realmente acreditava naquilo, que a re-largada era totalmente diferente da largada e que não era maldade do Senna, apenas uma convicção maluca.
          Segundo o Prost, o Senna tinha as suas próprias regras e as seguia.

          • Hawkalpin

            É que nem ler por aí que o Senna deixou o Berger vencer no GP do Japão de 1991 por bondade e ser bom moço e não pelo jogo de equipe do Ron Dennis que obrigou ele quase parar o carro no meio da reta pro austríaco passar

            http://www.youtube.com/watch?v=OYCxvAMRbYw

            5:39 – Vergonha alheia do Galvão sabichão.

          • Alex Dos Santos

            Eu saaaabiaaaaa!

            TÍPICO DO GALVÃO!!

            HUAUHAUHAHUAHUAHUA

          • Dieki

            Ele era meio autista nesse negócio aí de regras mesmo. E a inconstância dele era notória. Win or wall…

          • Alex Dos Santos

            O Senna além de ganhar.

            Ele queria avacalhar com o Prost, quem não lembra daquela em Mônaco que ele deu volta em todo mundo, e queria dar uma volta no 2º colocado, o Prost.

            Deu uma lambada na mureta, ali ele aprendeu um pouco, que às vezes é preciso ter cabeça.

        • NightRider

          É a mesma coisa que penso, dentro do carro, na velocidade pura ele era imbatível, mas como um todo ele falhava em alguns aspecto. O acidente de 89 em Suzuka também não acho que foi culpa do Prost, o Senna forçou a barra ali, ou o Prost tirava o pé ou batia, e outros pilotos reclamavam disso que ele fazia.
          Recentemente o Lauda disse que o bonzinho não ganha títulos mundiais. Senna se encaixa perfeitamente no discurso, ele distorcia as regras para o lado dele e quando era o inverso ficava claramente emputecido.

      • Raynon Caliari

        Entendido cara, mas não é só por Monaco mano.
        Em Suzuka outra ridiculosidade: Nos campeonatos anteriores muitos pilotos já voltaram para a pista pela saída de escape, era algo normal e seguro.
        Mas no momento que Senna o fez, o mesmo foi desclassificado. Tipo, por que só com ele? Saca?
        Tem ainda a largada de 1990, que sacanagem cara.
        Pensa tipo se fosse você entende?
        Se mata para largar na pole e te colocam no lado sujo da pista, ridículo.
        Mas é só meu ponto de vista.

        • NightRider

          Não discordo de vc, a F1 sempre teve essas coisas, como o Senna mesmo disse “é muito político”.

          • Alex Dos Santos

            Assim como esse ano, não pararam uma corrida na Alemnha, mesmo com um carro (Acho que era o Perez) atravessado no meio da reta.

            Quem liderava….

            Rosberg!

            Isso sempre existiu e sempre irá existir, se o presidente da FIA fosse um brasileiro, o eliminado seria o Prost.

          • Leonardo Costa

            .

        • Iuri Matias Mieras

          Eu adoro os argumentos dos pro-Senna… sempre omitindo fatos quando convem. Senna não foi desclassificado só pela passagem pela área de escape. Senna também foi desclassificado por receber ajuda de fiscais para voltar a písta, o que sempre foi e sempre será terminantemente proibido.

          E o lugar da largada em Suzuka SEMPRE foi daquele lado, porque diabos teriam que mudar? Só porque o Senna tava chorando? Tivesse sido mais esperto, e deixa-se o Prost ficar com a pole, então… não seria uma estratégia mais lógica, perspicaz e digna de um grande piloto do que… jogar o carro em cima do outro!?

          Enfim, muita desculpinha prá endeusar o cara… sou mais caras como Fangio, Piquet, Fittipaldi, Jim Clark, Jack Brabham, Rindt, Lauda… Esses sim, nomes que merecem o título de deuses do automobilismo (principalmente o Fangio), pois nunca dependeram de polêmicas, jogos sujos, escudeiros ou regulamentos bizarros para serem campeões.

          • Leonardo Costa

            Senna foi desclassificado por politicagem e isso foi provado tempos depois que não era nada ilegal o que Senna fez passando na área de escape e tendo ajuda dos fiscais para fazer o carro pegar. O próprio Balestre admitiu que prejudicou Senna nessa corrida. Palavras dele: “Confesso que dei uma mãozinha a Alain naquele dia em Suzuka.”
            O resto é choro dos haters.

