A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Achados meio perdidos Zero a 300

Quer colocar um hatch francês na garagem? Este Citroën ZX 2.0 16v está à venda!

Antes do C4, havia o Xsara, e antes do Xsara, havia o ZX, que foi o primeiro Citroën a desembarcar no Brasil após a abertura das importações. Ele foi lançado na Europa em 1991 e chegou ao Brasil no ano seguinte, sendo vendido até 1997, quando o Xsara foi lançado no Brasil. Não é muito fácil encontrar um ZX à venda que esteja bem cuidado, original e com menos de 100.000 km rodados. É por isso que nosso Achado meio Perdido de hoje, um Citroën ZX Coupe 2.0 16v, é uma máquina bem interessante para quem curte os hatchbacks franceses.

O ZX ainda estava fresco na Europa quando chegou ao Brasil, apenas na versão Volcane, com motor de 1,9 litro e 125 cv – muito parecido com aquele utilizado no Peugeot 205 GTI 1.9. Seu estilo era moderno para a época, com linhas retas e superfícies limpas, mas a carroceria de quatro portas não era exatamente a favorita dos brasileiros.

img_125464_4_9e84cdd1-3535-479b-8069-4f5ae57b04b4

Apenas em 1994, com a adoção da carroceria de duas portas e do motor 2.0 16v de 155 cv, foi que o ZX Volcane começou a fazer mais sucesso no Brasil, logo sendo rebatizado como ZX Coupe. A partir de 1996 recebeu versões com motor 1.8 8v de 103 cv – Paris, com carroceria de quatro portas, e Furio, de duas portas. Naquele ano, o ZX Coupe foi rebatizado como Dakar, e a potência do motor 2.0 aumentou para 167 cv. Não foi à toa que o ZX Dakar tornou-se a versão mais cobiçada: segundo a Citroën, ele era capaz de ir até os 100 km/h em 8,3 segundos, com máxima de 214 km/h.

img_125444_4_9e84cdd1-3535-479b-8069-4f5ae57b04b4img_125440_4_9e84cdd1-3535-479b-8069-4f5ae57b04b4

O carro que encontramos anunciado no GT40 é um ZX Coupe 1994, o que significa que ele tem o motor 2.0 16v de 155 cv – potência que aparece às 6.000 rpm, enquanto os 19 mkgf de torque máximo chegam às 3.500 rpm. O câmbio é manual de cinco marchas, e o conjunto é suficiente para que o carro vá de zero a 100 km/h em 9,4 segundos, com máxima de 195 km/h (dados de fábrica).

O proprietário, Ramiro Crespo, mora em Trajano de Morais/RJ. Ele conta que comprou o Citroën no fim de 2016 e que o mesmo tem cerca de 94.000 km rodados, comprovados através do manual do proprietário e do histórico de manutenção, que acompanham o carro – assim como a chave reserva.

img_125460_4_9e84cdd1-3535-479b-8069-4f5ae57b04b4

Ramiro diz que se trata de um carro íntegro, que sempre teve as revisões feitas em concessionária e que tudo nele funciona. A lista de equipamentos, aliás, é boa: teto solar, trio elétrico, volante regulável, bancos dianteiros com ajuste lombar e revestimento de couro, direção assistida, freios ABS e ar-condicionado são alguns deles.

Externa e internamente o carro apresenta bom estado de conservação. Não está impecável, e apresenta detalhes como um ralado no para-choque dianteiro e um pequeno rasgo no banco do motorista, mas todos os acabamentos, emblemas, frisos e comandos estão no lugar, o que é um ponto positivo em qualquer carro importado dos anos 90.

De acordo com Ramiro, o carro está sob seus cuidados na oficina da família, e todos os serviços de manutenção recentes foram feitos por ele mesmo. A revisão foi extensa: todos os fluidos, filtros, correias, esticadores e tensores foram trocados; bem como amortecedores e molas na dianteira, buchas, pinças e pastilhas de freio e bomba de combustível. Os pneus Pirelli também são novos, nas medidas originais (195/55/15).

img_125424_4_9e84cdd1-3535-479b-8069-4f5ae57b04b4

Um ponto importante para quem conhece e curte o Citroën ZX: o eixo traseiro autodirecional funciona perfeitamente, segundo Ramiro. Para quem não lembra, alguns carros franceses dos anos 80 e 90 tinham buchas especiais na suspensão traseira que direcionavam automaticamente o movimento das rodas traseiras para auxiliar no comportamento dinâmico – é um sistema passivo, sem um atuador hidráulico ou elétrico, como se costuma ver hoje (você pode ler mais sobre o sistema aqui).

Ramiro diz que gosta bastante do Citroën ZX, mas que precisa vendê-lo para dar continuidade à restauração de um Chevrolet Opala – uma causa nobre, afinal. Ele diz que estuda trocas por veículos do mesmo valor e também aceita propostas, desde que não sejam absurdas.

Ficou interessado? É só clicar aqui para conferir o anúncio e pegar todos os detalhes com o dono!

inbanner-fim-post


“Achados Meio Perdidos” é o quadro do FlatOut! no qual selecionamos e comentamos anúncios do GT40.com.br de carros interessantes ao público gearhead, como veículos antigos, preparados, exclusivos e excêntricos. Não se trata de publieditorial. Não nos responsabilizamos pelas informações publicadas nos anúncios nem pelas negociações decorrentes – todos os detalhes devem ser apurados atenciosamente com o anunciante!

Matérias relacionadas

Akrapovič – como um piloto de motos se tornou um dos maiores fabricantes de escapes do mundo

Dalmo Hernandes

Os carros mais vendidos em julho de 2019, Indy terá motores híbridos, a “volta” do Escort Mk II e mais!

C88: o Porsche popular feito para a China que nunca foi fabricado

Dalmo Hernandes