A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Técnica

Quatro cilindros, três turbos e 450 cv: os detalhes do novo motor super eficiente da Volvo

Durante muitos anos toda uma geração de entusiasta era fascinada pela impressionante potência específica do motor F20C do Honda S2000, que deslocava pouco menos de 2.000 cm³ para produzir 240 cv, resultando em impressionantes 120 cv/l sem a ajuda de sobrealimentação. Claro, ajudava muito o fato de ele girar a 9.000 rpm.

Então veio a era do downsizing e os velhos motores giradores foram substituídos por motores menores e sobrealimentados, e a busca por mais eficiência energética resultou em motores relativamente pequenos produzindo potência impressionante. Primeiro foi o Mercedes A45 AMG, que produz 350 cv usando um quatro-cilindros turbo de apenas dois litros — ou 175 cv/l, número impressionante até mesmo para um motor turbo. Para colocar em contexto, o 1.0 EcoBoost da Ford produz cerca de 125 cv, e a Ferrari F40 teria 507 cv se o seu V8 tivesse essa mesma potência específica.

volvo-543459623171f

Mas agora a Volvo divulgou um novo motor conceitual para um futuro próximo que irá muito além disso. O quanto? Que tal produzir 450 cv com um motor 2.0? Sim, você leu direito: 450 cv com dois litros de deslocamento. São 225 cv por litro deslocado. Como eles conseguiram isso? Com a magia negra dos turbos. Muitos turbos.

Na verdade são apenas três, mas isso é bem mais do que estamos acostumados a ver. Batizado de Drive-E, o motor usa dois turbos paralelos que são alimentados por um turbo elétrico. Dessa forma, o ar comprimido por esse turbo elétrico não alimenta os cilindros — ele serve apenas para girar os dois turbos paralelos para produzir uma quantidade absurda de potência com praticamente zero de lag.

O princípio é semelhante ao do conjunto híbrido da Fórmula 1, que usa a eletricidade para manter os turbos girando mesmo em desacelerações — momento em que o fluxo do escape não é suficiente para “encher” as turbinas. Além dos turbos, o motor usa um sistema de injeção direta que usa uma bomba eletrônica para injetar o combustível nos cilindros a uma pressão de 250 bar.

Infelizmente a Volvo ainda não confirmou quando nem em qual modelo este motor será oferecido, mas considerando que o desenvolvimento contou com a parceria da Polestar nos estágios iniciais, ele pode muito bem ser aproveitado em alguma futura versão radical da marca sueca. Quem sabe substituindo o antigo seis-em-linha turbo do S60/V60?

 

Matérias relacionadas

Como a Mazda reduziu o lag do turbo em seu motor Skyactiv

Leonardo Contesini

Direct Shift: como funciona o câmbio CVT com engrenagens do novo Corolla?

Leonardo Contesini

Thais Roland resolve os problemas no cabeçote do seu Ford Maverick

Leonardo Contesini
error: Direitos autorais reservados