Edição diária: 20/06/2019
FlatOut!
Image default
WTF? Zero a 300

Quem transformou este Mazda MX-5 em um Mustang? E por que alguém faria uma coisa dessas?

Certas coisas que acontecem no mundo dos carro nos revoltam, e hoje temos mais uma coisa revoltante para mostrar a vocês. Olhe a foto acima rapidamente, sem prestar muita atenção. É um Mustang bacaninha, com carroceria azul, dianteira levemente customizada e conversível – um carro tipicamente americano. Só que… não.

Repare no desenho do para-brisa, no entre-eixos curto, nos santantônios atrás da cabine… é um Mustang de dois lugares, apenas. Mas não, não é uma versão conversível do “Shorty”, o Mustang de dois lugares que a Ford nunca produziu. Na real, esse carro sequer é um Mustang. É um Mazda MX-5 Miata!

Não é a primeira vez que a gente topa com um carro mais moderno transformado em um Mustang clássico. Em uma das últimas vezes que a gente viu, um Nissan GT-R recebeu a carroceria de um Mustang 1969 modificada, e até que ficou interessante (especialmente com um V8 3.8 biturbo de 552 cv e tração nas quatro rodas). Só que desta vez não temos o apelo da potência.

be69bfcc57f24e69a60140442560383e 02dcf8bd31e04c6098a5af1d044054ad

O carro parece bem feito. De alguma maneira, os responsáveis por esta conversão conseguiram uma execução impecável. Tente achar algum gap estranho, alguma linha perdida, alguma coisa sobrando ou faltando (fora alguns cm de entre-eixos) e você não vai encontrar. Quem quer que tenha sido o responsável por esta obra, anunciada no site americano Auto Trader, fez um trabalho caprichado.

Mas afinal, quem foi?

O pessoal do Jalopnik encontrou a resposta em uma matéria de 2007 (onze anos atrás, caso você não estivesse se sentindo velho o suficiente) no site Mustang 360°. Quem fez este carro foi um homem chamado Bill Carnes, de St. Augustine, na Flórida. Carnes é um experiente restaurador de carros clássicos que começou sua carreira recuperando exemplares do Shelby Cobra original que haviam sido danificados durante a importação do Reino Unido para os EUA (afinal, o Cobra era um roadster inglês com coração americano). Depois, ele passou para o Mustang de primeira geração, seu carro favorito.

8fcf6e890e3640108a0bc2be5f69733d

Foi quando Bill se deu conta de que gostaria de um carro com o estilo clássico do Mustang, porém sem a necessidade de restaurar um Mustang antigo, com todo o trabalho, tempo e dinheiro que costumam estar envolvidos em tal empreitada. Aproveitando que já existiam empresas que fabricavam painéis de carroceria novos para o Mustang, como a Dynacorn (que é, inclusive, licenciada pela Ford), Bill só precisava de uma boa base.

190c0f5f3e9f481fb76a5386b636f594

Ele escolheu o Miata por ser um carro barato e fácil de encontrar nos EUA. E, segundo ele, as dimensões gerais não se afastavam muito. Será mesmo? Vejamos: o Miata de primeira geração tinha 3.950 mm de comprimento, 1.675 mm de largura e 2.265 mm de entre-eixos. O Mustang conversível de 1965 tinha 4.613 mm de comprimento, 1.732 mm de largura e 2.743 mm de entre-eixos.

Pois então: na real a diferença é visível, especialmente no entre-eixos (até porque o Mustang 1965 era um 2+2, enquanto o Miata de primeira geração era um roadster de dois lugares), e é por isso que as proporções são tão estranhas. O Mustang-Miata (batizado por Bill como “M1stang”, por alguma razão) parece um brinquedo.

O caso é que não demorou para que Bill encontrasse um sócio e começasse a vender carros parecidos com o seu. Ele dizia na época que, apesar das adaptações na lata (que se concentram especialmente nos para-lamas e nas portas), a cirurgia era relativamente simples e que dispensava até mesmo a drenagem dos fluidos – apenas a bateria era removida por questão de segurança. Todos os sensores continuavam funcionando, assim como todos os equipamentos, incluindo airbags.

e05f63fa4f034f1699bb681fe74fdac0 938c56ce34f9473eb3c5aa415b206ee1 6cd69d2adcf44e7181b78b7f34516b1c

O visual do para-brisa, mais inclinado e arredondado, e a capota retrátil do Miata causam a mesma estranheza que o entre-eixos mais curto, porém há algumas questões que devemos considerar: hoje em dia, um Miata de primeira geração já é quase um clássico, mas em 2007 ele ainda era só um carro um pouco mais velho e ninguém se importava muito em preservá-lo. Já o Mustang doador… bem, este nunca existiu, pois os painéis da carroceria são novos, de melhor qualidade que os originais dos anos 60, e nenhum clássico foi destruído para dar vida a este pequeno frankenstein. Para-choques, faróis e lanternas são peças paralelas. O carro continua sendo um conversível pequeno com motor 1.8 longitudinal, câmbio manual, tração traseira e suspensão independente nas quatro rodas. Parece algo maior e mais antigo, mas ainda deve ser divertidíssimo de guiar.

4468a163c13342e793db87fba2cb2d97 b3ce47b4886c4e3b8342decf377037d7 5999e4c8af364af3b95c4c0485d038ac 9e68124efc5d4e0f89f9eda88eedbdbe d7b3b9dc424d40018b8246509b4c2ef9

Na época, Bill chegou a entrar em contato com a Ford, a fim de conseguir autorização para construir suas “réplicas”, e conseguiu. Ou seja: nem mesmo a Ford achou a ideia tão ruim assim. De acordo com a matéria no Mustang 360°, Bill entregava um carro por mês em 2007.

Agora, não é um carro para todo mundo. Especialmente considerando que o carro está à venda por US$ 9.800, o equivalente a cerca de R$ 32.000 em conversão direta. O exemplar azul das fotos foi feito com base em um Miata 1997, que no mercado americano costuma custar até US$ 6.000 em bom estado e totalmente original. Já um Mustang 1965 todo restaurado não sai por menos de US$ 30.000. Se é um bom negócio, depende do gosto do freguês: se ele quer um Mustang mas só tem grana para um Miata, pode até dar certo.

 

 

Matérias relacionadas

Gasolina a R$ 1,36 em SP, a verdade sobre o GP de Mônaco de 1984, mais descontos para a Kombi Last Edition…

Leonardo Contesini

Novo BMW Série 5 no Brasil, Apple ganha licença para testar carros autônomos, O novo R8 Audi Sport e mais!

Leonardo Contesini

Lewis Hamilton vs. Ken Block, Troller T4 começa a ser divulgado, GPS sem satélite e mais!

Leonardo Contesini