A revista semanal dos entusiastas | jorn. resp. MTB 0088750/SP
FlatOut!
Image default
Car Culture

Rauh-Welt Begriff: o mundo bruto dos Porsche 911 de Akira Nakai

A mais de 10.000 km de Stuttgart, na cidade japonesa de Chiba, encontra-se uma das preparadoras de Porsche mais cultuadas do mundo. Conhecida como RWB, ela é como um portal para um universo paralelo separado da realidade que a rodeia. Por fora, a oficina parece apenas um galpão com dezenas de Porsche dos anos 1980 e 1990 estacionados em frente.

Ao cruzar as portas de entrada há espaço suficiente para os carros, uma cabine de pintura ao fundo e não muito mais do que isso. O espaço de trabalho se mistura com a casa do criador e proprietário da oficina.

6376417219_3567b733bc_b 6376420301_571f3a21a8_b

Lá dentro, entre uma jukebox que dispara jazz contemporâneo continuamente, máquinas caça-níqueis, volantes pendurados, rodas empilhadas, um mural de garrafas de Stella Artois e um sofá vermelho que parece ter sido roubado do Papai Noel, se encontra um cara com unhas sujas de graxa e um Marlboro entre os dedos.

Seu nome é Akira Nakai.

Captura de Tela 2014-05-02 às 16.42.58

Nakai é o criador do “conceito Mundo Bruto” — um estilo de personalização moldado ao longo de duas décadas ao volante, que começaram nos anos 1980, quando Nakai dirigia um Toyota AE86 e integrava um grupo de drifting de rua chamado Rough World (mundo bruto, em tradução livre).

Foi nessa época que ele começou a personalizar seus carros. Dizem que ele foi o primeiro a socar seu carro no chão e a dirigir por aí com a cambagem negativa conhecida como “demon-camber” ou “oni-kyan”, ainda nos anos 1980. Dizem.

Seu AE86 tinha rodas de borda larga instaladas com espaçadores e alargadores de para-lamas, e eram calçadas em pneus de tala estreita para se destacar visualmente. O “estilo bruto” de Nakai foi ainda mais intensificado quando ele pintou seu AE86 de preto fosco. Tudo isso torna Akira Nakai um dos pioneiros da cultura automotiva de rua que se espalhou pelo mundo mais de vinte anos mais tarde.

Nos anos 1990 ele teve seu primeiro contato com os Porsche, quando trabalhava em uma funilaria em sua cidade. Ali, desenvolveu sua paixão pelos esportivos teutônicos. Ele ficou fascinado pela mecânica robusta e enxergou um grande potencial estético nas formas clássicas do 911. Anos mais tarde, aos 28, Nakai comprou seu primeiro Porsche: um 930 (a primeira geração do 911 Turbo) que ganhou o apelido de Stella Artois.

6376425811_db546b04af_b

Em 1997 ele decidiu transformar seu estilo “bruto” em meio de vida, e criou sua própria oficina de personalização e preparação: a Rauh-Welt Begriff, que é exatamente o nome de seu conceito traduzido para o idioma nativo dos Porsche. O arquétipo do Porsche RWB é seu Stella Artois, com para-lamas alargados, suspensão rebaixada, as imensas rodas de borda larga, e interior bruto, pronto para as pistas — embora o carro possa ir rodando a qualquer autódromo do planeta.

Embora já tenha quase 20 anos, a Rauh-Welt Begriff só se tornou um ícone cultural nos últimos anos, quando ganhou fama em uma espécie de super track day chamado Idlers Games (mais adiante teremos um post sobre eles), realizado três vezes por ano nos circuitos mais populares do Japão como Tsukuba e Twin Ring Motegi. Com a explosão da cultura JDM mundo afora, a RWB ganhou o status cult que mantém até hoje. A mistura equilibrada de performance e estilo do “Stella Artois” tornou-se um ícone entre a comunidade, e uma fonte de inspiração para vários fãs na hora de modificar e preparar seus carros.