          • Iuri Matias Mieras

            Mostra aí onde estão essas provas e essa confissão bombástica do Balestre, que ninguém viu… aparentemente é uma evidência que só existe na cabeça dos fanáticos.

            Até que se prove o contrário, o regulamento da F1 está lá prá todo mundo ver: é proibido receber ajuda de fiscais ou qualquer agente externo para voltar o carro à pista. Todas as poucsa vezes que isso aconteceu, o piloto foi desclassificado.

            E com ajuda ou não, Senna estava 21 (ou 16 com os descontos) pontos atrás de Prost em Suzuka, e precisaria vencer ali E também em Adelaide para superá-lo. Mas Senna abandonou na Austrália também, então mesmo que tivesse vencido no Japão nada mudaria. Fim de história, chora fanboy.

          • Leonardo Costa
          • Iuri Matias Mieras

            Curiosamente, não se acha em lugar nenhum da internet essa suposta entrevista que o JMB deu… só o Estadão viu, pelo jeito. Muito, muito estranho.

          • Leonardo Costa

            Sim os fiscais podem ajudar a fazer o carro pegar. Já ocorreu várias vezes isso. O próprio Piquet defendeu Senna nesse caso onde o Prost foi beneficiado.
            Claro, o cara é desclassificado na corrida do Japão, então não iria com a mesma motivação e concentração, pois já não valia nada.
            Senna teria chance de levar o título caso não tivesse sido garfado no Japão. São fatos!

          • Iuri Matias Mieras

            Não… os fatos são que Senna vivia se involvendo em acidentes idiotas por puro egocentrismo e falta de cérebro… e isso custou o campeonado.

            Em 1989, pelo menos dois casos deixaram isso bem claro:

            1.) na largada em Jacarépaguá, quando o Berger largou melhor que ele, mas Senna mudou de posição duas vezes prá se defender, fechou o Berger na brita e jogou a corrida dos dois no lixo;

            2.) Em Estoril, quando o imbecil do Senna viu que o Mansell já tinha tomado bandeira preta, mas Mansell (outro imbecil) continuou na pista acelerando feito um louco… Mansell estava bem mais rápido que Senna e ia passá-lo facilmente (mesmo não valendo nada)… Senna, como sempre mostrando que era um megalomaníaco descerebrado, não aceitava ser ultrapassado e jogou o carro em cima de Mansell. Só que o prejuízo para Mansell foi zero, e para Senna foram vários pontos que ajudariam no campeonato;

            E em Adelaide mesmo, Senna rodou sozinho várias vezes (VÁRIAS!!) e depois de muitas rodadas bateu. Não teve nada a ver com motivação, a chuva era forte e não tinha milagre ali. Se Senna ganhasse, seria pura sorte (assim como foi pura sorte a vitória do Boutsen). A corrida toda foi uma loteria do caramba (e Senna queria vencer, pode ter certeza).

            Por fim, mas não menos importante, vamos nos lembrar também da trapalhada tosquíssima do Senna em Silverstone, quando ele errou na troca de marchas na curva Beckets, e rodou sozinho. Pontos perdidos ali também.

            E vale lembrar que só o Senna tinha a capacidade de explodir os motores Honda… a tocada dele sempre foi fortíssima (e irracional). Então ele perdeu algumas corridas por isso também, por não saber cuidar do carro… hell, Senna chegou até a quebrar o diferencial do McLaren dele.

            Então por TODOS estes motivos, fica bem óbvio que Prost ganhou por um motivo simples… Senna podia ser mais rápido em geral, mas Prost era BEM mais inteligente.

            Senna estava interessado em ganhar corridas. Prost administrava o campeonato. E na real, Senna só ganhou em 1988, porque o regulamento o beneficiou… porque em 1988 foi a mesma história… Prost tinha apenas uma vitória a menos, mas foi bem mais constante e terminou o ano com muito mais pontos que Senna.

            Estes, meu caro, são os verdadeiros fatos.

          • Iuri Matias Mieras

            A decisão da desclassificação em Suzuka ainda estava em aberto, e podia ser revertida após a corrida em Adelaide… ele estava EXTREMAMENTE motivado prá vencer, até porque era a ÚNICA chance que ele tinha de ainda vencer. Não há desculpas. Fatos são os que eu dei. Senna cagou prá caralho em 89.

