Edição diária: 19/06/2019
FlatOut!
Image default
Car Culture

Quando Alain Prost e Ayrton Senna decidiram o campeonato de F1 batendo seus carros

A corrida inaugural da Formula-E foi um marco na história do automobilismo e pode significar o início de uma nova era no esporte motorizado. Afinal, são os carros elétricos tão prenunciados como o futuro do automóvel acelerando ao máximo em pistas de todo o mundo nas mãos de pilotos de ponta.

Agora, se você é fã de Fórmula 1, deve ter visto uma certa coincidência ao final da corrida. O francês Nicolas Prost, filho de Alain Prost, liderava a prova quando o alemão Nick Heidfeld tentou utrapassá-lo por dentro na última curva. Prost aparentemente não percebeu a manobra de Heidfeld e fechou a passagem mantendo seu traçado da curva. Repare que Nicolas olha para o retrovisor direito e vê o alemão atrás de seu carro, mas prossegue com a trajetória pois talvez não tenha escutado a aproximação do rival (até por que não há muito para escutar).

Obviamente a batida não foi proposital — Nicolas e Nick são amigos e parceiros na equipe Rebellion do WEC e, sinceramente, é difícil acreditar que alguém seja capaz de trocar um segundo lugar por um DNF (did not finish) só para defender sua posição. Ainda mais sendo filho do “professor”.

E então chegamos a tal coincidência mencionada anteriormente: o acidente de Nicolas Prost foi muito semelhante aos acidentes que envolveram seu pai, Alain Prost, e Ayrton Senna nas decisões de título de 1989 e 1990. É deles que iremos falar neste post.

 

The treta has been planted

Quando a F1 chegou ao Japão em 1989, Alain Prost liderava o campeonato daquele ano com 16 pontos de vantagem em relação  a Senna, o segundo colocado. Para ter chances de conquistar o bi-campeonato, Senna precisava vencer a prova japonesa e também a prova seguinte, na Austrália. A relação entre os dois já estava abalada desde o GP de San Marino, no começo da temporada, quando Senna ignorou um acordo firmado com Prost no qual o piloto que chegasse na frente à primeira curva, manteria a posição.

Na corrida japonesa o brasileiro fez a lição de casa e conquistou a pole position com 1,7 segundo de vantagem sobre Prost, que ficou com o segundo lugar no grid.

image-3-for-artyon-senna-gallery-17509798

Na largada, contudo, Prost arrancou melhor e assumiu a liderança, deixando Senna em segundo. O francês abriu vantagem até a volta 20. Na volta seguinte o francês fez a segunda parada nos boxes para trocar pneus. Senna parou duas voltas depois, mas sua troca de pneus demorou dois segundos a mais que a de Prost. Senna então começa a imprimir um ritmo cada vez mais forte para alcançar Prost. Na volta 40 ele chegou e na 46ª volta a diferença entre os dois era de apenas meio segundo.

Precisando vencer, Senna prepara o ataque a Prost na volta 47. Ele tenta a ultrapassagem pelo lado de dentro da primeira perna da chicane. Prost por sua vez se defendeu antecipando a entrada da curva e ambos se tocaram indo parar na área de escape. Com os carros encaixados, Alain Prost abandonou a corrida ali mesmo, mas Senna está determinado a vencer e por isso pediu ajuda aos fiscais de pista para voltar à corrida, fazendo seu carro pegar no tranco e voltando à pista depois de atravessar a área e escape.

No enrosco o bico do McLaren de Senna foi danificado, obrigando Senna a voltar aos boxes para trocar a peça. Enquanto isso Alessandro Nannini da Benetton assume a liderança. Duas voltas depois, Senna está colado em Nannini e faz a ultrapassagem sobre o líder no mesmo lugar onde tentou ultrapassar Alain Prost. Senna completa a manobra e corre para a vitória do GP.

Contudo, antes do pódio Senna é chamado para esclarecer o acidente com Prost e depois de uma longa reunião com os comissários da FIA, o brasileiro foi desclassificado da prova por ter usado a área de escape e recebido ajuda dos fiscais de pista. Ele também foi acusado de direção perigosa, e acabou punido com seis meses de suspensão e uma multa de US$ 100.000.