[vimeo id=”31239836″ width=”620″ height=”350″]

Nakai reforça que este é o espírito da RWB: construir carros com impacto visual, que façam as pessoas torcerem o pescoço na pista. Para ele, cada projeto é um desafio de criar um carro que combine com a personalidade e o gosto do proprietário, e por isso, antes de iniciar seu processo criativo, Nakai faz uma série de entrevistas com os clientes e só depois começa a trabalhar no carro.

6376410801_d4b7363bc0_b

Depois que decide o que será feito no carro, ele pede que o proprietário lhe entregue o carro e o deixe trabalhar sem interferências, como se fosse um artista tradicional. Tanto é que durante os trabalhos em um carro, ele dorme na oficina para estar perto do carro quando uma onda de inspiração aparecer. Além disso, ele prefere trabalhar durante a noite, quando tudo está em silêncio e tranquilo. Por isso também, às vezes Nakai aproveita um tempo livre na oficina para colocar o sono em dia.

Um Porsche RWB pode levar meses para ficar pronto, e Nakai-San desenvolve apenas o conceito e faz as modificações estéticas, terceirizando os trabalhos de suspensão, freios e powertrain. Todo o trabalho de carroceria é feito ali mesmo, na RWB em Chiba, mas Nakai eventualmente viaja pelo mundo para atender clientes mais especiais.

Unknown-5

O próprio Nakai lixa e corta a lata, modela a fibra, dá o acabamento, mistura as tintas e pinta os carros. As rodas também são pintadas para combinar com o carro. Mas não espere escolher a cor do seu Porsche RWB — assim como o visual do carro, a decisão sobre a cor fica a cargo de Nakai.

RAUH-Welt-Begriff-RWB-Nakai-San-19-301783

Por último, ele batiza o carro para refletir a personalidade do proprietário e do próprio carro. Os nomes são variados, mas sempre há um significado por trás deles, mesmo que seja banal. O 930 de Nakai, por exemplo, chama-se Stella Artois exatamente pelo motivo que você imaginou no começo do texto: é a cerveja preferida do cara, como se vê na foto acima.

7295210916_3e6683f23d_o

O primeiro dos cinco RWB a chegar aos EUA chama-se Pandora One — talvez uma referência à Caixa de Pandora, que foi aberta e espalhou seu conteúdo maligno pelo mundo. O 993 vermelho que aparece em um posto de gasolina na galeria ao fim do post, chama-se Yves Piaget, o nome do presidente da fabricante suíça de relógios e jóias Piaget. Já o primeiro RWB a ser entregue na China, chama-se “The Sopranos” e ganhou até um vídeo exclusivo:

Apesar dos projetos lhe renderem fama e dinheiro (os projetos partem de US$ 20.000), Akira Nakai não faz mais de um carro para a mesma pessoa. E embora seus carros estejam sendo feitos em vários países (como EUA, China e Filipinas), ele não pretende transformar sua marca em algo “mainstream”. Ele não liga para a grana, nem para a fama. Ele só quer fumar seus cigarros e pilotar seus carros. Para ele, isso é tudo o que importa.

[ Fotos: hightopfade/Flickr (993 vermelho), Zack Hafler/Flickr (dentro da oficina e AE86), Have Fun SVO (964 verde), Speedhunters (encontro), Bufalos TV (Akira na poltrona), SpinaSquared, Richard Trann, Sean Klingelhoefer ]

Matérias relacionadas

Delta Automotiva: conheça a primeira equipe universitária de arrancada do Brasil – e seu Fiat Uno!

Dalmo Hernandes

Escolha impossível: você vai de Mercedes-Benz CLK DTM ou CLK63 AMG Black Series?

Dalmo Hernandes

O Santo Graal da Subaru: um dos protótipos do Impreza WRX STi está à venda – com 55 km rodados

Dalmo Hernandes