          • Leonardo Costa
          • Iuri Matias Mieras

            De novo… jornalismo brasileiro inventando que tal resposta foi dada em um jornal francês. Pesquisa no Google por “interview Balestre l’équipe” e você não acha nada, só esses links de jornais brasileiros.

            Considerando como o jornalismo brasileiro sempre foi sensacionalista e mentiroso para endeusar Senna, essa notícia, até que se mostre a tal entrevista original, é INVENTADA.

            E realmente, não há argumentos contra os FATOS de que Senna cagou prá caralho em 1989, e não ia ser campeão de qualquer forma (rodou em Adelaide, mesmo quando o julgamento da desclassificação em Suzuka ainda estava em aberto e ainda haviam chances da decisão ser revertida).

      • Dieki

        Essa de mônaco eu ri. se fudeo o prost….

      • Leonardo Costa

        O Bellof tirava diferença com um carro adulterado, tanto que a a Tyrrell foi desclassificada de todas as provas. Bellof depois disso nunca mais andou da mesma forma como ocorreu em Mônaco. O melhor resultado dele no ano seguinte foi um quarto lugar.

  • Marcos Amorim

    De tudo isso podemos tirar uma conclusão: ninguém gostava do Balestre.

    • Rafa2810

      Prost gostava! ¬¬

  • Thiago Henrique
    • Matheus Carvalho

      E lá vai o Alonso destruir (internamente) mais uma equipe… Se bem que confiar nesses italianos é osso, quantas vezes o Massa saiu da Ferrari entre 2010 e 2013?

    • Alex Dos Santos

      Acho que isso não irá acontecer.

      Minhas apostas:

      Mclaren: Trás o Alonso.

      Ferrari: Raikonnen e Bianchi

      RBB: Mantém os dois.

  • Bernardo Faria

    HAUHAUAHUA Sacanagem postar isso dias depois que Prost “Jr” jogou o carro no Heidfeld.

  • Matheus Carvalho

    “Prost aparentemente não percebeu a manobra de Heidfeld e fechou a passagem mantendo seu traçado da curva.” Na verdade, ele jogou o carro pra cima do Heidfeld, estava beeeem longe para ele começar a virar pra curva.

  • Deniz_almeida

    “Tem que ser da zuera mesmo, jogar o carro pra cima mesmo, se matar, matou.”
    Manolo mod [OFF]

  • Guest

    Eu daria essa desculpa aqui…

  • Guest

    Se eu fosse o Senna, daria essa desculpa aqui…

  • Jorge Caetano

    Eita VTEC…

    • Maurício Redaelli

      hahaha!

    • Brazooka

      Putz! Levei uma bronca por gargalhar aqui no trabalho!

    • Dieki

      genial…

  • ovelho306

    no 2º vídeo, a discussão parece ter sido em torno de OUTRO ASSUNTO envolvendo uma questão de segurança… foi por isto que o Ayrton ficou putinho da vida…

    • Leo

      Foi sobre o uso da área de escape pra voltar à pista. Piquet falou que andar de ré (empurrado pelos fiscais) pode ser perigoso pq você estaria no caminho de outro piloto que eventualmente perdesse a freada e fosse para a área de escape. Daí os comissários decidiram liberar a passagem pela área de escape como Senna fizera no ano anterior. Por isso ele saiu furioso: ninguém foi punido por isso antes, nem depois dele. Ele foi o único piloto punido por usar a área de escape como escape.

      • ovelho306

        haabão… Entendido!

  • Rafa2810

    Senna era notabilizado por guiar sempre NO LIMITE…e isso, algumas vezes lhe custou corridas importantes. Em 1989, a animosidade entre Senna e Prost eliminava qualquer possibilidade de ambos cederem e mesmo assim a corrida transcorreu em sua “normalidade” por mais de 40 voltas…Já em 1990 Senna mandou o carro pra cima de Prost sim, como forma, entre outras coisas, de protestar contra o visível favorecimento do Francês por parte de Balestre.

    Senna odiava perder… e NA PISTA, fazia o possível e o impossível (inúmeras vezes) pra que isso não acontecesse.

    Prost odiava perder para SENNA, e fazia o possível, dentro e FORA da pista, pra que isso não acontecesse.