Sobre o acidente, Prost limita-se a dizer que não abriu passagem para Senna, o que significa que aquela curva era sua, e que o culpado pelo acidente foi o brasileiro. Prost sempre foi conhecido por sua pilotagem limpa e cerebral, e nunca como um piloto agressivo nas disputas de posição.

89jap72

Ron Dennis, da McLaren, por sua vez, comprou a briga de Senna, colocando-se indiretamente contra o francês — algo inédito na história da Fórmula 1, segundo Prost: “Este é a primeira vez que eu vejo uma equipe posicionar-se contra seu próprio piloto”, disse o francês que no ano seguinte assinou contrato com a Ferrari. A defesa de Dennis é que a área de escape serve como uma passagem, e que nunca um piloto fora punido por usá-la para voltar à pista, o que tornaria a decisão completamente arbitrária contra Senna.

Com a punição de Senna, Prost conquista o título  — seu terceiro título da carreira e o último pela McLaren.

Prost_WC_1989

 

A vingança

No ano seguinte, 1990, a Fórmula 1 voltou ao Japão com uma situação semelhante, porém inversa: Senna tinha a vantagem de pontos e Prost precisava vencer a corrida para ter chances de ser campeão. Pelo terceiro ano consecutivo a decisão do campeonato estava nas mãos de Senna e Prost, e pela terceira vez, a decisão seria em Suzuka.

senna-prost-1990-suzuka--1

Senna, como já havia virado tradição, conseguiu a pole position — a 51ª de sua carreira. Acontece que em Suzuka, desde 1987, o piloto da pole position largava no lado direito da pista — fora da linha ideal. O próprio Senna havia largado nesta posição em 1988 e em 1989. Nas duas ocasiões ele largou mal — em 1988 ele caiu para 14º e em 1989 perdeu a ponta para Prost e mais tarde se envolveu no acidente que definiu o título.

Na corrida de 1990 antes mesmo dos treinos de classificação começarem, Senna tentou convencer os fiscais de prova a inverter as posições de largada do grid. A solicitação parecia ter sido atendida, mas quando conquistou a pole, ele soube que as posições originais haviam sido mantidas. Senna largaria no lado sujo novamente e estava convicto de que aquela decisão contrária a ele tinha a mão de Balestre.

Logo depois, no briefing dos pilotos antes da corrida, ficou acertado de que eles não seriam desclassificados por usar a área de escape na chicane, como acontecera no ano anterior com Senna. Ele obviamente ficou enfurecido com a situação e deixou o local.

Na largada, Prost saltou à frente de Senna e tomou a liderança. O brasileiro manteve-se logo atrás do francês. A liderança não duraria muito. Na curva 1, Prost foi para o meio da pista e depois voltou para a esquerda, enquanto Senna se meteu no espaço que havia sido aberto pelo francês. Prost aliviou o acelerador e iniciou a manobra para contornar a curva. Nesse momento Senna, que estava a cerca de 210 km/h, atingiu a roda traseira da Ferrari de Prost e os dois foram direto para a caixa de brita.

Quando a poeira baixou, cada um saiu de seu carro e ambos voltaram aos pits caminhando por caminhos diferentes. Senna apenas perguntou se a corrida seria interrompida. Com a negativa, Senna tornou-se campeão mundial de 1990.

A corrida ainda marcou um momento histórico para os torcedores brasileiros: ela foi a última dobradinha brasileira na Fórmula 1. Os pilotos da Benetton Nelson Piquet e Roberto Moreno — amigos desde a adolescência em Brasília (DF) — conquistaram o primeiro e o segundo lugar respectivamente.

Zgn84gd

Matérias relacionadas

Este carro elétrico feito por um estudante deve ser o automóvel mais bonito já feito na China

Dalmo Hernandes

Autostadt: a maior fábrica da Volkswagen é uma verdadeira cidade dos carros no coração da Alemanha

Dalmo Hernandes

RS Turbo: o Skyline dos anos 80 que foi o precursor dos GT-R modernos

Dalmo Hernandes