    Prost era cerebral, meticuloso, BEM RELACIONADO e com um BOM equipamento nas mãos…um dos melhores

    Senna foi um Mito, um Gênio…e só poderia ser enquadrado nesta classe por sua natureza indomável, pela sua fome implacável de vencer até o limite de seu carro…até os limites de seu corpo, até os limites da pista…

    • Dieki

      Esse jeito agressivo do senna custou a ele estatísticas mais fantásticas ainda. Ele abandonou mais que o dobro de provas que o Prost no mesmo período. E não foi por quebra, a maioria foram acidentes. Em 89 ele saiu tantas vezes que ficou distante do mais regular prost. O Senna foi, literalmente, um Win or Wall. Para o nosso deleite, muito mais win que wall.

    • Arthur Caruba de Mattos

      falou tudo, n mudaria uma vírgula.

  • Brazooka

    “Prost aparentemente não percebeu a manobra de Heidfeld e fechou a passagem mantendo seu traçado da curva.”

    Perdão… Mas a curva ainda estava distante para ele “tangenciar” daquele jeito.

    Opinião minha, mas considerando que a batida se deu entre roda dianteira e roda dianteira, foi tentativa de “fechar”, mesmo. Para mim ficou BEM nítido. E Prost deveria ser punido. Por melhor resistência estrutural que o carro tenha mostrado, o Heidfeld poderia ter ido desta para melhor.

    Pontos positivos da “pancada”:

    – o F-E mostrou uma bela resistência estrutural;

    – as baterias não vazaram (ótimo), e isso é bom, visto que poderia mandar eletrólito (composto líquido das baterias) para cima do piloto;

    – o Heidfeld saiu inteiro e sozinho de dentro do carro (esta, a melhor notícia, sem sombra de dúvida).

    Esta “lançada” do carro pela zebra, contra a proteção me fez lembrar daquele acidente do Rubinho, naquele trágico fim-de-semana de 1994… Quando vi aquele acidente, achei que o Barrica não voltava mais. Pancada forte pra dedéu.

    http://cdn05.motorsportretro.com/wp-content/uploads/2011/06/Rubens-Barrichello-Imola-1994.jpg

    • Alex Dos Santos

      Só achei as suspensões da F-E meio frágeis, da pra ver que aquele simples toque, o Heidfeld “Virou passageiro!!”. Realmente nos outros aspectos você têm razão.

      E sim, acho que o Prost deveria ser punido, por mais que ele negue, ele quis fechar o Heidfeld.

    • Welton Dos Anjos Machado

      Na foto o Barrica estava com as na cabeça?

      • Brazooka

        Ele não tinha como controlar os membros, devido à energia da pancada. Pode ser que um dos braços estivesse nesta posição. Mas não tinha como ele mantê-los nesta posição. A imagem abaixo mostra como não tem como “comandar” os braços, em situação de alta transferência de energia (guardando as diferenças, é como uma mãe querer segurar um bebê em uma batida. Não tem como. A transferência de energia faz com que o bebê “pese” tanto que a mãe não tem como segurar. E isto estamos falando em batidas a 60, 80, 100km/h. No caso do Barrica, estamos falando de velocidades próximas a 200km/h – os braços vão pesar bastante na transferência de energia).

        http://blog.jovempan.uol.com.br/f1/files/2014/04/Barrichello-Imola-1.jpg

        • Welton Dos Anjos Machado

          Muito bem explicado. Obrigado man.

  • Leiner Vitor

    “When you are fitted in a racing car and you race to win, second or third place is not enough.”

    Ayrton Senna.

    Isso devine o que deveria ser uma F1, não essa baboseira toda que é.

    • André

      que nem ele falando com o Jackie Stewart: “o objetivo de um piloto é ganhar,se você não tenta ultrapassar quando ha uma chance,você não é mais um piloto”

      • Leiner Vitor

        Eu corro pra VENCER!!

        Cara, Ayrton Senna é d+, o cara vai muito alem do que ser um piloto. Ele éra um ser humano completo. Pra mim o maior defeito dele foi ter dado bola para aquela vagabunda da XUXA. O mulézinha…

    • Pedro Jungbluth

      Acho que a F1 teve uma decadência ética com o período Senna e levou anos para se recuperar depois da morte dele.

  • Pedro Vianna®

    Esses dois era pura mulekagem! hahahahahah

  • Pedro Jungbluth

    Tanto em 1989 quanto em 1990, a curva era do Prost e Senna causou a batida.

    OK, aquele lance de punir ele por usar a área de escape foi absurda e a FIA errou nisso, a vitória de Suzuka em 1989 deveria ter sido dele com ou sem batida. Porém deve-se lembrar que ele não seria campeão de qualquer forma.

    • Leonardo Costa

      Mas seria outra situação na última corrida caso se confirmasse a vitória de Senna no Japão.

      • Pedro Jungbluth

        Acha que Senna estava desmotivado em Adelaide?
        Ao menos já viu a corrida?
        Muito pelo contrário, estava com sangue nos olhos. Ao não conseguir vencer, perdeu grande parte do argumento.
        O que aconteceu em Adelaide foi um acontecimento absolutamente incidental causado pela não visibilidade. Não existe nenhum argumento jurídico que reverteria o abandono de Senna lá. Portanto, com ou sem batida em Suzuka, Senna não foi campeão em 1989.

        • Leonardo Costa

          Eu vi a corrida na época. Ali já não valia nada e creio que ele não estava com a mesma motivação e concentração de antes depois do ocorrido no Japão.

          • Pedro Jungbluth

            Como não valia nada? A prova em Suzuka ainda estava sob júdice dos apelos da McLaren… E Senna queria muito provar que seria campeão. Ele correu muito bem, não andou desmotivado, estava liderando a prova quando teve uma colisão absolutamente impossível de se evitar, pois envolvia um retardatário escondido no spray da água. Não vejo como ele estando mais motivado iria enxergar algo diferente ou pilotar diferente.
            Por sinal, Prost abandonou em Adelaide, se valesse o título ele faria o mesmo? Isso é muito especulativo, supor que Senna ganharia o título se validassem sua vitória em Suzuka é no mínimo um chute bem alto e bem otimista.

            Se Senna era tão especial motivado, não deveria ter feito aquela manobra suicida em Suzuka. O mergulho que ele deu foi no mínimo otimista demais, absolutamente perigoso, não sei como ele sinceramente esperava que Prost fosse abrir as pernas e deixar ele passar. OK, Prost não devia ter mudado de direção tão bruscamente no momento da freada, mas não significava que ele iria deixar de se defender, valendo um título, não?
            Senna estava mais rápido e se tivesse agido com mais calma teria passado de forma segura. O carro não quebrou por puro milagre, e o desespero de pedir ajuda para comissários era algo bem fora do padrão da F1. Eu não teria punido ele por cortar a chicane, mas teria punido ele pela batida. O corte da chicane foi apenas uma desculpa para poder punir ele por algo que o regulamento não previa: um piloto ganhar uma corrida jogando o carro em outro.

          • Pedro Jungbluth

            Tem que se analisar como era a F1 antes disso: pilotos agressivos que faziam manobras suicidas tentando ganhar posição numa chantagem de risco de vida eram defenestrados do esporte. A F1, como todo esporte inglês, era famosa pela honestidade e ética dos competidores, portanto o regulamento não previa punições para manobras de risco, nem essas manobras eram definidas no regulamento.
            Com Senna a coisa mudou, porque ele era maluco, atirava o carro nos outros, tanto para defesa quanto para ataque, falava publicamente sobre isso, sempre no estilo “é assim que se ganha” e apesar da reação negativa dos outros pilotos, nunca foi pressionado para fora da categoria porque era blindado por uma forte ação de marketing permanente e fortes patrocinadores.
            O número de acidentes aos quais ele se envolvia, normalmente causando, era algo inimaginável para a F1 da época. Pilotos sem forte apoio na categoria temiam se envolver em algum acidente com ele, e assim davam passagem sem defender a posição, e os grandes pilotos sabiam que quando Senna atacava eles tinham que evitar uma batida ou então teriam abandono duplo. Isso sempre deu uma vantagem competitiva para Senna, algo injusto, e era inevitável que batidas começassem a ser usadas como forma de estratégia. Ele rebaixou o nível moral da categoria. Hoje é preciso ter um extenso regulamento sobre o que pode ou não pode em manobras de ultrapassagem, deixando a categoria engessada, mas foi necessário para evitar muitos acidentes. Aos poucos o nível moral tem sido retomado.